Abram os olhos

A gafe cometida pela Times, ao estampar a foto de um chinês numa matéria destinada a destacar a importância dos imigrantes latinos nas eleições presidenciais dos Estados Unidos mostra o nível de etnocentrismo que domina a visão política e cultural daquele país. Michael Shennum teve sua foto colocada ao lado de 19 outros personagens identificados pela Times como “hispânicos” – outra distorção, por tratar como tal todos habitantes do país com antecedentes, ainda que remotos, de falantes do espanhol, e inclui até brasileiros. Em tempo, a matéria da revista é favorável aos latinos, criticando democratas e republicanos por não darem a um contigente de 12 milhões de eleitores a devida importância que desempenham na construção dos EUA.

Show
Aliás quem acompanha a agenda de patetices que domina as prévias do Partido Republicano tem um caso exemplar e didático da diferença, abissal, entre democracia e entretenimento. Assim como no seu irmão siamês, o Partido Democrata, nas eleições internas republicanas leva vantagem, não quem apresenta as idéias e as propostas mais ousadas e concretas para tirar os Estados Unidos da sua gigantesca crise, mas, sim, os que reúnem mais apoios financeiros, para montar estruturar partidárias e influenciar delegados.

Ameaça à Amazônia
Em 2009, 42% da população da Amazônia viviam em extrema pobreza, enquanto a média brasileira, naquele ano, era de 29%; a pobreza extrema no Brasil foi reduzida de 20% para 11%, mas no Amazonas e no Amapá aumentou. Na região que mais tem recursos hídricos do mundo, os serviços públicos de acesso à água potável e ao saneamento básico são precários: em 2009, 34% da população amazônica não tinham água encanada; até 2008, pelo menos 81% dos municípios amazônicos não tinham nenhuma rede de coleta de esgoto. Os dados são citados pelo deputado Francisco Praciano (PT-AM) para demonstrar que, embora a Região Amazônica seja rica em potencial, sua população continua vivendo em estado de pobreza. Combate à pobreza pode não render elogios de ecologistas, mas melhora a vida da população e reduz danos ecológicos.

Com lupa
A dois anos da Copa do Mundo, uma ONG defensora de coisas raras e improváveis procura pelo menos um brasileiro – jovem ou de outra categoria protegida pela Lei da Copa – que consiga comprar com meia-entrada um dos 300 mil ingressos ao preço “promocional” de US$ 50, para uma partida do Brasil. Também busca um idoso que, em qualquer jogo da seleção brasileira, ingresse no estádio pagando meia-entrada. Quem alcançar a façanha ganha uma camisa autografada do Brasil, assim que Deivid conseguir fazer seu próximo gol. A ONG não aceita como prova índios falantes em inglês e com celular nem ingressos especiais para partidas eletrizantes, como Austrália x Ilhas Samoa.

Aos borbotões
A Universidade Estácio de Sá fechou o ano passado com 240 mil alunos, ou clientes – na gramática do mercado financeiro que transforma a educação em commodity – na graduação e na pós-graduação, 14,3% mais  sobre 2010. Desse total, 200,6 mil estavam matriculados nos cursos presenciais e 39,4 mil em cursos de ensino a distância. Os números incluem a Faculdades Atual (Roraima) e FAL e Fatern (estas duas em Natal), compradas pela Estácio ano passado. Desconsideradas “as aquisições”, o número de alunos ficou em 230 mil, 9,5% mais do que em 2010.

Educação
“Gestão do professor em sala de aula – a competência do educador do século XXI” é o tema da palestra que o doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) Celso dos Santos Vasconcellos fará dia 10, para educadores, no Colégio Anglo-Americano. Segundo Rosa Boselli, diretora geral do Anglo, um dos principais temas do encontro será a importância do olhar criativo e envolvente do professor, inserindo o aluno nas questões da atualidade. A palestra acontecerá às 11h30m, no Centro Cultural Anglo-Americano – Barra (RJ).

Desobrigados
A Justiça Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo) concedeu liminar à União que suspende o pagamento de R$ 8 bilhões às entidades de previdência privada, referente a Obrigações do Fundo Nacional de Desenvolvimento (OFNDs). O imbróglio foi levantando por esta coluna, na nota “Obrigados”, publicada no último dia 27 (28, no impresso).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior360 graus
Próximo artigoMonti na berlinda

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Sanções contra Rússia levam inflação na Europa para perto de 2 dígitos

Preços da energia subiram 42% em 1 ano.

Emprego cresce na Espanha após mudanças na reforma trabalhista

Números ainda são influenciados pela recuperação pós-pandemia.

Preço do cobre cai 25% desde o pico em 2022

Riscos de recessão aceleraram desvalorização do metal.