A quem interessa?

Em conversa com esta coluna, um descendente de japoneses, que ocupa importante cargo na área de comunicação e marketing de uma grande empresa, revelou espanto com reportagem veiculada em 28 de fevereiro no Jornal Nacional sobre a “grave crise” que atinge os dekasseguis – nisseis e outros descendentes  que voltam ao Japão para trabalhar lá, e mandar dinheiro para o Brasil.
Dois desses brasileiros que chegaram recentemente da ilha relataram à fonte dessa coluna que o desemprego atinge a 2% ou 3% dos dekasseguis, aqueles que não se adaptaram à cultura e trabalho locais e que mesmo antes da crise sempre constituíam um problema. São trabalhadores que não se fixavam numa empresa e trocavam de emprego por qualquer oferta financeiramente mais vantajosa, mesmo que por apenas um punhado de ienes a mais.

Regresso
“A economia japonesa encolheu 12,7% nos últimos três meses do ano passado. Uma ameaça para os 320 mil brasileiros que vivem lá, conhecidos como dekasseguis. Estima-se que até 30 mil deverão retornar.” Assim era a chamada no principal jornal da TV Globo. Os aviões lotados de brasileiros querendo retornar também chamaram atenção. Pois ambos os descendentes que vieram recentemente do Japão – viagens programadas, diga-se – afirmaram que seus vôos realmente refletiam a crise – de falta de passageiros, já que transportaram pouco mais da metade da lotação dos aviões. Aviões lotados, só em dezembro – época de vôos cheios e aeroportos congestionados em qualquer ano.

Falta
O principal efeito da crise, não só sobre os dekasseguis, mas também sobre o trabalhador japonês, segundo a fonte desta coluna, foi a redução do número de horas extras; que, ainda assim, continuam sendo feitas, só que em menor quantidade. E a Câmara de Comércio de Nagoya, principal pólo dos brasileiros no Japão, prevê falta de mão-de-obra braçal já no segundo semestre deste ano.

Sobre o auto-engano
Mais tático que estratégico, o presidente Lula construiu sua carreira adequando seu discurso aos gostos das diferentes platéias pelas quais desfilou. O próprio Lula batizou de metamorfose ambulante uma prática mais próxima da política de conveniências e da linha da menor resistência.
A pior crise do mundo desde a Depressão de 30, no entanto, coloca esse estilo em xeque. Agora, ou Lula pratica o que prega nos fóruns internacionais, nos quais defende a importância de fortalecer o Estado na economia, inclusive no setor financeiro, ou persiste na política de estrangulamento fiscal, que manteve, durante a maior parte dos seus sete anos de governo, o Brasil marcando passo no medíocre crescimento médio de 2,2% ao ano herdado da interminável administração FH.
Com o país em recessão, Lula não tem mais como conciliar a retórica pró-desenvolvimento com a única política monetária restritiva do planeta e a ameaça de novos cortes no Orçamento, para manter-se obediente aos dogmas do ajuste fiscal. Com a crise, reduziu-se a margem para as bravatas e as ambiguidades que marcam sua carreira. Lula, enfim, vai ter de definir como pretende entrar para a História.

Reciclagem
Um processo inédito de separação do alumínio de embalagens longa vida está a um passo de deixar de ser um invento patenteado e se tornar um negócio. Com o apoio da Associação Nacional dos Inventores – entidade sem fins lucrativos cujo papel é incentivar e popularizar as inovações tecnológicas no país – o estudante de Física da Unicamp Wagner Sanerip negocia sua invenção com uma empresa de engenharia ambiental.
O alumínio, sozinho, é matéria-prima de grande valor e, com sua separação, pode ser negociado e reciclado. Já a embalagem multicamada leva vários anos para se decompor nos lixões, já que não interessa aos catadores.

Soberano
Será dia 26 próximo, quinta-feira, às 19h, na livraria Argumento de Copacabana (R. Barata Ribeiro, 502, A, 2º andar), o lançamento do livro Brasil Soberano, de Marcos Coimbra. A julgar pela repercussão dos artigos que Coimbra escreve para este MM, deve-se chegar cedo para conseguir um bom lugar na fila de autógrafos. Em São Paulo, o lançamento será dos dias depois, no sábado, às 11h, no Nacional Club (R. Angatuba, 703- Pacaembu- SP).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...