A lição que fica na retomada das atividades

Shoppings primeiro, escolas depois.

O fim do isolamento no Rio e em São Paulo está ocorrendo debaixo da pressão de diversos setores empresariais, asfixiados pela crise e pela inoperância – ou falta de vontade – do governo central em reduzir os danos. A principal pressão vem das administradoras de shopping centers. Não há sentido em reabrir centros comerciais – locais, em 99% dos casos, fechados – e deixar lojas de ruas com as portas cerradas, como propõe o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella.

O presidente do CDLRio e do SindilojasRio, Aldo Gonçalves, junto com outras entidades representativas do comércio carioca, questionam por que a Prefeitura deixou para a última fase, daqui há um mês, o comércio varejista de rua, que compõe a grande maioria dos estabelecimentos comerciais da cidade.

A reabertura prioritária de shoppings levanta outras questões mais de fundo: por que abrir lojas e deixar escolas fechadas? Não há uma inversão de prioridades? Educação é algo secundário? Como ficam as mães que trabalham? Com quem vão deixar os filhos?

A lição que fica é que o consumo – o vil metal – vem na frente. As cidades que estão levantando as restrições tinham obrigação de divulgar como está sendo a transmissão da doença nos municípios que voltaram antes à normalidade. São Paulo bateu nesta terça recorde de casos e mortes. Mas esta preocupação parece minguar na mesma proporção em que diminuem os casos de Covid-19 nas áreas mais abastadas e os hospitais particulares ganham folga. A periferia que se vire.

 

Mil na fila

A reabertura do comércio em Paris provocou filas nas lojas de roupas de grife e em outras menos chiques, como a Zara. O fim do lockdown levou milhares de pessoas às ruas em São Luís (Maranhão), muitos – muitos mesmo – sem máscaras.

Na Inglaterra, os compradores voltaram às lojas na segunda-feira, com a reabertura de revendedoras de automóveis, mercados e outros comércios. O número de compradores saltou 31%, em comparação com o feriado bancário da segunda-feira da semana passada, segundo analistas da Springboard citados pelo jornal The Guardian. Em todo o Reino Unido, o número de compradores aumentou 28%.

Havia fila em frente à Ikea (espécie de Tok&Stok) a partir das 5h30, com relatos de mil pessoas do lado de fora da loja Warrington e outras esperando várias horas para fazer compras em Croydon, sul de Londres. Mesmo com essa compulsão, o número de compradores em todos os destinos de varejo ainda estava mais de 60% abaixo do mesmo período do ano passado.

O número de passageiros que usam o metrô de Londres aumentou cerca de 20% na segunda-feira em relação à semana passada. A viagem no pico da manhã foi de cerca de 11% dos níveis pré-coronavírus.

 

Destino

Bolsonaro lamenta todas os mortos, “mas é o destino de todos”. É uma filosofia de vida que explica não só o pouco-caso do presidente com Saúde, mas também Educação, Economia… Com este governo, a morte da Nação é a única certeza.

 

Vírus estadunidense

A Espanha leva a culpa, mas a gripe que leva o nome do país europeu surgiu nos Estados Unidos. Será o mesmo caso agora, em que a extrema-direita insiste em chamar a Covid-19 de “vírus chinês”?

 

Rápidas

Nesta quarta-feira, às 17h, a CEO da M2Trade, Michelle Fernandes, recebe Paula Mark Sady, diretora-executiva da Câmara AEB de Mediação de Conflitos em Comércio Exterior. Acesse no Instagram *** Também nesta quarta, às 17h, acontece o “Tem Mulher na Roda”, com a ativista social Janaina Bemvindo, do grupo A Liga, que recebe convidados ao vivo para falar sobre a violência doméstica. A live será realizada no Facebook @janainabemvindo *** Outra opção desta quarta é o webinar “Como ficam as relações de trabalho pós-pandemia?”, às 10h, pela FGV Educação Executiva, no YouTube. Inscrições aqui *** Rony Jabour, especialista internacional em segurança do trabalho, realiza live sobre novos protocolos no retorno às atividades, nesta quarta, às 15h, no YouTube Zurich Termoplásticos *** Ainda na quarta, às 10h30, o superintendente de Leitura da Secretaria do Rio, Pedro Gerolimich, bate papo com a professora Fernanda Paschoal sobre a importância de Feiras Literárias na Escola, no Insta @pedro.do.livro

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.