31.1 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

A estratégia nacional na mira dos dinossauros

A venda de uma empresa estratégica para o exterior provoca protestos e pedidos para intervenção do governo. Brasil? Não, isso está ocorrendo no paleolítico Reino Unido. A Arm, com sede em Cambridge, está sendo vendida pela corporação japonesa SoftBank para a norte-americana Nvidia por US$ 40 bilhões.

A Arm é, de longe, a mais bem-sucedida empresa de tecnologia britânica. É líder global em design de chips, presentes em quase todos os smartphones, computadores e tablets. Ela foi comprada pelo SoftBank, uma empresa de investimento em tecnologia, em 2016, por US$ 32 bilhões.

O Partido Trabalhista, sindicatos e o cofundador da Arm Hermann Hauser querem que o governo de Boris Johnson intervenha. O medo é que a companhia britânica seja desmantelada; a Nvidia ganharia mais vendendo suas tecnologias. A empresa norte-americana tem sede fiscal no paraíso fiscal de Delaware, minúsculo estado norte-americano.

Questionado sobre como uma venda se encaixaria nos planos do consultor de Boris Johnson, Dominic Cummings, de construir uma empresa de tecnologia britânica de um trilhão de dólares após o Brexit, Hauser respondeu: “Não muito bem, eu acho. Ouvi falar sobre [o plano de Cummings], e ele está, é claro, absolutamente certo, mas a maneira como você constrói empresas como a Apple é começando com empresas do tamanho da Arm, não com uma startup.”

Diferentemente dos modernos brasileiros como Paulo Guedes, os dinossauros sobrevivem nas terras onde a língua inglesa nasceu e se projetou ao mundo. O Enterprise Act 2002 britânico permite aos ministros bloquear negócios que representem uma ameaça à segurança nacional, à pluralidade da mídia e à estabilidade financeira (neste ano de pandemia, ameaça sanitária foi incluída na lei). De acordo com as regras do Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos, que se aplicariam à Arm se ela fosse de propriedade norte-americana, a Casa Branca pode intervir em transações envolvendo empresas nativas.

 

Higiene reduz atendimento

A procura por atendimento para tratamento de moléstias infecciosas, como gripe, resfriado, bronquiolite, conjuntivite viral entre outras enteroviroses, diminuiu 82% no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE) neste inverno em relação ao mesmo período de 2019.

Um dos motivos, segundo avaliação da gerente clínica e infectologista do HSPE, Andrea Almeida, foi a redução de circulação nos espaços públicos e a adoção de medidas de prevenção à Covid -19, como uso de máscaras, higienização frequente das mãos e isolamento social. O fechamento de escolas também reduziu os atendimentos no Pronto Atendimento Infantil do HSPE. Na comparação entre abril de 2019 e 2020, a queda foi de 90%.

 

Roupa suja

Na briga entre Record (Universal) e Globo, o eleitor deve torcer pela briga. Bispo Macedo e Família Marinho são duas faces da mesma moeda, podre e corroída pelo tempo. O Brasil não será viável com a imprensa que aí esta, pendurada no dinheiro público e fiada no interesse privado.

 

Rápidas

O jornal Alef celebra 25 anos de existência. Destinado à comunidade judaica, é dirigido por Mauro Wainstock (“cria” da “base” do Monitor Mercantil, dono de um dos melhores textos da nova geração de jornalistas) *** As políticas ambientais adotadas no Rio Grande do Sul e em São Paulo serão o assunto, nesta sexta-feira, 10h, de mais uma etapa do Ciclo de Palestras de Direito Ambiental do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), transmitido pelo canal TVIAB no YouTube *** Nesta sexta-feira, o influenciador digital Alan Victor recebe em sua live Maitê Proença para um bate-papo sobre a carreira da atriz, que estreia do monólogo virtual O Pior de Mim. Será às 18h, no instagram @riofaciloficial *** A partir desta quinta, vestibulandos podem participar do Planeta PUC, da Católica do Paraná, ajuda para decidir a escolha do curso universitário. O site oficial do evento é planetapuc.pucpr.br *** Bayard Boiteux será o último convidado das lives com os Embaixadores do Rio de Janeiro, apresentadas por Viviane Fernandes, nesta quinta, às 19h, em @niceviaapiaturismo. Ele falará sobre reinvenção, desafios do turismo e da educação. A partir de outubro, a Associação dos Embaixadores realizará semanalmente uma oficina online.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.

UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021; economista mantém previsão de crescimento do PIB do país em +3,5%.

Exterior abre positivo e Copom no radar interno

Na Ásia, Bolsas fecharam sem sinal único; Hong Kong registrou avanço de 1,08%.

Índice Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos

No momento, o futuro do índice Ibovespa está em alta de 0,03% e o futuro do dólar está em queda de -0,34%.

Comportamento indefinido

Ontem, logo cedo, Europa seguia a trilha de alta dos mercados da Ásia, o mesmo acontecendo com o mercado americano.