Acerto de contas

O aumento da circulação, via Internet e pelas ruas, da lista com nomes e fotos de deputados federais que, no fim do ano passado, votaram a favor da redução de direitos trabalhistas, como FGTS, férias e 13º, está fazendo estragos no mercado eleitoral. Pela segunda vez em duas semanas, deputados do PFL declararam no horário eleitoral que a lista seria falsa e que o desmonte da CLT não tem nada de ruim. Um deputado do PFL cujo nome consta da lista chegou a passar a usar óculos em suas últimas aparições na TV.

Propaganda enganosa
O candidato à Presidência da República pelo PSB, Anthony Garotinho, disse sexta-feira que o candidato do governo, José Serra, faz propaganda enganosa. “Ele prometeu criar 8 milhões de empregos. Agora, promete aumentar o mínimo para R$ 300. O Serra é a versão tucana do Antônio Carlos Magalhães. É o Serra Malvadeza”, afirmou, em entrevista à imprensa, em Petrolina (PE). É o roto falando do esfarrapado. O ex-governador do Rio, em sua propaganda eleitoral na TV, afirmara ter feito no estado “o maior programa habitacional do país” com moradia para “500 mil pessoas”. Confrontado com os números – começou a construção de cerca de 10 mil casas (sendo que quase 4 mil ainda não estão prontas), o que significaria habitação para menos de 10% do que anunciara na TV – Garotinho preferiu culpar sua assessoria pelos números equivocados.

Companhia
Do presidente nacional do PT, deputado federal José Dirceu, criticando José Serra pela tentativa de desqualificar Lula pela falta de diploma: “Poderíamos listar centenas de brasileiros sem formação convencional e que são os melhores em sua área. A começar por Machado de Assis. Ou empresários, como José Alencar, Roberto Marinho, José Afonso (dono da Líder). No mundo empresarial você vai ter inúmeros exemplos. Gente de sucesso que começou no chão da fábrica, trabalhando desde cedo para viver, sem tempo para estudar. Os filhos, as novas gerações é que vão se formar. Como os filhos do Lula, que são formados ou estão cursando universidade.”

Império
A propósito de nota publicada nesta coluna sobre a hegemonia norte-americana no mercado cinematográfico mundial, cinéfilos atentos ao assunto salientam que esse imperialismo cultural é ainda mais assustador. Esses leitores destacam que, embora abocanhem 90% do mercado mundial, como aqui informado, os Estados Unidos são responsáveis por “apenas” 15% de toda produção mundial de filmes de longa metragem. Os países do Oriente – Índia à frente – respondem por cerca de 50% da produção global. Ou seja, a hegemonia norte-americana é largamente garantida pela distribuição e pela imposição de abertura unilateral de mercados, alavancada ainda pela divulgação do american way of life pelos filmes hollywoodianos.

Dia seguinte
O cálculo é feito a boca pequena por políticos que sonham com a vitória de seu candidato a presidente da República. Segundo esses círculos, apenas os cargos de primeiro a quarto escalão chegariam a cerca de 100 mil. Essa conta, porém, não é consensual. Tem político que acha que é mais.

Está explicado
Em comício, quinta-feira, no Rio, Lula deu uma pista para uma explicação, digamos mais simbólica, das suas três derrotas anteriores nas eleições para presidente. Corintiano roxo em São Paulo, Lula revelou que no Rio torce pelo Vasco da Gama, gloriosa agremiação esportiva, estigmatizada, porém, pelos seguidos vice-campeonatos.

Ceticismo tucano
Um dos principais coordenadores da campanha de José Serra, o deputado Pimenta da Veiga (PSDB-MG) parece também ter jogado a toalha. Em entrevista sexta-feira na qual tentava minimizar o crescente divórcio entre Serra e o presidente FH, Pimenta disse ter a sensação de que “a população já começa a ter saudade do presidente que está deixando o cargo”. Como Serra não cansa de prometer que fará um governo melhor do que o atual, a razão da saudade percebida pelo tucano – e não necessariamente compartilhada pelo eleitorado – parece estar na impossibilidade de o ex-ministro da Saúde se sentar na cadeira de presidente.

Artigo anteriorGol contra
Próximo artigoPragmatismo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.