Cintra, o bode expiatório

Guedes, que dera entrevista sobre volta da CPMF, rifa um dos assessores que defendiam o imposto.

Marcos Cintra foi, desde sempre, defensor do imposto único, cobrado sobre transações financeiras. Defendeu a bandeira em suas campanhas eleitorais – foi eleito deputado federal em 1998. Pelas contas do economista, a alíquota do imposto teria que ir a 2,81% para substituir taxações que representam 27% do PIB.

O “imposto sobre pagamentos”, divulgado por Paulo Guedes, bebe na proposta de Cintra, mas nada teria de único. Seria um valor alto retirado de todo brasileiro para fechar o buraco das contas do governo, algo em que o ministro não demonstrou sucesso até agora.

Seria a recriação da CPMF, inicialmente IPMF (o “p” de provisória), adotada para controlar transações bancárias e jogar luz sobre um dinheiro que vive nas sombras, da corrupção à sonegação. A alíquota foi crescendo à medida que as despesas financeiras provocavam um rombo nas contas públicas.

Rejeitado por forças com grande poder na mídia – a população mal tomou conhecimento da proposta – o imposto de Guedes virou ideia de Cintra, e com isso o secretário da Receita foi rifado. A forma como tudo ocorreu não engrandece o currículo de Paulo Guedes, que dera entrevista defendendo a taxação.

Há mais críticas do que elogios ao imposto sobre transações financeiras: prejudica cadeias longas de produção, como normalmente ocorre nas indústrias (mas, é bom lembrar, o fim da CPMF não baixou nem em um centavo os preços industriais); é regressivo, pois afeta a todos igualmente; não há experiências internacionais significativas com imposto único.

Do lado positivo, a simplicidade na arrecadação e o alcance, pois quem hoje está na economia informal acabaria, em maior ou menor grau, tributado. O maior benefício seria o controle de movimentações ilegais e redução da sonegação. Talvez estes sejam os motivos reais da queda de Cintra.

 

FGTS de volta

Nesta sexta feira, o Instituto Fundo de Garantia do Trabalhador (IFGT) lançará a cartilha Cadê o dinheiro que sumiu do meu Fundo de Garantia?, primeira de uma série para orientar o trabalhador a evitar perdas e recuperar o dinheiro não depositado pelas empresas.

Mario Avelino, presidente do IFGT, explica que, de acordo com números da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, atualmente existe um débito de R$ 32 bilhões de FGTS não depositado por aproximadamente 225 mil empresas. As cartilhas são gratuitas e poderão ser baixadas em fundodegarantia.com.br

 

Anunciantes lesados

A israelense Clickcease desembarca no Brasil com um produto que identifica e bloqueia tráfego inautêntico de anúncios no Google Ads e Bing. De acordo com a empresa, até 20% dos cliques em anúncios de texto na internet são falsos, por terem sido feitos por robôs, usuários que não têm interesse real por aquele conteúdo e concorrentes da empresa anunciante. As fraudes lesaram os anunciantes em US$ 35 bilhões em 2018. A expectativa da empresa é chegar ao fim do ano com mais de mil clientes.

 

Exemplo federal

O procurador de Minas que reclamou do “miserê” de R$ 24 mil (líquidos) e pediu que se desse um jeito para “incrementar” o salário não fez nada inédito. O ex-juiz federal, hoje governador do RJ, Wilson Witzel deu aula em vídeo sobre como inflar os vencimentos com gratificações.

 

Rápidas

O Grupo Coty seleciona 17 jovens para estágio em eureca.me/#!/op/coty-beautygeneration-19.1 *** O mais importante fórum de discussão sobre formação e exercício profissional em engenharia no Brasil, o XLVII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia (COBENGE) ocorrerá semana que vem em Fortaleza. No dia 18, a educadora Andrea Ramal fará palestra, às 10h45, na sessão “Inovação na Educação em Engenharia e na Educação Continuada” *** O Passeio Shopping apresenta sábado, às 14h, a peça infantil A Princesa Valente *** A Goodyear informa que Talita Scardoelli assumiu a direção de Gestão de Talentos e Desenvolvimento Organizacional Américas (Norte, Central e Sul) *** A garotada que passar pelo Carioca Shopping entre 13 e 29 de setembro poderá desfrutar atrações do Mundo Gloob *** Domingo tem feira de produtos cultivados sem agrotóxicos no Caxias Shopping, das 12h às 18h *** A Escola de Guerra Naval (EGN), no Rio de Janeiro, está com processo seletivo para ingresso no Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos (PPGEM), em nível de doutorado e mestrado profissional (stricto sensu), para civis e militares. Inscrições até 27 de setembro em ppgem.egn.mar.mil.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...