A indústria tabagista e sua responsabilidade

Vem se tornando comum no Brasil, mais por força de plágio do direito estrangeiro, em face das empresas produtoras de tabaco, a busca de consumidores visando à reparação pelos danos causados pelo hábito de fumar.
Hoje, muito se sabe sobre as doenças que são causadas em virtude do tabagismo. Várias são as enfermidades que o fumo pode causar.
Sem entrar na seara dos malefícios do uso do cigarro, cumpre trazer o entendimento que o Poder Judiciário tem sobre a responsabilidade que recai sobre as produtoras de tabaco. Se existe uma certeza sobre o tema, é que se aplica o Código de Defesa do Consumidor.
Nos dias de hoje, o Poder Judiciário pátrio vem entendendo pela não responsabilização das empresas, tanto em sede de Tribunais Superiores quanto nos Tribunais Regionais.
Um dos fundamentos de tal exclusão é a liberdade de opção que se reconhece ao viciado. A nocividade do uso é de conhecimento público, seja por campanhas do governo ou pela obrigatoriedade que a empresa tem em demonstrar que o uso das substâncias causa danos à saúde.
Por isso, a assunção de sua escolha exime o produtor do cigarro em se ver responsabilizado por quaisquer danos que as substâncias podem trazer. Não se pode nem dizer que as propagandas induzem ao vícios, pois hoje são raras, e sempre ao final é informado os males decorrentes de seu uso.
Outro ponto que merece ser levado em consideração se refere à licitude da atividade empreendida pelo fabricante., Por outras palavras, a atividade tabagista é considerada lícita pela nossa legislação e a jurisprudência nacional, ao contrário de outros países, prepondera nesse sentido.
Todavia, o que de fato inviabiliza a responsabilização do fabricante é a dificuldade efetiva de provar o nexo causal entre o uso do tabaco e os danos que podem sofrer os usuários.
Embora se saiba que o cigarro pode causar, por exemplo, um câncer de pulmão, pela medicina atual, é impossível precisar que tal enfermidade se deveu realmente ao uso das substâncias. Não constitui dogma a conclusão de que os efeitos do fumo originaram sobre o fumante os eventos físicos que podem levar a uma enfermidade ou até mesmo a óbito.
O Superior Tribunal de Justiça, por enquanto, tem jurisprudência pacífica nesse sentido. Parece, realmente, muito difícil imputar a responsabilidade ao fabricante tabagista.
É certo que, pelos próximos anos, até que se mude ao menos a legislação, a situação assim deve permanecer e as empresas de tabaco não terão o ônus de indenizar os consumidores.

Leonardo Rodrigues de Guimarães
Sócio do escritório Guimarães, Nepomuceno e Leida de Carvalho Advogados
[email protected]

Mônica Gusmão
Professora de Direito Empresarial, do Consumidor e do Trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Decisão do TST põe em xeque diversas terceirizações

Por Leonardo Jubilut.

Segurança do trabalho: como reduzir riscos jurídicos

Por Natália Tenório da Silva.

Uso do ponto eletrônico biométrico diante da LGPD

Por Juliana Callado Gonçales.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis