4 x 1

Atualmente são necessárias 400 horas para se aprender ortografia. A afirmação é do professor de Língua Portuguesa e líder do Movimento Acordar Melhor, que aponta as incoerências do Novo Acordo Ortográfico, Ernani Pimentel. Segundo ele, é preciso fazer mudanças das quais se economizará tempo e dinheiro. “Seria necessário somente 100 horas para se ensinar ortografia caso se elimine as exceções e as duplas grafias. Além disso, se gastaria menos com papel para se escrever uma gramática ou um dicionário”, afirma.

Incômodo
As reações histéricas provocadas pela ação de Brasil e Turquia junto ao Irã devem ser lidas, menos por resultados concretos, do que pelo que revelam e projetam sobre o futuro de um planeta em que a única potência hegemônica, se ainda não encontra um adversário direto à altura, também não consegue impor na totalidade seus desejos. Embora os resultados de curto prazo não sejam desprezíveis, a intervenção dos dois países tem significado bem mais amplo: revela que a configuração do mundo pós-II Guerra Mundial estiolou-se.
Países que ocupam, na ONU e em outras instituições que, em tese, deveriam ser multilaterais, como FMI e Banco Mundial (Bird), estão sobre-representados em relação ao seu peso relativo atual. E que outros atores em ascensão passam a considerar ocupar esses espaços. Por isso, é compreensível a reação dos que perdem espaço, em particular, daquele que se considera o xerife do mundo, bem como a reverberação desse temor pelo setor colonizado da imprensa tuniquim.
Tais arreganhos, no entanto, devem ser vistos mais como manifestações de fraqueza e incômodo do que sinalizações de recomposição de forças. Afinal, já nos ensina a filosofia, as novas idéias não se impõem às antigas, por uma licenciosidade destas, mas por sua própria força. Por isso, a principal lição da nova abordagem em relação ao Irã é que a aplicação de sanções ao país, como parte de um processo para nova aventura belicista, caso venha, efetivamente, a ocorrer, vai ampliar o isolamento dos Estados Unidos em relação ao resto do mundo e aprofundar as divisões internas, incluindo seu próprio governo. Também indica que crescem as razões e os espaços políticos para o exercício e o aprofundamento de estratégicas afirmativas em sintonia com os interesses de um mundo multipolar, cuja marcha já se encontra em desenvolvimento e virá, com o apoio o não, do Tio Sam.

“Mulheres de Bronze”
A Rádio Nacional, palco dos grandes programas de radioteatro, é o local escolhido para lançamento de A Era do Radioteatro (Gramma Editora,340 páginas), que conta a história do gênero que criou gerações de atores, produtores e músicos. Contendo relatos de artistas, histórias e fotos de época, é produto de uma pesquisa feita, durante dez anos, por Roberto Salvador, um professor universitário que começou a carreira em rádio, aos 13 anos, em programas da Rádio Nacional. O lançamento será dia 31, a partir de 17 horas, na Praça Mauá, 7 -21º.andar (Rio de Janeiro). O título desta nota é o nome da primeira novela de rádio, levada ao ar pela Tupi em 1937.

Destaques nos custos
O Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos (Ibec) comemora 32 anos em solenidade nesta quarta-feira, às 19h, no auditório do Clube de Engenharia. A Christiani Nielsen Engenharia receberá o título de “Empresa Destaque em Engenharia de Custos 2010” e Jeferson Faria Vianna (Transpetro), Jorge Willian Ferreira Teixeira (Emop) e Nelson Castello Branco Rodrigues (PCRJ) receberão o título de “Engenheiros de Custos do Ano”.

Óculos virtuais
Escolher lente e armação de óculos com auxílio do computador é o que oferece a tecnologia Visioffice, da multinacional francesa Essilor, fabricante das lentes Varilux. Através do aparelho é possível visualizar na tela do computador imagens simultâneas com opções de lentes e armações projetadas no perfil do usuário. A partir de uma foto de rosto completo, em menos de 20 segundos são apresentados na tela os resultados.

Histórias da imprensa
Depois de escrevinhar a imprensa nacional do século XX, em História Cultural da Imprensa: Brasil – 1900-2000, lançado em 2007, a professora Marialva Barbosa apresenta, nesta terça-feira, às 19h, na Livraria Travessa de Ipanema, a História Cultural da Imprensa – 1800-1900, agora tratando do jornalismo nacional no século XX. Saudado por intelectuais como Muniz Sodré, José Marques de Melo, Jean-Yves Mollier, Mirta Varela e Celia del Palacio, o livro oferece revelações instigantes, como o capítulo sobre os escravos e a leitura, numa “história viva e vibrante”, como assinala o jornalista Marco Morel, autor do prefácio. A Travessa fica na Visconde de Pirajá 572, que, pelo prestígio da autora, deve ter casa cheia.

Artigo anteriorRating
Próximo artigoCurupira
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.