Medida facilita importação de azeites e vinhos do Marrocos

Laboratório marroquino foi credenciado no Ministério da Agricultura para emitir laudos que vão agilizar entrada de produtos.

Alguns produtos do Marrocos passaram a entrar no Brasil com mais agilidade desde o começo deste ano. O país árabe conseguiu o credenciamento de laboratório marroquino para emissão de laudos na exportação ao Brasil de bebidas, vinhos, azeites de oliva e óleo de bagaço de oliva.

Isso significa que quando esses produtos chegam do Marrocos nos portos do Brasil não precisam mais aguardar ser realizado laudo de um laboratório brasileiro para terem sua entrada liberada no país.

“Facilita a importação, com certeza dá uma competitividade maior porque o trâmite da importação passa a ser mais rápido”, afirmou à ANBA o coordenador-geral de Qualidade Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Hugo Caruso.

Determinados alimentos precisam de um laudo para a sua entrada no mercado brasileiro, contendo informações relativas às exigências que o Brasil faz para comercializar aquele produto. No caso dos azeites, uma das informações que deve constar é a acidez, que necessita estar dentro dos parâmetros estabelecidos pela legislação brasileira.

Quando o país tem um laboratório credenciado junto ao Sistema de Cadastro de Organismo e Laboratórios Estrangeiros (Siscole) para emitir laudo daquele produto, a mercadoria é liberada para entrar no Brasil após verificação do documento no porto, não tendo que aguardar a realização de um laudo brasileiro. O Siscole é um sistema eletrônico do Mapa, onde estão cadastrados os laboratórios estrangeiros com essa acreditação.

Já se o produto importado chega ao Brasil sem o laudo do país de origem, precisa aguardar o tempo da análise local para entrar no mercado brasileiro. “Dependendo do tipo de produto demora 10 dias, 20 dias”, diz Caruso, lembrando que já houve caso em que a emissão do laudo do azeite demandou trinta dias.

O coordenador explica que mesmo tendo o laudo do laboratório estrangeiro, o produto vai passar pela análise no Brasil, mas apenas de um percentual da carga, e vai ser liberado no porto antes desse resultado.

“A gente acredita que aquele laudo que está sendo encaminhado junto com a mercadoria é um laudo que o governo do Marrocos reconhece”, afirma Caruso.

O organismo marroquino que foi credenciado para emitir laudos na exportação ao Brasil dos produtos citados acima é o Marrocos Foodex. O pedido partiu da embaixada do Marrocos no Brasil. De acordo com a encarregada de Negócios da embaixada, Hibat Allah Faouzi, a integração do Marrocos Foodex ao Siscole para vinhos foi feita em janeiro e para azeites em fevereiro. O Marrocos é um fornecedor internacional de destaque de azeites e vinhos.

Caruso explica que alguns países têm vários laboratórios cadastrados. “Orientamos as embaixadas que solicitem para facilitar a importação. Hoje, boa parte dos países que exportam para o Brasil acabam já tendo esse registro para não ficar com a mercadoria muito tempo parada”, afirma. O Siscole é voltado a produtos de origem vegetal, incluindo bebidas e vinhos. Segundo Caruso, a grande vantagem do sistema é dar agilidade ao processo da importação.

Já na Europa, o mercado de colecionadores de vinho vem ganhando cada vez mais adeptos. A grande vantagem desse investimento é que qualquer um pode investir neste mercado. De acordo com Cláudio Martins, CEO da MWA, wine advisor e representante da OENO no Brasil, não é todo nem qualquer vinho que pode estar na categoria de investimento. “Há vinhos tão raros que se tornam uma rentável oportunidade de investimento. E de tão raros e escassos que são, estes vinhos tornam-se muito apetecíveis ao ponto de atingirem valores exorbitantes tornando sua procura superior à oferta, fazendo disparar seu valor”, explica. São os chamados vinhos finos que se posicionam no mercado de luxo, como por exemplo os produzidos a partir de uvas Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot ou Malbec.

 

Com informações da Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Principal taxa de empréstimos da China segue no mesmo patamar

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...