A falência da ONU

Na época de sua criação, a Organização das Nações Unidas (ONU) foi fundada com o objetivo de harmonizar as discórdias, unindo os povos, promovendo a paz e o bem estar das sociedades. Era a esperança de todos. A pujança da Organização residia justamente na sua força moral, capaz de impedir a ação bélica de nações, em virtude de conflitos políticos, econômicos, sociais ou militares.
Na vigência da “guerra fria” funcionou como um amortecedor adequado na luta travada entre os EUA e a URSS em busca da hegemonia mundial. A cada incidente provocado por uma das duas potências, direta ou indiretamente, a ONU fazia-se presente, evitando o conflito bélico ou pelo menos minimizando-o e impedindo a hecatombe nuclear que poderia ocorrer, exterminando a vida humana na Terra.
Agora, os tempos são outros. Os EUA, numa hábil manobra econômica, provocaram a implosão do império soviético, reduzindo-o a uma Rússia combalida economicamente, com alguns afluentes ao seu redor. Surge então uma nova Ordem Mundial, da qual resultou a nação norte-americana como potência hegemônica. Em termos econômicos, as potências mundiais são três, a chamada Tri-lateral : EUA, Japão e Alemanha. Porém, de acordo com a fórmula de Ray Cline, Pp = ( C + E + M) (S + W), onde Pp = poder perceptível; C = massa crítica (território + população); E = capacidade econômica; M = capacidade militar; S = plano estratégico e W = vontade nacional, apenas os EUA podem ser atualmente considerados como potência mundial, tanto a nível militar como econômico.
E usam seu poder como querem, onde desejam, na hora mais adequada para cumprir seus objetivos. Ontem, foi Granada e Haiti. Agora, recentemente, o Iraque, onde chegaram a criar uma “zona de exclusão aérea”, dividindo o país em três partes e bombardeando-o todos os dias, religiosamente, sob qualquer pretexto. Há o claro interesse estratégico no controle do petróleo oriundo do Oriente Médio, vital aos EUA. Criam embargos econômicos a diversos países para minar suas forças e castigar aqueles que os desobedecem. São senhores da vida e da morte, acima do bem e do mal.
Neste momento, resolveram, sempre a pretexto de razões humanitárias, ocupar a Iugoslávia, bem no centro da Europa, entre o Oriente e o Ocidente. Como não possuem coragem para fazê-lo diretamente, usam a Otan como instrumento e adotam a tática de destruição maciça, com o mínimo de perdas, utilizando bombardeios diários, há mais de 50 dias, através de “bombas inteligentes” (erram tanto que, ou o engano é proposital, ou não são inteligentes; pelo contrário, seriam reprovadas no “provão”), empreendendo uma agressão a um país soberano, sem o aval da ONU, através de seu Conselho de Segurança. Aliás, não é a primeira vez que assim procedem e não será a última, infelizmente.
Somente quando a ONU aceita suas imposições é que os EUA respeitam-na. Quando desconfiam que não serão bem sucedidos, agem por cima dela. E a desculpa de razões humanitárias chega a ser ridícula. Quantas vezes a Organização determinou recomendações que nunca foram cumpridas, como é o caso da Palestina, por não estarem alinhadas com a estratégia dos EUA? E quantos povos não foram e estão sendo massacrados, como é o caso do Timor, de vários países da África, ocupados por mercenários e ninguém é sensibilizado pelas suas tragédias? Apenas há ação quando consulta aos interesses da potência hegemônica.
Desta forma, a ONU vai sendo progressivamente erodida, anulada, desmoralizada, esvaziada em sua força moral. Não tem tropas, nem recursos. A continuar assim vai acabar sendo extinta, por falta de resultados como a antiga Liga das Nações. E aí passará a vigorar a lei da selva, onde o mais forte ocupará e destruirá o que quiser, sem reação, a não ser que surja outra potência nuclear e econômica, como a China, por exemplo, para equilibrar a situação. E tal situação preocupa-nos sobremodo, pois amanhã poderá ocorrer com o Brasil. A Amazônia Brasileira desperta a cobiça de muitos e a criação de reservas indígenas abre a possibilidade do surgimento de “nações indígenas”, com o intuito de tornarem-se “independentes”, com a cobertura das nações mais poderosas, interessadas em nossas riquezas (minérios, água, biogenética). Não temos condições de enfrentar militarmente, no nível convencional, uma guerra deste porte. Apenas com guerrilha na selva, o que será feito. Contudo, com o governo que aí está, fica mais difícil organizar a resistência. Assim, é importante iniciarmos uma campanha, mundial, para fortalecimento da ONU, a fim de que os conflitos voltem a ser resolvidos pelas vias diplomáticas, com paz, sem guerra, apoiados no efeito dissuasão, com a Organização dotada de recursos e poderio militar, com comando do Conselho de Segurança e não de um país só.

Marcos Coimbra
Professor titular de Economia da Universidade Candido Mendes e Conselheiro da Escola Superior de Guerra (ESG). Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.