A falsa ofensiva bolsonarista

Promoção de comícios mostra que presidente sentiu os golpes.

Muito já se falou das provocações da “procissão em louvor ao vírus”, como apropriadamente chamou o senador Renan Calheiros. Foi uma agressão aos parentes dos quase meio milhão de mortos, desrespeito às determinações da cidade e do Estado do Rio de Janeiro e provocação ao Alto Comando do Exército.

Neste último caso, a presença provocadora do general que teme ser responsabilizado por seus atos e omissões na pandemia. Se o Exército não o punir Pazuello de forma dura, perde o comando da tropa; se o fizer, corre risco de Bolsonaro anular a punição, dobrando a aposta (a coluna aposta – oops – que o presidente dificilmente o faria, pois é mais próximo a bravatas).

Mas há um aspecto que, embora pareça secundário, é interessante para entender o quadro geral: as reações dos bolsonaristas na internet. Se uma frase pudesse sintetizar o ânimo dos cada vez menos frequentes apoiadores de Bolsonaro, seria: “O mito não morreu.”

O que pode parecer uma ação é, na verdade, uma falsa ofensiva. As hostes bolsonaristas sentiram o golpe de perda de popularidade, crescimento da candidatura de Lula, alta dos preços e avanço assustador da pandemia. As provocações miram levantar o moral da trupe. Mais do mesmo, e cabe aos demais atores, Exército inclusive, avaliar com atenção os passos a tomar. Bolsonaro pode ter se inspirado em Mussolini, mas o ato está mais para o putsch de Hitler em 1923.

 

Adeus, carne

Pesquisa realizada no final do ano passado pelo Ibope e coordenada pelo The Good Food Institute (GFI) aponta que 50% dos brasileiros afirmaram ter reduzido o consumo de proteína animal em 12 meses.

A pesquisa não informa o motivo, se foi o forte aumento de preços no ano passado – como a queda maior no Nordeste parece indicar – ou a busca por melhor qualidade alimentar.

Neste segundo caso, o Programa EscolhaVeg, desenvolvido pela organização internacional Mercy For Animals, visa auxiliar as organizações a trabalharem com a inclusão e promoção de opções 100% vegetais em seus portfólios.

 

Avestruz

Cabe ao TSE punir o ato político-eleitoral de Bolsonaro, clara campanha antecipada e abuso de poder econômico, ao utilizar verbas e estrutura públicas para benefício próprio, ou enfiar a cabeça na terra e fazer de conta que nada aconteceu.

 

Rápidas

O Departamento de Direito da PUC-Rio promove a série “Direito em Debate”, às terças-feiras, das 19h30 às 20h. Nesta terça, a professora Isabella Guerra convida o professor Johny Giffony para debater “A Convenção 169 da OIT sobre Povos Indígenas e Tribais”. Inscrições aqui *** “A obra jornalística e as novas mídias: uma reflexão na questão da proteção autoral e do Direito da Concorrência” será o tema do webinário que o IAB realizará nesta terça, às 10h30, no canal TVIAB no YouTube *** O Sistema CFC/CRCs celebra 75 anos de criação e da regulamentação da profissão contábil. Um seminário comemorativo ocorrerá nesta quinta, das 9h às 17h. O evento será transmitido pelo canal do CFC no YouTube.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.