A quem interessa?

Em conversa com esta coluna, um descendente de japoneses, que ocupa importante cargo na área de comunicação e marketing de uma grande empresa, revelou espanto com reportagem veiculada em 28 de fevereiro no Jornal Nacional sobre a “grave crise” que atinge os dekasseguis – nisseis e outros descendentes  que voltam ao Japão para trabalhar lá, e mandar dinheiro para o Brasil.
Dois desses brasileiros que chegaram recentemente da ilha relataram à fonte dessa coluna que o desemprego atinge a 2% ou 3% dos dekasseguis, aqueles que não se adaptaram à cultura e trabalho locais e que mesmo antes da crise sempre constituíam um problema. São trabalhadores que não se fixavam numa empresa e trocavam de emprego por qualquer oferta financeiramente mais vantajosa, mesmo que por apenas um punhado de ienes a mais.

Regresso
“A economia japonesa encolheu 12,7% nos últimos três meses do ano passado. Uma ameaça para os 320 mil brasileiros que vivem lá, conhecidos como dekasseguis. Estima-se que até 30 mil deverão retornar.” Assim era a chamada no principal jornal da TV Globo. Os aviões lotados de brasileiros querendo retornar também chamaram atenção. Pois ambos os descendentes que vieram recentemente do Japão – viagens programadas, diga-se – afirmaram que seus vôos realmente refletiam a crise – de falta de passageiros, já que transportaram pouco mais da metade da lotação dos aviões. Aviões lotados, só em dezembro – época de vôos cheios e aeroportos congestionados em qualquer ano.

Falta
O principal efeito da crise, não só sobre os dekasseguis, mas também sobre o trabalhador japonês, segundo a fonte desta coluna, foi a redução do número de horas extras; que, ainda assim, continuam sendo feitas, só que em menor quantidade. E a Câmara de Comércio de Nagoya, principal pólo dos brasileiros no Japão, prevê falta de mão-de-obra braçal já no segundo semestre deste ano.

Sobre o auto-engano
Mais tático que estratégico, o presidente Lula construiu sua carreira adequando seu discurso aos gostos das diferentes platéias pelas quais desfilou. O próprio Lula batizou de metamorfose ambulante uma prática mais próxima da política de conveniências e da linha da menor resistência.
A pior crise do mundo desde a Depressão de 30, no entanto, coloca esse estilo em xeque. Agora, ou Lula pratica o que prega nos fóruns internacionais, nos quais defende a importância de fortalecer o Estado na economia, inclusive no setor financeiro, ou persiste na política de estrangulamento fiscal, que manteve, durante a maior parte dos seus sete anos de governo, o Brasil marcando passo no medíocre crescimento médio de 2,2% ao ano herdado da interminável administração FH.
Com o país em recessão, Lula não tem mais como conciliar a retórica pró-desenvolvimento com a única política monetária restritiva do planeta e a ameaça de novos cortes no Orçamento, para manter-se obediente aos dogmas do ajuste fiscal. Com a crise, reduziu-se a margem para as bravatas e as ambiguidades que marcam sua carreira. Lula, enfim, vai ter de definir como pretende entrar para a História.

Reciclagem
Um processo inédito de separação do alumínio de embalagens longa vida está a um passo de deixar de ser um invento patenteado e se tornar um negócio. Com o apoio da Associação Nacional dos Inventores – entidade sem fins lucrativos cujo papel é incentivar e popularizar as inovações tecnológicas no país – o estudante de Física da Unicamp Wagner Sanerip negocia sua invenção com uma empresa de engenharia ambiental.
O alumínio, sozinho, é matéria-prima de grande valor e, com sua separação, pode ser negociado e reciclado. Já a embalagem multicamada leva vários anos para se decompor nos lixões, já que não interessa aos catadores.

Soberano
Será dia 26 próximo, quinta-feira, às 19h, na livraria Argumento de Copacabana (R. Barata Ribeiro, 502, A, 2º andar), o lançamento do livro Brasil Soberano, de Marcos Coimbra. A julgar pela repercussão dos artigos que Coimbra escreve para este MM, deve-se chegar cedo para conseguir um bom lugar na fila de autógrafos. Em São Paulo, o lançamento será dos dias depois, no sábado, às 11h, no Nacional Club (R. Angatuba, 703- Pacaembu- SP).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...