A inserção da Argentina na Otan

A inusitada pretensão da República Argentina de ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), como membro efetivo, foi prontamente rechaçada. O governo argentino saiu bastante desgastado nesse ingrato e infeliz episódio que colocou o país em uma posição muito incômoda ante o mundo, principalmente em relação aos seus parceiros do Mercosul e demais condôminos do cenário geopolítico sul-americano.
É surpreendente que as autoridades argentinas tenham dado um passo tão significativo e de tamanha relevância – como a proposição para o ingresso da Argentina na maior aliança militar existente no mundo – sem efetuar, previamente, estudos e consultas diplomáticas, técnicas e institucionais que lhes permitissem conhecer, com razoável grau de certeza, o risco que poderia correr uma solicitação dessa natureza.
Fontes oficiais do governo argentino têm proporcionado versões desencontradas a respeito da forma com que foi gerada a decisão de solicitar a incorporação da Argentina na Otan, como membro permanente. Um setor governamental assegura que o trâmite foi idealizado e impulsionado pela Secretaria de Planejamento Estratégico e que a Chancelaria e o Ministério da Defesa não foram consultados em nenhum momento. Outras fontes, ao contrário, afirmam que o tema foi amplamente debatido em todos as áreas do governo e que foi examinado, inclusive, em reunião de gabinete, a nível governamental.
Tudo indica que a iniciativa surgiu como conseqüência de uma análise sobre as supostas novas condições que haviam se apresentado na Otan, como resultado da guerra no Kosovo. Pensou-se que a Argentina – que já ostentava o título de aliado extra-Otan (afago que lhe fora feito pelo presidente Bill Clinton) – poderia aspirar a integrar-se, com maior realce, nessa poderosa aliança. Esses são os fatores que parecem ter determinado o açodamento da redação das notas que o presidente Carlos Menem remeteu às autoridades da Otan e ao presidente dos Estados Unidos, para solicitar, formalmente, a incorporação do país como membro pleno da organização.
A resposta a essa preposição tornou-se do conhecimento de todos: o então secretário-geral da Otan, Javier Solanas, dirigiu-se por escrito ao primeiro mandatário argentino para comunicar-lhe que sua solicitação havia sido rechaçada. A nota enfatiza que somente podem pertencer à organização os países situados no Atlântico Norte e que a Argentina, por ser um país situado no Atlântico Sul, não atende a essa premissa básica.
É simplesmente surpreendente que o governo argentino tenha dado esse passo em falso, sem meditar sobre as possíveis conseqüências e dissabores que poderiam advir ao tomar uma decisão dessa magnitude. Parece incompreensível que um assunto dessa natureza tenha sido manejado com tão pouca lucidez e ingenuidade e, sobretudo, que o rechaço pela Otan tenha se fundamentado em considerações tão óbvias que, de certo modo, provocou um enfretamento entre os setores internos do governo argentino e promoveu, com atitude desse jaez, um incidente diplomático ao criar um clima de desconfiança com os vizinhos do continente.
Seria de bom alvitre que antes de efetuar um pedido dessa grandeza, a Argentina realizasse uma prévia consulta aos países sócios do Mercosul para inteirar-se da opinião dos mesmos. Esta atitude seria sumamente importante para referendar (ou não) a ação do governo argentino nessa empreitada, principalmente neste delicado momento que atravessa o processo de integração regional.
Dentro de uma visão mais ampla, esse indesejado e desagradável rechaço que sofreu a Argentina deve servir para uma profunda reflexão sobre a necessidade de que a política de alianças que o país adota, no campo internacional, seja encarada com responsabilidade e prudência. Os argentinos devem evitar, nessa área, qualquer atitude que tenda para o arroubo ou para impulsos momentâneos de êxito no concerto das nações.
O campo da política externa, certamente, não é o mais adequado para ensaiar ações temerárias e audazes que nada têm a ver com o louvável esforço encerado pela Argentina, ao longo desta década, para inserir-se no cenário internacional como um país maduro, sério e confiável.

Manuel Cambeses Júnior
Coronel-aviador R/R e membro do Corpo Permanente da Escola Superior de Guerra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPatrimônio dado
Próximo artigoCidadão do terceiro milênio

Artigos Relacionados

Nova Guerra Fria

Por Edoardo Pacelli.

Hiroshima

Por Paiva Netto.

Dicas para planejar a aposentadoria

Por Bruno Martins.

Últimas Notícias

Uma em cada quatro pessoas não paga todas as contas no mês

Inflação muda comportamento dos brasileiros, mostra pesquisa da CNI.

Mercado financeiro reduz projeção da inflação de 7,15% para 7,11%

Esta é a sexta redução consecutiva da projeção, diz BC.

Real pode se beneficiar da queda do dólar ante moedas emergentes

Em NY, os índices futuros acionários operam no positivo, assim como as principais Bolsas europeias; alta também na Ásia.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.