A ‘vulcânica’ Maria da Conceição Tavares

Pequenas histórias da combativa economista Maria da Conceição Tavares, mestre e inspiradora de gerações

105
Maria da Conceição Tavares
Maria da Conceição Tavares (foto de Fernando Frazão, ABr)

Apaixonada pelo Brasil, onde chegou em 1954, e pelo Vasco da Gama (como não poderia deixar de ser, pelo seu nascimento na terrinha), Maria da Conceição Tavares deixa o País órfão não só de sua combatividade, mas de sua imensa e (também) reconhecida capacidade intelectual.

Este colunista esteve com a economista 2 ou 3 vezes, em eventos rápidos. Por isso, recorro a lembranças de Maurício Dias David, amigo de Conceição Tavares, para destacar um pouco da personalidade da mais brasileira das portuguesas:

“A Conceição sempre foi assim, de temperamento vulcânico, apaixonada, sem papas na língua… Certa vez, em um debate na PUC aqui do Rio de Janeiro, tocou-me ‘apresentá-la’ (como se Conceição precisasse de ‘apresentação’, cáspite!). Mas era uma coisa acadêmica, assim como uma praxe… Quando mencionei o ‘temperamento vulcânico’ da minha querida amiga, a plateia caiu em gargalhadas.”

MDD relembra também a visita que fez, junto com o economista Antonio Barros de Castro (“que me convidou para acompanhá-lo como seu vice-presidente no Instituto dos Economistas do Rio de Janeiro, Ierj”), “para convidarmos o excepcional economista liberal Mário Henrique Simonsen para fazer uma conferência sobre o processo inflacionário brasileiro em um ciclo que o Ierj pretendia organizar.”

Espaço Publicitáriocnseg

“Pois bem, o Simonsen – um homem generoso, liberal e de grande cultura econômica – aceitou de bom grado o convite, dizendo sentir-se muito honrado com a lembrança do seu nome. E nos perguntou: ‘E quem mais está sendo convidado a dar conferencias no ciclo?’ Quando o Castro mencionou o nome da Conceição, o Simonsen – que tinha uma relação respeitosa com a Ceiça e vice-versa, quase caiu da cadeira… ‘Não, não’, disse ele, ‘deixemos para outra ocasião’, disse para os estatelados Castro e eu mesmo… ‘Não é por nada, mesmo, mas é que vamos começar nossas intervenções, eu falo, e depois a Conceição entra com estardalhaço, daí a pouco ninguém sabe quem é Mário (Simonsen) e quem é Maria (da Conceição Tavares)…’

“A Conceição era assim, brigava, gritava, mas respeitava a tudo e a todos. A começar pelo velho Octávio Gouveia de Bulhões, de quem fora assistente na Faculdade Nacional de Ciências Econômicas, na Urca, e por quem ela sempre teve grande respeito e quase veneração, apesar das divergências ideológicas entre eles”, pontua Maurício Dias David.

Tecnocratas

“A dedicação à justiça social e ao desenvolvimento econômico brasileiro foi uma constante em sua vida, como certa vez afirmou no programa Roda Viva da TV Cultura, em 1995, que viralizou no aplicativo TikTok: ‘Se você não se preocupa com justiça social, com quem paga a conta, você não é um economista sério. Você é um tecnocrata’”, como destacou a UFRJ em nota em memória da Maria da Conceição Tavares.

Leia também:

Em 2024, 94 anos de 3 grandes brasileiros (FHC, Conceição, Sarney) | Monitor Mercantil

Rápidas

Aleluia Heringer, educadora e escritora, é a convidada do videocast Sinto Que Lá Vem História, do LIV, para falar sobre emergência climática e ecoansiedade. O episódio vai ar nesta terça *** De 12 a 16 de junho, o Shopping Jardim Guadalupe recebe a Feira de Flores *** A Rodenstock Brasil doou lentes de óculos para atender às vítimas atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui