360 graus

Para quem acredita que a nova injeção de liquidez do Banco Central Europeu (BCE), de 529 bilhões de euros para 800 bancos, vai resultar em melhora do crédito para os países da região e facilitar a rolagem das dívidas das nações do bloco, um lembrete. Dos 489 bilhões de euros do primeiro empréstimo do BCE em dezembro, a juros também de 1% ao ano, 481 bilhões voltaram aos cofres do emprestador. Mesmo sendo remunerados com apenas 0,25% ao ano pelo BCE, os bancos beneficiados no fim do ano passado optaram por depositar o dinheiro na instituição do que reativar o paralisado interbancário europeu.

Migração
Pode ser que ainda que ainda caracterize uma tendência, mas, com os preços dos imóveis da Zona Sul nas nuvens, cresce o número de cariocas que têm vendido seus apartamentos nessa região por sete dígitos para comprar outros, por seis dígitos e com áreas muito mais amplas, na Zona Norte da capital.

Construir a marca
Um estudo feito em oito países pela consultoria Fleishman-Hillard mostra a importância da presença das marcas nas redes sociais. Oito em cada dez entrevistados disseram acompanhar empresas no Facebook, por exemplo, para conhecer melhor a marca, opção que ficou à frente de “obter descontos e cupons” (76%).
Pedro Eugênio, CEO do portal Busca Descontos, em entrevista a esta coluna, apresenta um caminho para entrar no grupo de empresas acompanhadas: “Para obter bons resultados nas redes sociais, as marcas devem definir uma estratégia e investir em seu conteúdo. Com um conteúdo bem elaborado e interessante, os usuários das redes sociais vão compartilhar as ações da marca, fazendo com que mais pessoas a sigam. É preciso também oferecer vantagens para quem está seguindo sua marca, tais como: informações e descontos exclusivos, promoções, concursos e um canal aberto para contato.”
O grupo de marcas seguidas na rede é seleto, segundo a pesquisa: varia de sete, em média, na China a 14 no Reino Unido. Os demais países pesquisados foram Estados Unidos, Canadá, Japão, Alemanha, França e Índia.

Pelo telefone
O estudo da Fleishman-Hillard aponta a internet como a ferramenta mais influente na decisão de compra dos consumidores (66%), à frente de conselhos de amigos e parentes (61%), e-mails (51%), jornais (43%), televisão (42%), mala direta (37%), revistas e rádio (empatados com 28%).
Mas neste tópico o estudo é parcial: primeiro, porque foi feito apenas com usuários da internet (ainda que hoje, em alguns países, isso signifique quase todo o mundo); segundo, porque considera a troca de idéias com parentes e amigos nas redes sociais como influência da internet, e não como conselhos de pessoas próximas. Seria algo como considerar o telefone como ferramenta de decisão.

Muita pesquisa
O Brasil ficou de fora do estudo, mas Pedro Eugênio, do Busca Descontos, diz acreditar que a rede influencia muito nas decisões de compra por aqui: “O consumidor brasileiro é muito exigente e utiliza a internet para encontrar recomendações sobre produtos e serviços. Também aproveita para comparar preços em diferentes lojas. A compra só é efetuada depois de muita pesquisa.”

Oriente
Finalmente, chama a atenção no estudo sobre tendências de compra a disparidade na utilização das redes sociais Facebook e Twitter para obter informações sobre marcas e produtos. Enquanto 28% dos chineses e 35% dos indianos recorrem à página das marcas no Facebook, apenas 5% dos alemães e 8% dos norte-americanos fazem o mesmo. No Twitter a situação é pior: 28% dos chineses e 21% dos indianos recorrem ao sistema de mensagens curtas, ante apenas 3% dos canadenses, 1% dos estadunidenses e alemães e nenhum francês.

Inauguração
Um dos maiores economistas do país, o professor Carlos Lessa também é craque nas finanças pessoais: comprou em 2008, ano mais agudo da crise mundial, o casarão de esquina no Catete onde abrirá, dia 6, um restaurante com casa de shows, o Ameno Resedá. Com a valorização imobiliária na Zona Sul do Rio nos últimos anos, hoje ele, com certeza, pagaria, no mínimo, o dobro pelo imóvel.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorE nem assim o roubo diminui
Próximo artigoAbram os olhos

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso