A ousadia da viúva Clicquot e a evolução do champanhe

Um dos seus empregados propôs um método que deu origem à rémuage, hoje integrada ao méthode champenoise.

Outro personagem importante para a história do champanhe se chamava Nicole-Barbe Ponsardin, que se casou com um produtor de champanhes no final do século XVIII. Com apenas seis anos de casada e 27 de idade, Nicole-Barbe perdeu seu marido e decidiu assumir a administração do negócio de champanhes sozinha, contrariando a tradição e sem o apoio da família Clicquot, da qual “a viúva” herdara seu nome. Assim nascia a Maison Veuve Clicquot, uma das marcas de champanhe mais consagradas do mundo, que teve uma contribuição efetiva não apenas para a internacionalização da bebida, mas também para a evolução da metodologia champenoise.

A visão comercial da Mme Clicquot fez com que ela tecesse estratégias de conquista do mercado russo, a despeito das rivalidades políticas. A Rússia saíra vitoriosa quando invadida por Napoleão em 1811 e, em 1814, contra-atacou a França, ocupando Reims e Epernay por certo período. A viúva Clicquot franqueou suas adegas aos soldados russos, pois sabia da potencialidade deste mercado. Seguinte ao retorno das tropas, enviou à Rússia, pelas mãos de um habilidoso comerciante, todo o estoque de champanhes que restara da esplêndida safra de 1811 e ganhou aquele mercado, sem concorrência à época.

Alguns aspectos da qualidade do produto ajudaram essa conquista dos consumidores: a extrema doçura do Champagne Clicquot, apreciada pelos russos, e a sua notável limpidez, fruto do desenvolvimento de técnicas mais eficazes para solucionar o problema da clarificação do vinho.

Como eu dizia no artigo anterior, a efervescência do champanhe se dava devido à re-fermentação espontânea dos vinhos, assim que as temperaturas locais aumentavam. Uma vez descoberto isso, passou-se a provocar a segunda fermentação pela adição de leveduras aos vinhos já prontos. A efervescência era garantida, mas, uma vez consumido o açúcar, as leveduras morriam, gerando borras que deixavam a bebida com aparência turva.

Para ajudar a remover os sedimentos, periodicamente, as garrafas eram sacudidas, de modo a concentrar as borras junto às suas paredes. Posteriormente, o líquido, mais límpido, era transvasado (trasfega) para outra garrafa de champanhe. Uma operação complexa, demorada, menos eficiente na limpidez e que provocava grande perda de efervescência.

Foi Antoine Müller, chef de cave recrutado pela viúva Clicquot que propôs um método melhor, dando origem à rémuage, hoje integrada ao méthode champenoise. Mantendo-se a garrafa emborcada, os sedimentos concentravam-se sobre a rolha, já na porta de saída da garrafa. A perda de efervescência era menor, facilmente complementada com o licor de expedição (liqueur de dosage) e a inserção de nova rolha.

A técnica foi aprimorada e, até 1821, era “o segredo” da limpidez dos Champagnes da Veuve Clicquot, única empresa a praticá-la. O método rémuage foi fundamental para aumentar a escala de produção do champanhe. Outros problemas ainda buscavam solução, como a explosão das garrafas, que demandou um aperfeiçoamento das vidrarias e uma maior precisão do cálculo do açúcar introduzido para induzir a segunda fermentação. Até a invenção do sucre-oenomètre, um medidor do conteúdo de açúcar, inventado em 1836, este era medido de forma aleatória e gerava muita pressão e, consequentemente, explosões.

Por muito tempo o champanhe era dulcíssimo e quem mudou este perfil foi o mercado consumidor inglês, já na segunda metade do século XIX. A empresa Veuve Clicquot só chegou a produzir seu Champagne Brut após a morte de sua “grande dame”.

Turmas abertas para o CAFA Passaporte França Online com Míriam Aguiar. Saiba mais pelo Instagram @miriamaguiar.vinhos ou blog miriamaguiar.com.br/blog.

 

Míriam Aguiar
Jornalista, educadora e especialista em vinhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Últimas Notícias

STJ decide se plano deve restituir o que não consta no rol da ANS

No início do julgamento sobre o caso, ministro Luis Felipe Salomão já havia se posicionado nesse sentido.

Proteste: PL prejudica consumidor de menor poder aquisitivo

Entidade pede veto a pontos de PL que inviabiliza pagamento por aproximação no Rio; em SP, Fecomércio encaminha sugestões sobre segurança.

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

SP é o segundo estado com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.