A demarcação de terras indígenas

Índios parecem condenados a uma imagem idílica nos livros de história.

Celebrou-se, em 19 de abril, o Dia do Índio, muito lembrado nos bancos escolares, mas infelizmente os índios parecem condenados a uma imagem idílica nos livros de história. De fato, os seus direitos não vêm sendo assegurados pelo Estado brasileiro, especialmente no que concerne a garantia de demarcação de suas terras. Os povos indígenas consistem em verdadeiros guardiões da biodiversidade e dos conhecimentos tradicionais. A Constituição Federal de 1988 lhes reconheceu o direito de permaneceram para sempre como índios, após cinco séculos de politicas de homogeneização e integração dos indígenas.

Nesse sentido lhes é reconhecido o direito à diferença, à identidade, aos modos de viver e de se manterem como povos tradicionais, devendo ser respeitada as suas organizações, costumes línguas, tradições e o direito originário sobre as terras (arts. 216 e 231 da CF/88). Em relação às terras indígenas, dispõe o art. 231 da CF/88 que “compete à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens”. Trata-se de um direito originário sobre os territórios tradicionais, preexistente, e a demarcação tem mera natureza declaratória.

No âmbito internacional, é expresso na Convenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Povos Indígenas e Tribais o direito à propriedade e à posse das terras que ocupem. A Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas é clara no art. 26 ao determinar que “os povos indígenas têm direito às terras, territórios e recursos que possuem e ocupam tradicionalmente ou que tenham de outra forma utilizado ou adquirido”.

Apesar de algumas vitórias nas Cortes nacionais e internacionais, especialmente na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), na verdade continua a violação aos direitos humanos indígenas em especial ao uso e gozo de suas terras em todas as suas dimensões, que abrange a propriedade coletiva, a territorialidade, a ancestralidade e a sacralidade, indispensáveis à compreensão da cosmovisão do índio com a terra o que ultrapassa a visão do modelo civilista.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu em 2009, sob a relatoria do ministro Carlos Britto, a Ação Popular (Pet 3388) que tratava da demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol em sua totalidade, continuidade e superando o falso antagonismo entre demarcação e desenvolvimento ou entre demarcação e meio ambiente. Ainda resta ao STF decidir a tormentosa questão do marco temporal para a configuração da posse das terras indígenas, isto é, se estas deveriam estar ocupadas em 5 de outubro de 1988, quando a Constituição foi promulgada.

Não obstante, o processo demarcatório no Brasil ainda é demasiadamente burocrático e moroso além de estarem sendo barrados por meio de Projetos de Lei e falta de vontade política. Continuam as violações à propriedade coletiva e integridade física dos povos indígenas pelo atraso na demarcação e titulação de seu território ancestral e desintrusão oportuna daqueles que avançam sobre essas terras indevidamente, desequilibrando o meio ambiente e expondo a perigo, senão condenando, a vida desses povos tradicionais.

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Modelo de espaçonave de Star Wars

Oferta de outros itens de cinema, televisão e quadrinhos.

Últimas Notícias

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

EUA: 3 em 4 mortes por Covid foram acima de 65 anos

Segundo relatório, óbitos pela doença no país equivalem a ataque de 11 de setembro todos os dias durante 336 dias.

China emite US$250,66 bilhões em títulos dos governos locais até abril

Os governos locais da China emitiram mais de 1,69 trilhão de yuans (cerca de US$ 250,66 bilhões) em títulos nos primeiros quatro meses deste ano, mostraram os dados do Ministério das Finanças nesta quarta-feira.

Produção da indústria satélite da China atinge US$ 69 bilhões

O valor total de produção da indústria chinesa de navegação e serviços de localização por satélite atingiu 469 bilhões de yuans (US$ 69,6 bilhões) em 2021, um aumento anual de 16,3%, de acordo com um livro branco da indústria divulgado na quarta-feira.

Flexibilidade aumenta conexão com a cultura da empresa

Política de benefícios adaptada aos modelos remotos permite que profissionais se sintam vistos, mesmo que fisicamente não sejam