Abre o olho, Dilma!

A Ferrocarril Domingo Faustino Sarmiento, linha em que ocorreu, quarta-feira, o terceiro maior acidente ferroviário da história da Argentina, com cerca de 50 mortos e 600 feridos, é operada pela empresa Trens de Buenos Aires (TBA). O setor foi privatizado nos anos de vale tudo de Carlos Menem, que transferiu a área de transportes para mão$ privada$.

Lata do lixo, “no”!
Há pouco mais de duas décadas, a China cresce dois dígitos por ano, justamente, por desconsiderar o receituário que serve de âncora de chumbo para a esmagadora maioria das economias periféricas, entre as quais o Brasil. Apesar disso, ano após ano, tecnocratas dos bancos globais, do FMI e de outros órgãos multilaterais insistem em aconselhar os chineses a adotarem seus fracassados programas ortodoxos.
Agora, com a Europa às vésperas de novo mergulho numa profunda recessão e com os Estados Unidos estagnados, o Banco Mundial (Bird) divulgou o relatório China 2030, no qual aconselha a nova geração que assumirá o poder no país asiático, segundo conta o The Wall Street Journal, a reduzir o papel do Estado na economia.
Segundo o “jornalão” estadunidense, o relatório prevê que o crescimento do país correria o perigo de “desacelerar de forma rápida e imprevisível”, repetindo o ocorrido em muitos países em desenvolvimento depois de atingirem determinado nível de renda, “fenômeno que economistas do desenvolvimento chamam de “armadilha da renda média””. Caso a previsão de forte desaceleração se confirme, os autores do documentos, prevêem que isso poderia aprofundar os problemas no setor bancário e em outras áreas.
Para manter o crescimento e fugir dessa armadilhas, os tecnocratas do Bird, claro, recomendam que a China mude radicalmente o que há décadas permite o robusto crescimento chinês, reduzindo o papel do Estado na economia e fazendo as estatais operarem como empresas comerciais.
O documento e suas recomendações devem ter o mesmo destino dos demais: a lata do lixo.

Canais
A confusão recorrente das empresas entre mídia social e marketing tem produzido frequentes atritos entre departamentos das companhias. Numa das principais seguradoras do país, o clima ficou tenso depois que o departamento de informática acusou a área de mídia sociais de causar um “pico no sistema” devido ao grande número de reclamações postadas no Facebook. O pessoal do setor se defendeu argumentando que isso não aconteceria se o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) funcionasse a contento: “Os clientes não conseguem falar com o SAC, então, vêm reclamar no Facebook”, argumentou um dos representantes da área de mídias sociais da seguradora.

Resolvam
Moral da história: embora as empresas insistam em apresentar suas diferentes mídias, principalmente, na internet como um espaço de marketing, o que os clientes querem mesmo é um canal que, efetivamente, resolva os (muitos) problemas causados pelas companhias.

Xaxim ecológico
Em mais uma prova de que desenvolver tecnologia própria é bom negócio, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) colhe também frutos ecológicos. Abriu edital para selecionar empresas interessadas em produzir e comercializar o xaxim agroecológico. A planta foi desenvolvida por enraizamento vegetal e já está protegida por pedido de patente depositado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O xaxim tradicional vem do tronco da planta Dicksonia selowiana, espécie em extinção e cuja extração está proibida por lei. O edital para as empresas com interesse em produzir o novo xaxim está disponível no site http://snt.sede.embrapa.br/licitacao/. Os interessados têm até dia 2 para envio da documentação.

Batom no pódio
Metade dos atletas patrocinados pela Procter & Gamble (P&G) nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, serão mulheres. Em 2010, a P&G e o Comitê Olímpico Internacional (COI) assinaram uma parceria de dez anos, cobrindo os próximos cinco Jogos Olímpicos.

Cavalos de tróia
De degrau em degrau, o trio de poodles – Pasok, Nova Democracia e Laos – que, à frente do governo grego se submete a condições cada vez mais humilhantes exigidas pela tróica – FMI, União Européia e Banco Central Europeu – transforma a Grécia numa República de Bananas. Depois de aceitar até que que enviados dos credores supervisionem a aplicação das medidas, resta só uma dúvida: também vão permitir a privatização da Acrópole?

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRestrita
Próximo artigo“Banana Republic”

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás