A essência doce dos montes de Tokaj

Um tesouro que sobreviveu às crises e expressa a nobreza e ancestralidade da vitivinicultura da Europa Oriental.

Para falar da vitivinicultura da Europa Oriental, o primeiro passo deve ser pela Hungria, como eu já mencionei no último artigo, em função da sua grande estrela – o vinho doce Tokaji – que arranca suspiros dos mais diversos universos de consumidores vip de vinhos, mesmo que tenha estagnado a sua produção entre 1949 e 1989.

Há registros de êxito na produção de vinhos húngaros desde o Império Romano. Em recente viagem à Suíça, eu participei de uma feira em que degustei alguns vinhos produzidos em um mosteiro beneditino fundado no século 10, hoje habitado por novas gerações de monges, que, após a era comunista, recuperaram vinhedos confiscados e produzem vários rótulos de vinhos varietais com uvas internacionais. Os rótulos são assinados como Pannonhalmi Apatsagi Pinceszet (significa: Vinícola da Abadia de Pannonhalma).

Em termos de cepas mais nativas, as brancas Furmint, Hárslevelű e Sárga Muskotály são grandes forças, vinificadas solo, mas também como partes do corte do Tokaji – que conta com a acidez e a predisposição à botrytis da Furmint, com o aroma floral e sabor frutado da Hárslevelű e com a pungência aromática da Sarga Muskotæaly (da família Moscatel). Outras cepas podem entrar em menor proporção. Há vários Tokajis (secos inclusive) e os mais famosos são os Aszù, que levam a indicação dos puttonyos: um cesto contendo mosto de uvas ultra doces, colhidas tardiamente botritizadas (desidratadas pelo fungo botrytis cinerea, fenômeno que dá origem a podridão nobre).

Esse cesto deve conter uvas selecionadas bago a bago em suas melhores condições, e os seus vinhos devem conter um açúcar residual mínimo de 120 g/l. Cada puttonyo equivale a cerca de 25 quilos de mosto cru, que será adicionado ao vinho branco fresco (vinho base) dessas mesmas uvas, para rápida maceração, prensagem, fermentação e maturação em barris, por tempos e formatos variados, buscando ganhar mais complexidade. A quantidade de puttonyos atualmente praticada é de 3 a 6 puttonyos, que vem indicada no rótulo – quanto maior, mais doce, nobre e caro.

Vinho Tokaji (foto de Míriam Aguiar)

Há ainda o Tokaji Eszencia, produzido em anos excepcionais só com o mosto doce fermentado, sem diluição em vinho fresco. Seu líquido viscoso é amadurecido por longos anos em garrafões de vidros, onde sofrerá uma lentíssima fermentação,  Os vinhos são feitos em mínimas quantidades e têm baixa graduação alcoólica (em torno de 5%), preservando o açúcar residual de, no mínimo, 450g/l.

Conversando com o diretor de uma das vinícolas do stand da Hungria na feira, ele me disse que o rótulo Tokaji campeão de vendas é o Tokaji Szamorodni, porque, em sua opinião, ele apresenta a melhor relação preço/qualidade. Os vinhos Aszù, com indicação dos puttonyos, dependem muito das condições de cada safra e nem sempre são produzidos, o que acaba elevando o seu valor. Já neste vinho, eles podem trabalhar com cachos mais irregulares, em parte com botrytis, em parte não, e todo o mosto será vinificado junto, apresentando um bom equilíbrio também entre dulçor e frescor, que acaba agradando o mercado, além do valor mais acessível.

Nessa feira, a moeda era o franco suíço, e enquanto o Tokaji Szamorodni saía a 30 francos, o Tokaji Puttonyos mais simples começava a partir de 50 francos e chegava a 200 francos (isso numa feira de vinhos na Europa, cujos preços são mais caros do que a média europeia, mas inferiores aos do Brasil). Importante mencionar que valores também podem variar muito em função do produtor.

A região de produção do Tokaji se chama Tokaj-Hegyalja e fica no extremo noroeste da Hungria, nas encostas dos montes Zemplen, junto aos rios Bodrog e Tisza, que ajudam a formar o microclima, especialmente propício ao fenômeno da podridão nobre.

Seguiremos com a cobertura dos destaques da vitivinicultura da Europa Oriental.

Cursos de Vinhos com Míriam Aguiar: saiba mais pelo Instagram @miriamaguiar.vinhos ou blog miriamaguiar.com.br/blog

Míriam Aguiar
Jornalista, educadora e especialista em vinhos

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Interlagos vai sediar feira de motos e carros

Eventos priorizam testes para clientes e potenciais compradores.

Romênia e Moldávia: duas faces de uma mesma moeda?

Em alguns aspectos as duas produções se assemelham e, em outros, apresentam diferenças que poderiam até se complementar.

Últimas Notícias

Mundo pode ter 1 milhão de pessoas jogadas na pobreza extrema em 2022

Segundo Oxfam, bilionários lucraram durante a pandemia às custas de milhões.

Doria desiste da corrida presidencial

Em seu discurso, tucano diz que 'o PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano.'

Ministério quer explicações da TecToy sobre carregador

Produto não tem autorização para ser vendido no mercado brasileiro.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

ONS: chuvas mantêm afluências estáveis

Reservatórios permanecem sem surpresas na terceira revisão de maio; carga de energia aumentou 2,2% em abril em comparação com 2021.