A epidemia muda, a especulação é a mesma

Na época da gripe suína, previsões catastróficas antecederam ganhos para os ‘espertos’

Mercados em pânico, previsão de queda no Produto Interno Bruto (PIB). Foi assim em 2009, quando, em abril, eclodiu a gripe suína (depois, H1N1), e está sendo assim agora, com o coronavírus. Se na guerra a primeira vítima é a verdade, na especulação financeira perdem os que acreditarem em tudo que se divulga. A epidemia já levou a uma redução de US$ 1,5 trilhão no valor de mercado das ações no mundo neste início de ano.

O banco dinamarquês Danske Bank estima perda de 0,8 ponto percentual no PIB da China no primeiro semestre. A consultoria britânica Capital Economics pega pesado e fala em impacto de 3 pontos percentuais no primeiro trimestre. O norte-americano Wells Fargo é menos catastrófico: estima uma desaceleração do PIB chinês de apenas 0,15 ponto percentual no ano, de 5,9% para 5,8% (números arredondados).

Em 2009, a economia mundial sofria com a crise de 2007/2008. Resultados da produção naquele ano não podem ser usados como parâmetro hoje. Nas bolsas de valores, as quedas iniciais foram similares às que ocorrem agora. Finda oficialmente a pandemia do H1N1, em agosto de 2010, o índice da bolsa brasileira registrava alta de 45% no período, e da bolsa norte-americana, 30%.

Não se trata de subestimar a epidemia do coronavírus, seus efeitos na economia, nem defender um oba-oba dos mercados de ações. Mas ficar atento aos especuladores, que nem ao menos tentam disfarçar e propagar matérias novas; as velhas fórmulas são repetidas sem constrangimento.

 

Outro lado

O Sesc e Senac do Rio de Janeiro enviaram esclarecimento sobre a nota “Faxina no Sesc e Senac do Rio ainda demora”, publicada na coluna de ontem:

Não procede a informação divulgada na nota. Ambas as instituições seguem as regras e recomendações do TCU, conduzindo um processo transparente e público. Na licitação citada na coluna, 17 empresas não atenderam aos requisitos do edital. Das três classificadas por atenderem a todas as exigências, foi escolhida a de menor preço.”

 

Ensino privado

No final do século passado, Paulo Guedes afirmou a este colunista que educação e informação seriam os grandes negócios das décadas seguintes. Se na área de comunicação as oportunidades são restritas a alguns grupos, como Facebook, no ensino a previsão do – hoje – ministro parece ter emplacado.

A representante no Brasil da canadense Maple Bear, que chegou ao país em 2006 e foi adquirida em 2017 pelo grupo SEB, aponta um crescimento de 100% nas operações no período de três anos, saltando de 78 escolas em operação e 13,5 mil alunos para 145 escolas em funcionamento, com outras 50 em construção, e 25 mil alunos.

O faturamento, que em 2017 foi de R$ 350 milhões, ultrapassou a casa dos R$ 710 milhões em 2019. Até 2023, a Maple Bear quer conquistar a marca de 300 escolas no Brasil e mais 80 no resto da América Latina, alcançando 50 mil alunos e a mais de R$ 1 bilhão em faturamento.

 

Empobrecimento

O Produto Interno Bruto (PIB) real per capita na região da América Latina e Caribe diminuiu 0,6% ao ano, em média, entre 2014–2019.

 

Conta de luz

Desde 2012, os consumidores brasileiros investiram mais de R$ 10 bilhões em sistemas de energia solar em geração distribuída, que acrescentaram ao Brasil uma potência de mais de 1,9 gigawatt (GW). Se esses investimentos tivessem sido feitos por empresas de energia, através de licitações ou leilões dos governos, provocariam um acréscimo na conta de luz, para remunerar o capital investido. Haveria também gastos com transmissão, que igualmente seriam incorporados à tarifa. Ao ser bancado pelo consumidor final, evita-se essas despesas extras.

 

Bom para bandidos

A redução nos itens de segurança da placa Mercosul pode baratear o custo para o motorista, mas facilita a clonagem de veículos. Foi de um carro clonado que os milicianos dispararam os tiros que mataram Marielle Franco.

 

Rápidas

A Associação de Supermercados do Rio (Asserj) informa que 14 lojas, em sete municípios, do Supermercados Fluminense servirão como postos de coleta para doações às cidades no Norte e Noroeste do estado que decretaram estado de emergência em consequência das chuvas dos últimos dias *** Neste sábado, o Passeio Shopping apresenta O Carnaval dos Três Porquinhos, um clássico que ganhou adaptação especial, a partir das 14h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

União perde bilhões de dólares no petróleo

Lei isentou campo mais produtivo de pagamento de participações especiais.

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Barreira ambiental da União Europeia é alerta para o Brasil.

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...