A guerra das placas e a geopolítica do próximo milênio

Muitas vezes, os fatos mais evidentes não são imediatamente vistos, justamente por estarem tão próximos de nós que não permitem observação acurada. O estudo dos conflitos humanos revela a existência de regiões que, ao longo da História, têm sido palco de conflitos praticamente ininterruptos. Com a expansão, pelos continentes, das diferentes culturas e civilizações, multiplicou-se o número dessas regiões.
Se observarmos o Mapa Mundi em planisfério, constaremos a atual existência, nos quatro principais continentes (Eurásia, Américas do Norte e do Sul e África), de áreas que, para atender a interesses das potências hegemônicas, devem permanecer em estado de conflito ou de anomia/abulia. A estas áreas, daremos o nome genérico de “placas de rotação”, pois, através delas, em situação de paz e normalidade, todas as culturas e etnias vizinhas podem interagir pacifica e produtivamente, em vez de se confrontarem, criando assim condições de integração cultural, social e econômica, e inviabilizando quaisquer intenções hegemônicas.
No continente norte-americano, encontram-se as duas únicas placas atualmente pacíficas e produtivas, a do Mississipi-Golfo do México e a dos Grandes Lagos, que formam os eixos de concentração e distribuição das riquezas daquele continente. As duas placas sul-americanas, as duas africanas e as três eurasianas, por sua vez, encontram-se em situação de conflito ou abulia/anomia.
Na América do Sul, a placa Paraná-Paraguai, que interliga as comunidades platino-andinas (Paraguai, Argentina, Uruguai, Chile e Bolívia) e a comunidade luso-brasileira, encontra-se em estado de abulia/anomia, devido às precárias condições sócio-econômicas, resultantes de políticas equivocadas de toda sorte (econômico-financeira, social, militar etc.). Já a placa da Calha Norte, interligando as comunidades andino-caribenhas (Peru, Equador, Colômbia, Venezuela e Guianas) e a comunidade luso-brasileira, com óbvia ramificação para as comunidades platino-andinas, está em franco processo de esterilização/interdição, pela tentativa de criação de uma série de pseudoprotetorados ecológico-indígenas que, localizados em áreas-chave, impedirão a integração dessas comunidades, com o ganho lateral de inviabilizar todo e qualquer desenvolvimento para o continente.
No continente africano, a placa Subsaariana, que integra a África negra à muçulmana, atravessa do Marrocos à Somália e Eritréia. A placa Centro-Africana liga a África da floresta à da savana, atravessando da Costa do Marfim à Tanzânia e passando, não por acaso, por Ruanda, Burúndi, Congo, Angola e Moçambique. Ambas as placas são palco de brutais massacres e carnificinas, sendo agora compreensível a inação ou apatia das potências hegemônicas, em relação à agonia do continente africano, uma vez que é de seu interesse que esta situação perdure indefinidamente.
Já na Eurásia, a situação é atualmente a mais explosiva, pois, nas três placas (Bálcãs, Curdistão e Tibete) existentes naquele macrocontinente, a condição cultural dos povos vizinhos inevitavelmente criará conflitos de proporções inimagináveis. A placa Balcânica, onde localizam-se as repúblicas que integravam a antiga Iugoslávia (além de Albânia, Bulgária, Grécia e Turquia), está situada na confluência de três antigos impérios: Austro-Húngaro, Russo e Otomano.
Atualmente, o que resta da Iugoslávia (Sérvia e Montenegro) está sendo submetido a um ataque militar “humanitário” da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Este país é ainda rota natural de contato entre as civilizações ocidental, eslava e islâmica, e seu fracionamento atende ao objetivo geoestratégico local e imediato de criar um duplo “cordão sanitário”, contendo os eslavos a leste e o Islã ao sul, impedindo assim sua interação com a Europa ocidental.
A placa do Curdistão, que atravessa Casaquistão, Armênia, Síria, Iraque, Irã e Turquia, é área de trânsito para o intercâmbio entre o mundo eslavo, o Islã e as civilizações asiáticas, entre si e com o Ocidente. A placa Tibetana é área focal do encontro entre as culturas da Ásia meridional, central e costeira.
Nos Bálcãs, a estratégia das potências hegemônicas é, como vimos, impedir a confluência das três civilizações limítrofes. Na placa do Curdistão, é manter uma situação que impeça qualquer futuro intercâmbio significativo. Na do Himalaia é criar uma situação de conflagração, através da subtração traumática do Tibete à China, estabelecendo área de conflitos permanentes naquela parte da Eurásia, que já é palco de rivalidades entre Paquistão, Índia e China.
Os efeitos acima não são apenas locais. Trata-se de manobra muito bem urdida, com o objetivo de obstar o retorno a uma situação normal de multipolaridade mundial, que configuraria, para as principais potências do bloco anglo-saxônico (Estados Unidos-Canadá e Grã Bretanha), o seguinte quadro: ao sul e sudeste, uma América do Sul integrada, rica e poderosa, aliada a uma África em franco desenvolvimento; ao norte e noroeste, além do Círculo Polar Ártico, uma civilização eslava (Rússia) próspera e desenvolvida, integrada ao Ocidente europeu, ao Islã e à China e demais civilizações asiáticas. A leste, uma Europa ocidental unida, integrada por Estados soberanos e independentes. A oeste, as civilizações da Ásia e do Pacífico, também unidas, soberanas e independentes.
O cenário de cerco global acima exposto configura o maior pesadelo, para qualquer potência que se supõe hegemônica: uma situação de equipotência e equivalência multipolar, onde nenhum dos grandes blocos terá, isoladamente, condições de intimidar ou agredir impunemente qualquer componente de outro bloco. As considerações geopolíticas e geoestratégicas, pertinentes aos principais atores do cenário mundial acima descrito, serão objeto de outros artigos.

Ronaldo Leão Corrêa
Economista pós-graduado em Comércio Exterior e conselheiro do Cebres (Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos).

Artigo anteriorO artesanato é nosso
Próximo artigoOrtodoxos e heterodoxos

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.