A sorte está lançada: agora não dá para chorar o leite derramado

Por J. Carlos de Assis.

Agora não vale. Recuar da tentativa de golpe depois de realizá-la é querer enganar o povo, como sempre enganou, com suas provocações verbais, arruaças de motoqueiros e bravatas irresponsáveis. Bolsonaro elevou a crise institucional que ele criou a seu nível máximo. Agora não tem recuo. Se o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional aceitarem sua desculpa esfarrapada, será a pior pedagogia para o povo. Significará que não há limite para a acusação sem prova, a injúria e a difamação.

Jair Bolsonaro pagará na cadeia ou no hospício os crimes que ele cometeu enquanto presidente da República, e, muitas vezes, antes disso. Prefiro a alternativa do hospício. Pois está claro que ele é um psicopata. Não é preciso ser psiquiatra para se chegar a esse diagnóstico. Psicopatia é a doença de quem, fechado sobre si mesmo, acha que é dono do mundo e pode tudo. Nada o restringe no plano social ou institucional. Ele age na Presidência como se estivesse num botequim de esquina.

Um país de mais de 200 milhões de habitantes não pode ser governado por um psicopata. Desculpem-me. Muitos dos que elegeram Bolsonaro não são propriamente imbecis. O adjetivo se aplica a motoqueiros bárbaros, caminhoneiros ignorantes, militares ressentidos e psiquiatras bolsonaristas. Muitos outros, porém, são apenas ingênuos. É o caso dos evangélicos conduzidos por pastores movidos pela simonia, a busca desesperada do dinheiro dos pobres para encher os próprios bolsos, colhendo e vendendo os votos da massa ignorante, por 30 dinheiros, em nome de Jesus Cristo.

Os pastores chamados pentecostais são o estofo de grande parte da massa ignara que elegeu Bolsonaro. Mas o povo ingênuo, enganado por eles, não tem culpa. Pertence à camada mais baixa da sociedade que perdeu a esperança, submetida que está a tanta pobreza e a tanta miséria. Sua esperança é Jesus, e Jesus, da parte desses pastores vigaristas, bem vale um dízimo regular, saído do sangue dos pobres e repassado aos políticos ainda mais vigaristas na forma de votos nas eleições.

Mas que dizer de amplas camadas da classe média que votaram em Bolsonaro? Dos psiquiatras. Dos caminhoneiros, que foram esmagados pela política de preços estratosféricos de combustíveis iniciada no governo Temer. É que a grande mídia nunca explicou que se trata de uma farsa neoliberal que alinhou arbitrariamente os preços da Petrobras aos preços internacionais mais elevados, para favorecer a entrada no país das petrolíferas estrangeiras que estão engolindo a Petrobras aos pedaços.

Acaso caminhoneiros broncos sabem distinguir a escalada dos preços da gasolina, do diesel e do gás de gasolina de um princípio geopolítico que esconde, dentro de uma fórmula matemática grotesca e mentirosa, o fetiche da necessidade de alinhamento dos preços internos dos combustíveis aos preços internacionais das petrolíferas estrangeiras? Quem entende isso? Para os caminhoneiros, basta a demagogia de Bolsonaro dizendo que está do lado deles. E deixa os preços altos.

Mas muitos milhões não votaram em Bolsonaro, votaram contra o PT. Esses foram os doutrinados pela Lava Jato, no conluio entre juiz e procuradores treinados pelo Departamento de Justiça americano e pela CIA, mais a grande mídia, que reproduzia sem crítica, e sem qualquer esforço investigativo, as denúncias contra Lula e seu partido. Mais uma vez, estamos diante da geopolítica por trás da política. Os infiltrados e provocadores por trás de manifestações de massa de 2013 e 2014.

Essa massa inorgânica gerou Bolsonaro. E por ser inorgânica submergiu diante da sucessão de crises por ele estimuladas e levadas ao extremo em defesa de seu projeto pessoal fascista. Sobraram ainda grandes frações de massa nas avenidas e praças das grandes capitais que atenderam ao apelo do mito. Mas não houve o confronto na forma de uma grande convulsão social que estava nos planos do presidente louco para chamar uma intervenção do Exército a fim de aclamá-lo ditador.

O que os comícios de Brasília e principalmente de São Paulo mostraram não foi uma exibição de força. Foi uma exibição explícita de loucura pública diante de milhões de pessoas. Crimes de responsabilidade perante centenas de milhares de testemunhas. Dispensam-se promotores, procuradores, presidente da Câmara, procurador da República para converter esses atos em crimes de responsabilidade contra a Constituição, a fim de desencadear processo de impeachment, porém longo.

Não precisa ser tão longo. Basta que o Supremo ponha em pauta e julgue imediatamente a ação proposta pelo jurista Miguel Reale Jr, em nome de um grupo de psiquiatras, e declare o óbvio: Bolsonaro é um psicopata. A prova está nas gravações dos dois comícios. Só um presidente psicopata ataca de público, pessoalmente, um integrante de outro Poder, estendendo o ataque a todos os demais participantes, portanto ao Poder inteiro. Basta. O Brasil não pode ser governado por um louco.

 

J. Carlos de Assis é economista e jornalista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

Tributação da folha de salários

Por Halley Henares.

Últimas Notícias

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.