Bancos disputam megainfluenciadores brasileiros

Bancos disputam megainfluenciadores brasileiros: saiba qual celebridade gera mais engajamento

As instituições financeiras que atuam no Brasil iniciaram, nos últimos meses, disputa para ver quais delas têm, à frente de suas campanhas, as celebridades e influenciadores digitais mais impactantes, tanto no cenário nacional quanto internacional. Mas essa busca não se baseia apenas em ter grandes estrelas como garotos ou garotas propaganda para angariar mais clientes e retorno a curto prazo, como em outros tempos. Para especialistas em marketing, tais ações demonstram uma preocupação maior dos bancos – especialmente os digitais – em fortalecer suas marcas tornando-as mais humanizadas, colocando pessoas que já possuem grande afinidade com o público para atuar de forma mais intensa dentro das instituições.

O apresentador Luciano Huck se tornou, recentemente, membro do conselho consultivo do Banco Pan, enquanto as atrizes Tata Werneck e Marina Ruy Barbosa foram denominadas embaixadoras dos bancos Next e Safra, respectivamente. Outros três casos recentes chamam a atenção tanto pelo viés que cada campanha adotou, quanto pelo alcance dos influenciadores escolhidos.

Um deles é o do C6 Bank. Em comemoração aos 10 milhões de clientes atingidos em dois anos de existência, o banco escolheu a top model Gisele Bündchen como embaixadora da empresa e seus produtos futuros. Em peça veiculada nos diversos canais de comunicação, ela se apresenta de “cara limpa”, fora das passarelas, com um discurso forte pregando transparência e afinidade com os serviços da instituição financeira. Rapidamente surgiram comentários na internet de que a campanha era uma resposta a outro banco digital, o Nubank, que havia anunciado a inclusão da cantora Anitta como membro do Conselho Administrativo da empresa. Tais ações ilustram bem a diferença entre contratar um influenciador digital para campanhas pontuais e fechar parcerias duradouras com os embaixadores das marcas.

Segundo Thiago Cavalcante, diretor de novos negócios da INFLR, startup pioneira em marketing de influência no país, essa estratégia não só dá mais resultado no quesito alcance, como também é essencial para a reputação de uma empresa. “Com a dedicação maior de um influenciador, a marca ganha a confiança que o consumidor deposita naquela determinada pessoa, principalmente quando se trata de estrelas com reconhecimento internacional. E quanto mais sincera e transparente se mostra essa relação, melhor é o desempenho de uma campanha”, diz.

Fama x Engajamento

Se por um lado a credibilidade que uma figura pública conquistada através do sucesso e reconhecimento é fundamental para que uma empresa escolha seu embaixador, qual o alcance real dessas celebridades? Através de sua plataforma criada para facilitar o fechamento de parcerias entre empresas e influenciadores, a INFLR analisou o Índice de Engajamento dos três nomes de maior apelo entre ações de marketing recentes dos bancos. Além de Gisele Bündchen e Anitta, foi analisado o economista e ex-BBB Gilberto Nogueira, o Gil do Vigor, escolhido pelo Santander para estrelar campanhas pautadas pela diversidade, ponto marcante no discurso do influenciador e que ajuda a consolidar o banco como uma instituição atenta à necessidade de inclusão.

Com mais de 55 milhões de seguidores somente no Instagram, a cantora Anitta possui mais que o dobro de fãs na rede social em comparação com os outros dois embaixadores. Porém, é a que possui menor engajamento, com 1.23%, segundo o Índice INFLR. Gisele Bundchen, que possui pouco mais de 17 milhões e meio de seguidores, apresenta o maior alcance, com média de 3.82%. Já Gilberto Nogueira possui cerca de 3 milhões de seguidores a menos que a supermodelo (14,6 milhões), mas apresenta média próxima de engajamento: 3.03%.

O diretor de tecnologia da INFLR, Tiago Mateus, explica que o índice de engajamento é medido de acordo com a forma que os seguidores interagem com as publicações, seja com curtidas, comentários ou compartilhamentos. O que, de acordo com ele, é o mais importante na hora de definir estratégias de marketing nas redes sociais. “Pegando o exemplo da Anitta, podemos dizer que o alcance dela no Instagram é muito bom, pois se trata de um perfil com um enorme número de seguidores, fora o que ela representa além das redes. Porém, sua média de engajamento mostra que o potencial real da cantora não está sendo devidamente explorado”, afirma.

Tiago Mateus ressalta, porém, que a entrega considerada baixa não é exceção, e sim regra. “Normalmente, as publicações em redes sociais alcançam apenas cerca de 5% dos seguidores de qualquer conta. Na INFLR conseguimos maximizar essa entrega para 100% pois observamos que esse padrão se repete principalmente em ações mais genéricas, em que um influenciador cumpriu apenas o papel de divulgar, sem levar em conta o perfil do público alvo e como ele vai receber determinada ação. Esse é outro fator que mostra a importância de se ter um embaixador, pois quanto mais próxima for a relação dele com a marca, mais seu público irá interessar pelo produto apresentado”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

MP pede falência dos Cholocates Pan

Dívidas chegam a R$ 209 milhões; pedido ainda não foi analisado pela Justiça.

Petrobras assina com Keppel contrato para construir a plataforma P-80

. Será o 28º sistema a operar no pré-sal. Campo de Búzios

Teles: empresas investiram R$ 8,3 bi no 1º trimestre

Montante representa um crescimento nominal de 3,8%.

Últimas Notícias

Mercado imobiliário dos EUA entra em recessão

Seis em 10 norte-americanos temem não conseguir pagar suas hipotecas em 2023.

Nubank: resultado do 2T22 e a perspectiva de recuperação das ações

Destaque para captação de clientes, mas risco de inadimplência é alto.

Rio CVB: Receita do Rock in Rio acima de US$ 158 milhões

Evento deve gerar pagamento de US$ 7,9 milhões em impostos à cidade.

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial