A Lei de Biossegurança em pauta no STF

Uso de transgênicos não é tarefa fácil. Qual será a medida menos onerosa para as futuras gerações?

O exclusivismo antropocêntrico do “ser”, sem uma preocupação biocêntrica e das gerações futuras, pode ser visto em vários exemplos relativos às pesquisas científicas no campo da bioética, a exemplo dos estudos com células-tronco de embriões humanos. Da mesma forma, o exemplo da Lei de Biossegurança, Lei 11.105/2005, que autorizou o registro e a liberação em escala comercial dos organismos geneticamente modificados (OGMs), a produção e a comercialização das sementes de soja geneticamente modificadas já registradas, bem como o plantio dos grãos reservados pelos produtores rurais para uso próprio na safra 2004/2005.

O mesmo se pode dizer da ética no uso do solo e da água, questionando-se, inclusive, a destinação que hoje fazemos de 70% de nossa água doce para uso agroindustrial, principalmente para a irrigação, enquanto muitos sofrem com falta de água para consumo. Outros exemplos poderiam ser dados, como a cessão gratuita ou onerosa de florestas primárias ou mesmo a autorização de queimadas para a formação de pastos para animais ou para a produção de cana-de-açúcar e oleaginosas, visando à produção de biodiesel, ou a substituição de grandes extensões de prados por florestas plantadas para abastecer a indústria de papel e celulose sem uma detida análise dos custos humanos entre gerações.

Sem uma base ética e responsável, pode-se tornar irreversível o processo de apropriação da Natureza. Hoje, já se confirma a tese de que a maior riqueza que as nações possuem está em sua biodiversidade e na informação genética de todas as espécies vegetais. Diante da atual revolução biotecnológica, pode-se admitir que cada árvore cortada sem um planejamento sustentado significa uma incalculável perda patrimonial.

No entanto, torna-se clara a preferência, mesmo no âmbito das decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), por escolhas objetivas, preterindo aquelas subjetivas, que levem em conta, por exemplo, os direitos ambientais das presentes e futuras gerações.

É justamente essa base ética de apropriação da Natureza que exige ao STF sopesar a adequação e a necessidade de uso de organismos geneticamente modificados, na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que coloca a necessidade de revisão de alguns dispositivos da Lei de Biossegurança.

Analisar se o princípio da precaução e o direito à saúde e a uma existência digna das gerações presentes e futuras possuem peso suficiente para justificar a restrição ao uso de transgênicos não é tarefa fácil. Qual será a medida menos onerosa para as futuras gerações? Ampliar os estudos para o licenciamento ambiental no uso de transgênicos, o que importa na inconstitucionalidade ainda que parcial da lei de biossegurança, ou acelerar a liberação comercial de produtos em detrimento do princípio da precaução, como vem sendo feito, e declarar a constitucionalidade da lei atualmente em vigor?

A questão está posta entre os votos do ministro Fachin, proferido mês passado, no sentido de acolher a ADI e o do relator Nunes Marques, contra a ADI. Se estamos entre as trevas e a Ciência, só o futuro dirá, por isso, talvez seja melhor se precaver.

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

1 COMENTÁRIO

  1. Artigo objetivo que levanta questão fundamental sobre o respeito à Natureza e o papel importante do STF na decisão sobre os rumos que a sociedade deve adotar. Parabéns para a autora, Dra. Ana Rita Albuquerque!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMuseu do Pontal
Próximo artigo‘A Mão e a Luva’

Artigos Relacionados

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

Setor automotivo em ritmo de recuperação

Resultados seriam ainda melhores se não houvesse restrição de semicondutores.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões