Aberração

“Um jovem, ou uma jovem, de 20 e poucos anos, sem filhos, cujo parceiro venha a falecer, será que é justo ele ter uma pensão vitalícia? Ou seria justo, neste caso, ele ter uma pensão até xis anos ou ter uma indenização?” O ataque aos direitos dos trabalhadores que descontam para a Previdência foi feita pelo ministro Luiz Marinho, em sua fase explicitamente antitrabalhador. Marinho defendeu a revisão de algumas formas e condições de recebimento de benefícios e citou casos de pensões por morte e de acúmulos de benefícios, que definiu como “aberrações”.

Vacinação cai
Talvez com saudades dos tempos de ministro da Saúde, o governador de São Paulo, José Serra, deu início na dessa segunda-feira, no Instituto Butantan, na Capital, à campanha de vacinação contra a gripe em São Paulo. A expectativa é vacinar 2,5 milhões de pessoas acima de 60 anos, 70% dos cerca de 3,6 milhões de idosos no estado. Em 2006, foram dez pontos percentuais a mais (80,22%). Para marcar o lançamento, Serra tomou a vacina. “Doeu um pouquinho mas eu disfarcei”, brincou. A campanha se estende até o dia 4 de maio.

Pioneira
No próximo dia 28, o governador José Serra deve inaugurar a primeira fábrica de vacina contra gripe do Hemisfério Sul, no Instituto Butantan. No mesmo dia será anunciado o projeto para produção de dez novas vacinas e cinco imunobiológicos até 2010. Faz parte do mesmo pacote, ainda, a inauguração da primeira fábrica de vacina contra gripe aviária do Brasil. O investimento do governo estadual foi de R$ 34 milhões. O Ministério da Saúde investiu outro tanto

Copo vazio
O almoço para degustação de vinhos portugueses promovido, segunda-feira, no Rio, pela Federação de Cooperativas (Fenadegas) – que reúne cerca de cem associados do setor vinícola lusitano – quase começou sem… os vinhos. É que, apesar das gestões dos organizadores do evento desde quarta-feira passada, a alfândega brasileira não liberou o desembaraço das mercadorias. Para realizar o evento, foi preciso comprar vinhos de alguns produtores nos supermercados e em importadores cariocas. A esperança da Fenadegas é que, na Expovinis, um dos principais eventos nacionais do setor, que começa em São Paulo, nesta terça-feira, e se estende até quinta, a alfândega conceda a liberação.

Sabor luso
Apesar do contratempo, a comitiva de produtores de vinhos portugueses mantém o propósito de buscar parceiros comerciais no Brasil para importar seus vinhos. O interesse se justifica. Depois de experimentar melhora significativa nos seus processos de vinificação, Portugal se tornou o terceiro país que mais exporta vinhos de mesa para o Brasil, sendo o principal fornecedor europeu, posição tradicionalmente ocupada pela Itália. Segundo o Ministério do Desenvolvimento do Brasil, o valor das exportações de vinhos de mesa portugueses para o Brasil avançou 42,03%, no primeiro semestre de 2006, em comparação a igual período de 2005. Em volume, o crescimento ficou em 36,29%, no mesmo período.

Estatuto dos concursos
A cada ano, os cerca de 5 milhões de candidatos a concursos públicos, atraídos pela estabilidade, enfrentam, além de horas de estudo e milhares de concorrentes, outros dois obstáculos: editais mal redigidos e a não convocação dos aprovados. Em busca de amenizar esse problema, a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac) está na fase final da elaboração do Estatuto dos Concursos Públicos, que será encaminhado ao Congresso Nacional.
Um dos principais pontos do documento será unificar todo o processo seletivo desde a publicação do edital até a convocação dos aprovados. O estatuto prevê ainda uma fórmula única de cálculo das taxas para as inscrições.

Restrições
É muito pouco provável a construção de novos terminais de importação e processamento de gás natural liquefeito (GNL) nos Estados Unidos durante os próximos dez anos, devido à repulsa da comunidade e às restritas leis ambientais. A avaliação do executivo-chefe da Hess LNG, Gordon Shearer, foi feita ao Energy Podium da Platts, agência especializada no setor de combustíveis. Terminais de liquefação seriam uma alternativa, defendida por alguns “especialistas” brasileiros, ao gasoduto da Bolívia e ao projeto de trazer gás via duto da Venezuela.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Ici, non”
Próximo artigoJunte-se a eles

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...