A Tomada de Preço

Dando continuidade ao procedimento que deve ser adotado pela Administração Publica, seja Indireta ou Direta, para a aquisição de obras, serviços, compras e alienação, abordaremos, mais uma das modalidades, qual seja a Tomada de Preço.
Nesta modalidade de licitação, deverão os interessados estar cadastrados ou ainda preencherem todas as condições exigidas para o devido cadastramento, que deverá ocorrer em até três dias anterior a data do recebimento das propostas, observando as qualificações necessárias.
Ocorrerá a licitação por meio da Tomada de Preço, quando se tratar de contratações de valores intermediários, sendo obrigatória para as obras e serviços de engenharia que forem de até R$ 1,5 milhão.
Também terá sua obrigatoriedade, quando as compras e demais serviços tiverem valor até R$ 650 mil. Toda esta regra encontra-se devidamente disciplinado no artigo 23 da Lei 8.666 de 1993. Poderá, ainda, ser utilizada quando o valor se mantiver no limites do convite, sendo este um ato discricionário.
Uma das características é a existência do cadastro, onde o interessado deverá apresentar os documentos a um determinado órgão e não à comissão, que emitirá um certificado contendo informações de que o licitante está apto a contratar com a Administração Pública. Este procedimento ocorrerá antes da sessão pública.
Este cadastro demonstra uma maior vantagem, visto a praticidade em o licitante apresentar um único documento, qual seja o certificado, na fase da habilitação, emitido por aquele órgão cadastral.
No entanto, conforme supracitado, a nova sistemática passou a permitir não só os licitantes cadastrados, como aqueles que também atenderem todas as condições exigidas para o tal cadastramento, até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas.
Necessário se faz que no edital venha a forma com a qual o interessado não cadastrado fará para ingressar no procedimento, a fim de evitar insegurança jurídica.
A título de informação, no âmbito federal, foi criado pela Instrução Normativa 05/95 um órgão cadastral, o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores, conhecido como Sicaf.
Portanto, os licitantes interessados em contratar com a Administração deverão estar cadastrados no órgão acima referido, habilitando-se para poder firmar contratos administrativos.

Bruna F. Nepomuceno de Carvalho
Sócia do Escritório Guimarães, Nepomuceno e Leida de Carvalho.

Mônica Gusmão
Professora de Direito Empresarial, do Consumidor e do Trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Decisão do TST põe em xeque diversas terceirizações

Por Leonardo Jubilut.

Segurança do trabalho: como reduzir riscos jurídicos

Por Natália Tenório da Silva.

Uso do ponto eletrônico biométrico diante da LGPD

Por Juliana Callado Gonçales.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis