Abertura unilateral de Guedes destroçaria quase metade da indústria

Para CNI, corte de tarifas sem consulta reduz investimento e criação de empregos.

Estudo ainda inédito, contratado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) junto ao Centro de Estudos de Política da Universidade de Victoria, na Austrália – referência mundial – mostra que um corte abrupto de 50% do Imposto de Importação reduzirá o Produto Interno Bruto (PIB) de ao menos dez dos 23 setores industriais até 2022, prejudicando a retomada do crescimento e a redução do desemprego.
Nesta terça-feira, foi noticiado que o plano de abertura desenhado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prevê um corte unilateral das alíquotas de importação sobre produtos industriais de 13,6% para 6,4%, na média, em quatro anos.
Guedes nunca escondeu que apoia um choque tarifário, com o pretexto de aumentar a competitividade. O resultado, porém tem sido outro. Desde 1990, com Fernando Collor, a indústria vem sofrendo com competição desleal, que leva a perda de espaço e desnacionalização. O peso da indústria de transformação caiu de 16,8% do PIB em 1995 para 11,2% do PIB no primeiro trimestre de 2019 – menor patamar desde 1947.
Segundo estudo da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), o processo de desindustrialização no Brasil iniciou-se nas décadas de 1980 e 1990, mas ganhou força no período após a crise de 2008. As tarifas pretendidas pela equipe econômica deixariam o Brasil com níveis de proteção tarifária à indústria equivalentes aos dos países mais ricos do mundo. Estes países, porém, recorreram a forte taxação enquanto suas indústrias não eram competitivas.
A CNI reclama que “a proposta brasileira não tem sincronia com as demais medidas voltadas à ampliação da competitividade da economia e da indústria. O governo prevê um ‘choque’ de tarifa em apenas quatro anos, embora a reforma tributária discutida no Congresso Nacional possa ter período de transição de dez anos, e o acordo Mercosul–União Europeia só estará totalmente implementado após 15 anos de sua entrada em vigor”.
“Ao decidir não consultar o setor privado sobre o corte nos impostos de importação e não realizar análise de impacto regulatório sobre a medida, o governo contraria a Lei de Liberdade Econômica”, afirma a CNI. “A decisão aumenta a insegurança jurídica e reduz o horizonte de novos investimentos e novas vagas.”
“Nem a indústria nem o Congresso Nacional podem ficar de fora desse debate, pois o impacto é enorme nos estados e nos municípios industriais”, complementa o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Artigos Relacionados

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

PEC do calote quer elevar Bolsa Família para R$ 400

Proposta é parcelar dívidas reconhecidas pela justiça para criar o Auxílio Brasil.

Preços de commodities turbinam balança comercial

Mesmo com valores recordes de produtos básicos, exportações cresceram menos que importações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...