A importância de conhecer os direitos e deveres

Nossa Constituição Federal é também chamada Carta Magna, e é a lei de maior valia em nosso território nacional, ou seja, qualquer outra lei, decreto, regimento, regulamento, estatuto, norma administrativa ou contrato deve estar de acordo com as determinações da Constituição Federal, caso contrário, a norma menor, que pode ser um simples contrato assinado, se estiver infringindo as determinações da Norma Maior (a Constituição Federal), pode então ser considerada inconstitucional pelo Poder Judiciário.

São direitos considerados invioláveis na Constituição Federal: a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado ainda, o direito de indenização por danos materiais e morais, decorrente de sua violação, assim, caso alguma infringência à Lei Maior tenha causado prejuízos aos envolvidos esses cidadãos podem reclamar os danos materiais indenizáveis – aqueles prejuízos possíveis de serem calculados, desde o que se perdeu até o que se deixou de ganhar, devido ao evento danoso, e/ou a indenização por danos morais – que trata da dor emocional que a ocorrência veio causar, do medo, da vergonha sentida, de acordo com a gravidade da situação.

É uma pena, mas, além dos cidadãos brasileiros estarem desacostumados a exercer seus direitos, o Poder Judiciário, quando recebe essas reclamações, acaba julgando seus processos judiciais muito demoradamente, infringindo outro direito constitucional, aquele que determina serem “assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação” (art. 5º., LXXVIII, da CF).

De acordo com o relatório Justiça em Números do CNJ, o Poder Judiciário finalizou o ano de 2019 com 77,1 milhões de processos aguardando alguma solução definitiva, com taxa de congestionamento de 69%, ou seja, em cada 100 processos apenas 31 são solucionados definitivamente e isso, considerando que de cada 100 mil habitantes apenas 12 mil ingressaram com ação judicial em 2019. Não é razoável um processo judicial levar mais de 2 anos para solução, esse dano ao cidadão que fica na espera sem ter satisfeito seu direito, também merece ressarcimento, se faz justa a indenização.

É certo, os cidadãos devem saber dos seus direitos e deveres para poderem reclamar quando necessário porque, se existem direitos, na contrapartida há deveres e obrigações que descumpridos podem gerar indenização possível de penalizar e assim educar cidadãos, empresas e o próprio Estado a buscar funcionar melhor, de acordo com a própria Lei Maior, a sua Constituição Federal.

Vale lembrar, as leis estão dispostas no site do governo, inclusive a Constituição Federal; há cartilhas de direitos no site da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB; nos de defesa do consumidor; em muitos outros; e existe mais de 1 milhão de advogados na nossa pátria mãe gentil, portanto, vale o esforço de todos nós brasileiros na busca de informação quanto às leis, aos deveres e direitos a fim de todos estarmos responsáveis nessa mudança para melhor do nosso Brasil!

 

Luciana G.Gouvêa, advogada, coordenadora jurídica da TV Nossa Justiça.

Leia mais:

O ladrão de galinhas

Pintou um clima

Artigos Relacionados

Getúlio, de Volta Redonda à Petrobrás

Por José Augusto Ribeiro.

Mercado de trabalho feminino e a pandemia

Por Jandaraci Araújo.

Não reneguemos o petróleo

Por Bernardo Lemos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.