25 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

12 Airbus A319

Imagine uma tragédia, daquelas hollywoodianas, 12 aviões Airbus A319 acidentados, em um intervalo de 30 dias. Desde o primeiro óbito, ocorrido em 16 de março, em São Paulo (SP), conforme anúncio pelo médico infectologista David Uip e pelo secretário de Saúde do Estado de São Paulo, médico José Henrique Germann Ferreira, o número de mortos, no Brasil, até agora, pela Covid-19 equivale à capacidade média de transporte de passageiros correspondente a 12 aviões Airbus A319. (Enquanto redigia a coluna, este número foi atualizado duas vezes. Começou com 10 aviões). Quem acha que a mobilização contra a doença é “histeria”, não sabe o que os números dizem. O que a vida diz.

 

Alpargatas produz e doa EPIs

Roberto Funari, presidente da Alpargatas, anunciou publicamente uma prioridade incomum em empresas, participar do controle da pandemia da Covid-19. Ele quer ser lembrado quando tudo passar. Juntar-se, quem sabe, a um grupo de industriais brasileiros que podem ser lembrados por contribuições à formação do nosso país e por procedimentos éticos, como os irmãos Vilares, como Claudio Bardela, como Einar Kock, como Kurt Mirov, como Antonio Ermírio de Moraes, como Jones Santos Neves e como Oswaldo Vieira Marques, alguns dos quais tive a oportunidade de conhecer pessoalmente e até de desfrutar da amizade.

A Alpargatas pretende produzir e doar 100 mil pares de sandálias Havaianas para pessoal que trabalha com limpeza pública em cidades beneficiadas pela ação do Instituto Alpargatas. Funari também aposta o seu prestígio na formação de uma rede de colaboradores, em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Brasília, pensando em distribuir 100 mil kits, incluindo álcool gel, sabonete e alimentos, visando a travessia do período mais hostil da pandemia. Além disso, a Alpargatas converteu máquinas na Paraíba, com o objetivo de fabricar EPIs para doação ao pessoal da saúde (200 mil máscaras, no horizonte de quatro a seissemanas; jalecos, em parceria com o Senai local; aventais e sapatilhas descartáveis).

Ademais, serão produzidos 18 mil pares de calçados para doação ao pessoal da área hospitalar pública de Minas Gerais, Pernambuco e Paraíba, estados onde há fábricas da empresa.

Funari fez uma carreira internacional e tem experiência de trabalho em outros momentos em que pandemias golpearam as economias de outros países e que por isso tornou-se adepto de ações colaborativas e coordenadas entre empresas e governos para a volta à normalidade.

Ocorre, no entanto, que normalidade é número de vezes em que um fenômeno se repete numa série observada sistematicamente. Ou seja, “normal” é o que se repete, não o que é natural ou desejável (diria o estagiário bom de decoreba que “normal é o maior segmento de reta compreendido entre o círculo e a secante”). Ou seja, é apenas uma medida.

Tão importante quanto as doações nestas ações colaborativas e coordenadas, ou mais, será o que deverá ser aprendido (e desaprendido) no mundo pós-pandemia, pós-quebradeira, no mundo “pós-normal”. Se voltarmos à normalidade, teremos desperdiçado uma boa crise.

 

#fiqueemcasa

 

Paulo Márcio de Mello é professor servidor público aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

paulomm@paulomm.pro.br

Artigo anteriorEnsaboa, mãe
Próximo artigoE se nós vence essa demanda?
Paulo Márcio de Mello
Servidor público professor aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Artigos Relacionados

Didi Mocó, Mussum, Zacharias e Dedé

Contorcionismo que fazem os homens da saúde do Governo Federal lembra ‘Os Trapalhões’.

O melhor negócio do mundo

Acho bom revistar as mochilas na saída; tem que devolver um R$ 20 bilhões, por baixo.

‘Black lives matter’; inclusive na Cidade de Deus

Espera-se pelo próximo assassinato resultante da miopia dos que têm a obrigação de propor outras políticas de segurança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.