Ação da PF desarticula quadrilhas especializadas no furto de caixas eletrônicos

Conjuntura / 08:33 - 28 de jul de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Polícia Federal e o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro fazem hoje uma operação contra duas organizações criminosas que, suspeita-se, sejam chefiadas por policiais militares. Os policiais federais estão cumpridos nove mandados de prisão e dois mandados de busca e apreensão. Outros suspeitos de integrar as quadrilhas já tinham sido presos em flagrante. Ao todo, 21 pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal, pelos crimes de furto qualificado e organização criminosa. Os grupos são suspeitos de furtar caixas eletrônicos, com maçaricos, serras e furadeiras. Segundo as investigações policiais, os grupos recrutavam criminosos de outros estados, especialistas na técnica de corte de caixas eletrônicos, principalmente de Santa Catarina. O nome dos envolvidos não foi divulgado. Usuários brasileiros de mobile banking são alvos de ataques via SMS Nos últimos anos, o número de pessoas que utilizam serviços de mobile banking tem aumentado consideravelmente. E, de olho nessa crescente demanda, criminosos brasileiros estão começando a apontar seus ataques contra este público de forma mais regular, utilizando o SMiShing (phishing enviado por SMS), além de registrar novos domínios preparados para esse fim. Só em 2015, o uso do mobile banking alcançou a marca de 11,2 bilhões de transações no Brasil, crescimento de 138% em relação a 2014 (4,7 bilhões de operações), tonando-se, atualmente, o segundo canal bancário mais acessado. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), são mais de 33 milhões de contas móveis ativas. Além disso, o uso global do SMS como canal de mensagens corporativas vai continuar a crescer ao longo dos próximos 10 anos, à medida que mais organizações adotam serviços A2P (Aplicação a Pessoa) para integrá-los em suas comunicações digitais. Somente entre 2014 e 2015, o segmento aumentou 22% em escala global. Com informações do Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor