"A constituição de um país não é um ato do seu governo

Empresa Cidadã / 13:23 - 2 de abr de 2002

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

mas do povo que constitui um governo." (Thomas Paine, 1737-1809, em Os Direitos do Homem) Como assegurar a disciplina ética nas relações da empresa-cidadã com os seus públicos interessados? Tem crescido o número de empresas que pretendem instituir códigos de procedimentos com esta finalidade e cinco passos preliminares devem ser observados. - 1o passo. Identificar em que nível se encontra o obstáculo a ser removido ou o objetivo a ser obtido. Um código de orientação de conduta visa a prevenir ou corrigir procedimentos inadequados. A localização do alvo indicará a partir de qual nível deve ser dirigida a ação preventiva, sabendo-se que, vindo de um nível superior de percepção do público interessado, a efetividade da ação é assegurada. - 2o passo. O código empresarial de orientação de conduta deve relacionar nitidamente os públicos que pretende instruir. Posteriormente, elencadas as prioridades, têm início as ações de mobilização, comunicação e interação pré e pós redação. - 3o passo. O código de procedimentos éticos deve ser orientado segundo uma perspectiva estratégica. Assim, ele deve ser precedido de uma análise de oportunidade, de uma definição de missão, de uma relação de valores, explícitos ou não, de uma especulação sobre cenários, conclusiva quanto a aspectos favoráveis e ameaçadores, de uma avaliação de políticas, conclusiva quanto aos pontos fortes ou a fortalecer, e, pelo menos, de uma opção por macroestratégias, filtro das estratégias, projetos e processos internos. - 4o passo. Adotar a visão de processo para diminuir resistências. Decorre a necessária identificação dos recursos a mobilizar, dos clientes e das interferências inibidoras ou potencializadoras na linha que une recursos e clientes, casos de características de cultura organizacional, alianças ou concorrências e normas existentes. - 5o passo. Os conceitos devem ser padronizados. Conceitos aparentemente claros para alguns podem não ser para os públicos interessados e, como a comunicação é recurso indispensável para a efetividade do código, eles precisam estar bem definidos. Tudo o que se deve evitar em um código de orientação de conduta ética empresarial é que ele se resuma a uma peça de retórica, daquelas que enfeitam paredes ou enchem prateleiras. Por este motivo, vale a pena investir nesses cuidados para que o código tenha um efeito concreto na vida da organização, dos seus colaboradores e da cadeia de valor. QUALIDADE DE EMPRESA-CIDADÃ A Walker, subsidiária do Grupo Tenneco Automotive, do qual fazem parte também a Monroe e a Monroe Axios, completou em março mil dias sem acidentes com afastamento em sua planta industrial de Mogi Mirim (SP). Esta planta, detentora da marca dos mil dias, com 78 colaboradores, fornece sistemas de exaustão para Volkswagen, General Motors, Honda e Chrysler e outra planta, com 60 colaboradores, situada em Curitiba (PR), fornece para Volkswagen/Audi. Contribuiu para o resultado obtido a adoção de um conjunto de medidas, como do acompanhamento diário de ocorrências, através da implantação da pirâmide de segurança, com a pronta adoção de ações preventivas e corretivas, da prevenção de acidentes baseada no comportamento (Bapp), da introdução da ginástica laboral, das inspeções de segurança na fábrica e das ações da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e da Semana Interna de Prevenção de Acidentes (Sipat). A adoção de novos equipamentos de segurança também contribuiu, como o enclausuramento de máquinas com barreiras eletrônicas, sensores padrão scanner e travamento e etiquetagem de máquinas que recebem manutenção (sistemas lockout e tagout). Segundo Alberto Guidotti, gerente da unidade de Mogi Mirim, a conquista dos mil dias é o resultado da conscientização desenvolvida com colaboradores sobre a importância da promoção da saúde e da integridade física no ambiente de trabalho e da aquisição dos equipamentos de segurança. AGENDA As normas SA 8000:2001, apresentadas pela SAI, compreendem itens de verificação sobre trabalho infantil, trabalho forçado, saúde e segurança, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, jornada de trabalho, remuneração e sistema de gestão. No dia 19 de abril, o instrutor Marco Antônio Lima de Oliveira, da Qualitas, estará oferecendo um curso de oito horas sobre esta norma, na cidade de Salvador, ao custo de R$ 200. Será sorteada entre os leitores desta coluna uma inscrição gratuita no curso, com direito ao material didático. Os interessados deverão enviar sua manifestação de vontade de participar do sorteio para o endereço eletrônico desta coluna até 8 de abril. O contemplado será anunciado na quarta-feira, dia 10 de abril. Participe. Paulo Márcio de Mello Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Correio eletrônico: paulomm@alternex.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor