A volta da Sete Brasil

Indústria nacional sairá ganhando com recuperação da Sete Brasil, e Petrobras pode evitar dívida de R$ 30 bi

157
Plataforma
Plataforma. Foto: divulgação

Em matéria no site da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet), o diretor Administrativo da entidade, Fernando Siqueira, defende a viabilização da Sete Brasil, empresa criada em 2010 para contratação das plataformas para operar no pré-sal e que foi destruída pela fúria da Lava Jato contra tudo que tivesse “Brasil” no nome.

Este colunista acompanhou, razoavelmente de perto, a criação da Sete Brasil. A ideia era – e continua sendo – muito boa: reunir em uma empresa recursos para contratar a construção de 29 sondas em estaleiros nacionais, gerando empregos e tecnologia aqui, aliviando o balanço da Petrobras.

Tanto a ideia era boa que reuniu 2 dos 3 maiores bancos privados nacionais (Bradesco e Santander), além do BTG Pactual, os fundos de pensão Previ, Funcef, Petros e Valia, o FI-FGTS e a própria Petrobras, no Fundo de Investimentos em Participações (FIP) Sondas.

A queda no preço do petróleo e o golpe que derrubou Dilma Rousseff minaram a Sete Brasil, que acabou na lona com a caça às bruxas da Operação Lava Jato.

Espaço Publicitáriocnseg

Fernando Siqueira observa que os investidores, inclusive os fundos de pensão tiveram grande prejuízo. Para o diretor Administrativo da Aepet, deve haver um novo acordo envolvendo os bancos credores e os principais acionistas.

Segundo a Aepet, um impasse no Conselho de Administração da Petrobras pode fazer com que a estatal troque uma dívida negociada de R$ 912 milhões por outra, decidida judicialmente, que pode superar os R$ 30 bilhões.

“A proposta de acordo teve aval dos principais credores, da área técnica da Petrobras e da Sete Brasil, empresa de sondas da petroleira criada em 2010, no fim do segundo mandato de Lula”, explica a Associação. “Mas o estatuto da Petrobras determina que é preciso aprovação de dois terços do conselho, e há oposição dos votantes independentes.”

Siqueira explica por que defende a volta da empresa: “No meu entender, a Petrobras deve retornar o processo, viabilizando a Sete Brasil, que contrata os estaleiros nacionais para construir um número de sondas de necessidade da Petrobras. Com isso, o país gera emprego, renda e tecnologia”, argumenta.

Leia também:

Petrobras celebra acordo que cancela contratos com a Sete Brasil | Monitor Mercantil

Desdolarização

Os membros da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), que reúne 11 países que integravam a União Soviética, vão expandir o uso de moedas nacionais em transações mútuas, disse o presidente russo, Vladimir Putin, nesta terça-feira.

A transição para a utilização de moedas nacionais em liquidações mútuas garantirá a soberania econômica e financeira dos países-membros da CEI, disse Putin. Nos primeiros 10 meses de 2023, o volume de negócios comerciais aumentou 2% em relação a 2022, para US$ 83,7 bilhões.

Rápidas

O Sindicato da Indústria de Perfumaria no Estado de SP (Sipatesp) passa a ter a primeira mulher a presidir a entidade: Daniela Rios, atual diretora de Relações Governamentais e Políticas Públicas da Procter & Gamble *** A FGV, por meio da FGV Projetos, no âmbito de sua atuação no segmento de defesa, e da FGV EMAp, firmou parceria com a Marinha do Brasil para a realização do Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Inteligência Artificial para Aplicações Militares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui