Comércio internacional e as eleições norte-americanas

Embora ainda não finalizada – ainda resta o referendo do Colégio Eleitoral, que será realizado em 14 de dezembro -, a eleição de Joe Biden está praticamente concretizada. Partindo-se dessa evidência, com a posse de Biden e considerando-se os Estados Unidos da América – EUA o maior mercado consumidor do mundo, já se pode prever algumas situações.

Sob Trump, o estímulo aos negócios internacionais diminuiu consideravelmente – efeito da pandemia à parte – pela sua aversão ao processo de globalização e ao comércio sem fronteiras. Com Biden, há a perspectiva de uma valorização da Organização Mundial do Comércio – OMC e consequente ampliação das relações comerciais internacionais.

As relações com a China, principalmente comerciais, passam por delicada situação com Trump, que vem estabelecendo tarifas de importação elevadas com a finalidade de estimular a produção interna. Biden, por outro lado, ao sinalizar a aproximação com a OMC tenderia a, pelo menos, diminuir essas barreiras protecionistas.

Essas diretrizes do novo governo norte-americano possibilitaria o retorno dos investimentos na produção em torno do mundo e estimularia o comércio internacional.

A perspectiva dessas situações se tornarem realidade já se fez manifestar no final da semana passada e continuam neste início de semana, com a desvalorização do dólar em vários mercados (inclusive brasileiro) e elevação dos negócios nas bolsas internacionais.

O comércio internacional precisava desses estímulos!

#Francisco Américo Cassano

Doutor em Ciências Sociais – concentração em Relações Internacionais, Professor Ajunto e Pesquisador dos temasInternacionalização de Empresas e Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Artigos Relacionados

Serviços: contração devido a isolamento afeta desempenho no trimestre

'Se houver um bom progresso contínuo na vacinação, poderemos ver tendência de redução mais perceptível nos números da Covid', diz analista.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.