"A beleza do lugar, prá se entender, tem que se achar

Empresa Cidadã / 12:02 - 5 de fev de 2002

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

que a vida não é só isso que se vê, é um pouco mais que olhos não conseguem perceber, as mãos não ousam tocar, os pés recusam pisar." (Paulinho da Viola, portelense, sobre o G.R.E.S. Estação Primeira da Mangueira) Um mês antes do carnaval, a Xerox e a Mangueira renovaram por mais cinco anos uma das mais divulgadas iniciativas de parceria para a execução de projetos sociais, a Vila Olímpica da Mangueira. - Situado próximo ao Palácio do Samba, a quadra da Escola de Samba, do outro lado da linha do trem, o projeto atende crianças e jovens de seis até 18 anos que têm à disposição no complexo esportivo piscina, pistas de atletismo e quadras polivalentes, com todas as instalações de apoio. São praticadas sete modalidades esportivas diferentes. - A manutenção, aspecto crítico nos empreendimentos sociais, neste caso tem o compromisso assegurado da Xerox de R$ 1,2 milhão anuais, pelos próximos cinco anos. Do ponto de vista da empresa é de graça, muito mais ela teve de retorno em divulgação. A Vila Olímpica já está incluída no roteiro turístico alternativo do Rio e basta lembrar-se de visitantes notórios que nela estiveram, como Pelé, Bill Clinton, que até pênalti andou chutando, Shaq O"Neill, quebrando uma tabela para variar, e outros. - Do ponto de vista social é que estão os verdadeiros ganhos. Iniciada em 1987, a Vila Olímpica beneficia cerca de 1.500 jovens todos os anos. Colocou a Mangueira como uma referência na prática do esporte de competição. Aglutinou uma rede de instituições sociais, como as escolas que atendem à população local, já que se cobra dos freqüentadores desempenho escolar. Retirou a comunidade do noticiário policial - consta que o tráfico não consegue recrutar aviãozinho de lá. Um dado importante em tempo de violência e criminalidade no noticiário. - Outros benefícios, derivados da idéia original da prática esportiva, fizeram da Vila Olímpica um polo de promoção social. Atividades diversas, como aulas de microinformática, contemplam outras pessoas além dos jovens diretamente atendidos no esporte. Outras comunidades tiveram na Mangueira a inspiração para demarcar os seus projetos. O sucesso do empreendimento, para ser compreendido, exige um pouco mais, "que os olhos não conseguem perceber". - Na Mangueira há diversas manifestações, mais ou menos conhecidas, que expressam uma das suas mais fortes características - a altivez. É uma comunidade em que desponta a escola de samba mas que não se restringe a ela. Cada fato novo parece reforçar o orgulho mangueirense, rigidamente argamassado na cultura local de que todos se orgulham. Mais do que estar simplesmente organizada em alas, como é tradicional nas escolas de samba, na Mangueira cada segmento da organização preserva os seus valores, fazendo o todo maior do que a soma das partes. Permeável às inovações, o novo complementa e não substitui a tradição. - Não é por acaso que tantos nomes da comunidade são conhecidos nacionalmente, por desempenharem o papel da cidadania no local. Alguns transbordaram os limites físicos dos morros que compõem a nação mangueirense, por sinal nome do Ciep vizinho à Vila Olímpica, mas tem o sobrenome Mangueira gravado de forma indelével. É na química resultante dessa mistura de altivez, cidadania, identidade, preservação de valores e inovação que reside o sucesso da Vila Olímpica da Mangueira. QUALIDADE DE EMPRESA-CIDADÃ A parceria entre instituições de ensino e pesquisa e empresas tem na Movimento, de Criciúma, Santa Catarina (SC), um bom exemplo de sucesso. A Escola Técnica Federal de Santa Catarina desenvolveu e a Movimento comercializa uma cadeira de rodas hidráulica, em que paraplégicos ou tetraplégicos conseguem ficar de pé ao acionar um sistema hidráulico, parecido com o macaco de caminhões. O produto foi patenteado pela Escola Técnica que agora desenvolve um carrinho para crianças portadoras de paralisia cerebral. Produtos diferenciados e produzidos no país encontram mercado antes restrito aos importados de mais alto custo. Paulo Márcio de Mello Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Correio eletrônico: paulomm@alternex.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor