A favor

“A CPI só aumenta a credibilidade do país.” De autoria do deputado federal Delfim Netto, um aliado histórico do sistema financeiro, a afirmação, no entanto, não provocou tremores na cúpula petista, que tem em Delfim um dos seus principais operadores dentro e fora do Congresso. Foi pronunciada em abril de 1999 e se referia à CPI dos Bancos, que os tucanos procuravam exorcizar, alegando que afetaria a credibilidade do país. O PT, que, à época, pensava como Delfim, hoje recorre aos argumentos dos tucanos.

Metamorfose
Desiludido com os rumos do governo Lula, o economista Plínio de Arruda Sampaio Júnior, um dos responsáveis pelo programa de reforma agrária do PT, desfia, em entrevista à última edição eletrônica do Jornal da Unicamp, duras críticas à administração petista. Segundo o economista, o governo Lula, em seu primeiro ano, foi “impermeável” às críticas “das ruas, da intelectualidade, dos movimentos sociais, dos sindicatos e de importantes segmentos do próprio PT”: “A extraordinária dificuldade de dialogar com os críticos reflete o divórcio entre as esperanças geradas pela eleição de Lula e o aprofundamento das políticas liberalizantes inauguradas por Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso. O hermetismo do governo é expressão do viés autoritário do Estado brasileiro.”
Para Arruda Sampaio Júnior, como o governo do Lula não mudou o Estado, o Estado mudou o governo: “Um Estado antinacional e antipopular não pode conviver com o debate democrático”, acrescenta.

Transparência
Possibilitar ao aluno o entendimento conceitual da governança corporativa é o objetivo de curso que a Associação e o Sindicato dos Bancos do Rio de Janeiro promovem de 15 a 18 de março. Serão abordados os custos e benefícios gerados para a empresa, para os investidores e demais interessados nos negócios da companhia, além de estudo do Novo Mercado e os Níveis 1 e 2 da Bovespa. Informações através dos telefones (21) 2253-1538, 2203-2188 ou pelo e-mail [email protected]

Virtual
Além de exagerar na promessa de geração de empregos com seu pacote para a construção civil – prometeu criar 1,41 milhão de vagas, contra 104 mil calculadas pela FGV – o presidente Lula acena com um dinheiro improvável para o setor. O R$ 1,6 bilhão prometido para financiar novos imóveis parte de pressuposto, no mínimo, duvidoso: de que com a redução da remuneração dos recursos não investidos na construção, de TR mais 6,7% para 80% da TR, os bancos vão canalizar esse dinheiro para o setor.

Sinais trocados
“Só tomando banho de formol é que uma pessoa não sente nada do que está acontecendo no país.” A afirmação, em tom irônico, foi pronunciada pelo então presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, em janeiro de 1999, em referência à atitude olímpica do então presidente FH diante do acirramento da crise que se seguiu à desvalorização do real. À época, Lula preocupado com o aumento do desemprego, também criticou a omissão do tucano quando a Ford anunciou a demissão de 40% de sua mão-de-obra no país: “O problema é que ele acha que desemprego é coisa de metalúrgico e que só existe no ABC”, alfinetou Lula, cuja política econômica de seu primeiro ano deixou cerca de 1,5 milhão de brasileiros, dentro e fora do ABC, sem emprego.

Interpicaretagem
Depois do Banco do Brasil e da Receita Federal, chegou a vez de os picaretas que navegam na Internet tentarem engabelar clientes do Itaú mais incautos. Uma mensagem com a mesma conversa mole avisa que “o sistema voltado à segurança de transações on line do Brasil, é expresso que todos os clientes do Banco Itaú deverão repassar seus dados bancarios (sic.) imediatamente para que sua conta entre no mais novo sistema anti-fraude (sic.) no sistema de internet banking”. Quem acessa o site http://www.itau.com.br (a página oficial do banco na Internet), clicando o endereço no e-mail pirata, cai numa página parecida com a do Itaú. Um detalhe, no entanto, denuncia os salafrários, o endereço que aparece no alto da página não é o do banco, mas uma seqüência de algarismos: http://209.134.41.14:7980/

Procura-se
Habitual freqüentador das raras brechas que oxigenam o debate sobre os rumos do país, um economista petista do Rio que manteve essa disposição crítica mesmo após o início do governo Lula foi tomado por súbito mutismo. A transformação coincidiu com sua nomeação para uma entidade do setor de seguro. Desde então, seu celular não responde a chamadas de jornalistas com perguntas incômodas, bem como não responde a recados em sua secretária eletrônica.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCredenciais
Próximo artigoPopular

Artigos Relacionados

Deputado bolsonarista: servidor não pode ser sacrificado

‘Sociedade acha que não é o momento da reforma administrativa’.

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Prorrogação da concessão sem pagamento de outorga.

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Últimas Notícias

Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

Limite de R$ 1 mil para saques entre 20 h e 6h deve dividir opiniões

Crescimento de golpes obriga BC a adotar medidas restritivas Na tentativa de evitar fraudes, o Banco Central adotou esta semana duas medidas restritivas: limite de...

Brasileiros começam a descobrir a Mesa proprietária

No Brasil o conceito ainda é desconhecido para a maioria das pessoas, mas é possível ganhar dinheiro trabalhando como trader no mercado financeiro e...

China: US$ 1,47 tri em aeronaves nos próximos 20 anos

O mercado de aviação da China criará uma demanda de novas aeronaves comerciais avaliada em US$ 1,47 trilhão nos próximos 20 anos, informou uma...

Cerca de 51% das ações ordinárias da ES Gás serão vendidas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o governo do Estado do Espírito Santo e a Vibra Energia (antiga BR Distribuidora) assinaram,...