A turminha do mimimi

Jeitinho de ganhar dinheiro fácil por grupinho de trabalhadores que vê ofensa em tudo.

A linguagem – disse Saint-Exupéry – é uma fonte de mal-entendidos. Como disse o finado Belchior, “a gente se desentende no instante em que fala”. Cada profissão, cada grupo social, cada região ou cada país tem o seu “código de civilidade”, certos conjuntos de regras, hábitos, signos e formas de expressão por meio dos quais se comunicam e se entendem. O que é rude num certo contexto social pode não ser em outro.

No ambiente de trabalho também é assim. Você não pode exigir modos requintados e linguagem erudita entre garis, cortadores de cana, pedreiros e gente simples, assim como não deve tolerar linguagem chula em ambientes eruditos. Portanto, para avaliar se determinada conduta causa no outro um mal moral, um dano verdadeiramente interior, é preciso considerar o ambiente em que tal conduta foi praticada, a cultura dos autores envolvidos, a linguagem utilizada, a intenção de ofender.

A 2ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu (não analisou o mérito) de um recurso de um motorista que disse ter sofrido assédio moral por ter sido chamado de “folgado”. O TST não pode reexaminar provas. Reexamina teses.

Ainda que o TST não tenha podido reexaminar matéria de fato, isto é, se o empregado foi ou não chamado de “folgado”, é preciso verificar se, entre motoristas, chamar o outro de “folgado” causa mesmo alguma dor moral. Comecemos pela definição de dano moral. Dano moral é toda invasão ilícita de alguém no patrimônio moral de outrem, e que lhe causa algum aborrecimento acima da média, que o tire do eixo de suas ocupações habituais.

Comecemos, então, pelo primeiro requisito. Quem o chamou de folgado? Se foi algum colega, a empresa não pode ser responsabilizada por nada, mas sim o colega. Vamos para o segundo momento da análise. Se foi alguém da empresa que o chamou de “folgado”, há nisso alguma invasão “ilícita”? Se não há, não há dano. Se houver, isto é, se a expressão “folgado” tiver alguma insinuação criminosa, é de tal modo grave que seja capaz de tirar o sujeito do eixo de suas ocupações habituais?

Aí, temos de considerar o contexto em que a expressão foi usada, a cultura dos envolvidos, o ambiente de trabalho, a intensidade da “ofensa” e se de fato o uso da palavra “folgado” é capaz de afetar de algum modo a paz interior do outro de modo a ficar acima dos aborrecimentos habituais de quem vive em sociedade.

“Folgado”, no dialeto comum aos motoristas, é o sujeito molenga, enrolador, que faz corpo mole, que usa de artifícios para deixar de fazer o trabalho. Há nisso alguma ofensa moral?

Depende. Talvez entre professores, cientistas, advogados, médicos, juízes, sim. Entre gente simples, em que esse tipo de acusação é comum, não. Por isso, os tribunais inferiores entenderam não ter havido dano moral, e o TST, por não poder rever fatos e provas, mas apenas teses, confirmou a sentença.

Essa mania de se ofender por qualquer coisa, essa sensibilidade exagerada tem transformado o dano moral numa indústria rendosa para advogados. Sempre que um desses advogados topa com um juiz moralista, falsamente preocupado com a “integridade” do trabalhador, o estrago fica completo e as indenizações são vultosas.

A verdade é que esse jeitinho de ganhar dinheiro fácil compõe um grupinho de trabalhadores que veem ofensa em tudo. É a turminha do politicamente correto, em que nada pode, tudo é errado se escapa do seu imenso dicionário de proibições e ao seu mundinho particular onde tudo funciona direitinho. Milhares de empresas quebraram durante a pandemia, milhões de empregos foram perdidos, a economia anda para trás, e a corrupção come solta no país. Deixem os juízes se ocuparem de quem está roendo a República como ratos esfomeados.

Está mais do que na hora de a Justiça do Trabalho corrigir seu rumo e dar um basta a essa turminha do mimimi. Há coisas mais sérias.

Mônica Gusmão
Professora de Direito Empresarial, do Consumidor e do Trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

Recolhimento de contribuições atrasadas no INSS

Por Alexandre Triches.

Últimas Notícias

Brasil é o 9º país que mais gastou com tarifa pré-paga

No Uzbequistão paga-se somente R$ 0,11 pelo mesmo benefício.

Faria: De R$ 9,7 bi de multas, só R$ 900 milhões foram pagos no setor

Menos de 10% das multas aplicadas são pagas.

PEC dos Precatórios abre espaço de R$ 65 bi no Orçamento de 2022

Precatórios não pagos podem chegar a R$ 121 bilhões em 2026.

Setor de defesa e segurança exportou US$ 1,57 bilhão até novembro

Indústria gerou no Brasil 2,9 milhões de empregos.

Dieese: 13º de metalúrgicos do ABC pode injetar R$ 3,6 bi na região

Total de 1,275 milhão de pessoas são beneficiadas com o pagamento do 13º salário na região.