A Rota dos Vinhos do Tejo

Degustação apresenta a riqueza e diversidade da histórica e ainda desconhecida produção.

Os vinhos portugueses caíram mesmo no gosto do brasileiro, e há uma crescente nivelação regional de sua qualidade. Isso quer dizer que a produção de regiões menos conhecidas segue a trilha de outras que já se destacam, renovando sua produção e investindo em qualidade. Afinal, é um país com muita vocação para a viticultura, um grande histórico de produção regional e suas particularidades.

Logo após o evento Vinhos de Portugal, tratado em meus dois últimos artigos, fui convidada para participar de uma degustação de apresentação dos Vinhos do Tejo, organizada por Daniel Perches e Beto Duarte, no Rio. Foram degustados 16 rótulos, selecionados pela Comissão Vitivinícola Regional dos Vinhos do Tejo. Embora conte com um histórico longínquo, a região é menos reconhecida internacionalmente e faz um trabalho de divulgação em mercados importantes, como o Brasil.

A produção regional se autodenominava Vinhos do Ribatejo, como indicava a DOC criada em 2000, mas, em 2009, foi instituída a Rota dos Vinhos do Tejo, que sinaliza com mais evidência o elemento central de sua paisagem: o Rio Tejo – em torno do qual se desenvolveram cidades, vilarejos, mosteiros, criações de cavalo lusitano e quintas repletas de olivais e vinhas.

O Rio Tejo corta a região de norte a sul, antes de chegar ao seu estuário na região de Lisboa. Há três áreas de concentração da produção, com perfis distintos: a “Charneca”, na margem esquerda do Tejo, com solos arenosos e clima mais seco, onde há produção de brancos e tintos; o “Bairro”, à margem direita do Tejo, que tem um relevo mais irregular, onde predominam altitudes de 200m, solos argilo-calcários e produção de castas tintas; o “Campo”, que se situa no entorno e ao longo do Rio Tejo, área sujeita a inundações periódicas e que demanda uma viticultura de muita precisão, normalmente mais focada em castas brancas.

Assim como em todo o país, o que não falta são uvas nativas brancas e tintas de ótima qualidade. Em se tratando de uma região que passa por grande renovação, menos comprometida com ícones nos quais assentam a sua fama, há uma grande abertura para incorporação de cepas internacionais também, especialmente as francesas mais consagradas. Outro fator, que é comum aos vinhos portugueses, é a cultura de realização de cortes de várias uvas num mesmo vinho. Para brancos, as principais utilizadas, dentre as portuguesas, são a Fernão Pires, Arinto, Verdelho e Alvarinho, seguidas das francesas Sauvignon Blanc, Chardonnay e Viognier. Para tintos, dentre as tintas autóctones, as principais são Touriga Nacional, Trincadeira, Castelão, seguidas das internacionais Alicante Bouschet (e origem francesa), Aragonez (outro nome para Tempranillo), Syrah e Merlot.

Mas isso é pouco para resumir a sua produção. A degustação da qual participei caprichou numa seleção bem diversificada de vinhos brancos, rosé (1) e tintos, em cortes, mas também varietais. Para citar alguns, temos o Encosta do Sobral Reserva 2021, que une duas cepas nativas (Gouveio e Vinhosinho) com a francesa Viognier, num bom conjunto de aromas e untuosidade, que remetem à sua fermentação e estágio em barricas. Degustamos também um varietal da Touriga Nacional, o Vale Galego Reserva 2015, com os típicos e intensos aromas de frutos negros e violeta da casta, boca estruturada, elegante, com um final longo. No Nana Reserva 2016, da Quinta da Lapa – um corte que une grandes cepas vinificadas em Portugal (Touriga, Castelão, Alicante Bouschet e Aragonês) – as qualidades se somam para formar um rico bouquet de frutas maduras, notas tostadas (café) e especiarias.

Algo que me chamou a atenção foi a presença de vinhos bons e que não cansam, além da relação preço/qualidade. O Herdade do Catapereiro Escolha tinto 2020 é um desses vinhos com presença e frescor, muito agradável para qualquer ocasião. Parece fácil, mas ser simples e suficiente não é para todos os vinhos!

 

Cursos de Vinhos com Míriam Aguiar: saiba mais pelo Instagram @miriamaguiar.vinhos ou blog miriamaguiar.com.br/blog

Míriam Aguiar
Jornalista, educadora e especialista em vinhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alerj discute tombamento do Engenhão

Projeto impedirá demolição ou fim da pista de atletismo.

Ensino superior em Portugal sobrevive graças aos alunos estrangeiros

Valor pago pode ser 5x maior que por nacionais.

Construção da P-80 ‘exporta’ 395 mil empregos

Candidatos defendem volta do conteúdo local e fazer reparos de embarcações no Rio.

Últimas Notícias

Vale testa caminhões de 72 toneladas 100% elétricos

Veículos serão usados nas operações da mineradora em Minas Gerais e da Indonésia

Xangai quer estimular mais o consumo

Será a primeira emissão de cupons eletrônicos para estimular o consumo

Pequenos incidentes cibernéticos podem iniciar grandes problemas

Alerta é do coordenador do Grupo Consultivo de Cibersegurança da Anbima

Rio Grande do Sul publica edital de concessão do Cais Mauá

Prevê revitalizar um dos principais patrimônios da cidade por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP)

Rio pode ter fomento de áreas produtoras de petróleo

Norma estabelece que o governo do estado desenvolva políticas de apoio e parceria.