29.5 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

1 em cada 4 senadores tem propriedade rural

Somente 7 dos 513 deputados federais se autodeclararam no exercício de atividades relacionadas à agropecuária. No Senado, esse número é de apenas 1. No que se refere às propriedades no campo, no entanto, de 10% a 16% dos deputados têm propriedades rurais declararam, quando observados os dados do TSE e do Incra, respectivamente.

No Senado, esse percentual é hoje de 25%, ou seja, 1 a cada 4 senadores possui bens rurais. Se incluídos os dados do Incra, essa proporção sobe para 35%. O levantamento foi feito pelo Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB), plataforma que é resultado da colaboração entre o Núcleo de Estudos sobre o Congresso (Necon) e o Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (Lemep), ambos do Iesp-Uerj.

O OLB utilizou dados do TSE, do Incra e do Ruralômetro (plataforma criada pela ONG Repórter Brasil). O Observatório destaca que não é tarefa simples identificar parlamentares vinculados direta ou indiretamente ao agronegócio. Os números apurados, portanto, devem ser encarados como piso, não teto.

O Senado supera a Câmara no que se refere ao valor das propriedades listadas. O valor médio no Senado é R$ 1,98 milhão, enquanto na Câmara é de R$ 570 mil. Nas duas casas, boa parte dos proprietários possui mais de uma propriedade rural.

No que se refere à distribuição partidária, utilizados os dados do TSE, cinco partidos de centro e centro-direita reúnem sozinhos 60% dos proprietários rurais do Congresso – MDB, PSD, PP, PL e DEM. “Quando observado o percentual de proprietários por partido, observamos novamente a prevalência desses partidos. No MDB (25%) e no DEM (23,5%), inclusive, o percentual de proprietários supera 20% de suas bancadas no Congresso.”

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) é a maior frente mista atualmente existente, reunindo quase 50% dos membros de cada casa – 246 deputados e 39 senadores. O tamanho é suficiente para fazer avançar proposições de interesse e barrar iniciativas contrárias ao setor, destaca o OLB.

Artigos Relacionados

IGP-10 varia 1,33% em janeiro e acumula 24,49% em 1 ano

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 1,33% em janeiro. No mês anterior, o índice havia apresentado taxa de 1,97%. Com esse...

Ligeira melhora na confiança dos empresários do RJ

Pesquisa da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ), divulgada nesta sexta-feira, mostra que 21,3% dos 498 empresários entrevistados do...

Valor bruto da produção agropecuária cresceu 17%

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) registrou crescimento real de 17%.de 2020, ao envolver R$ 871,3 bilhões, maior valor da série histórica desde...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.