Acesita reduz dívidas e ganha caixa para investimentos

A Acesita resolveu antecipar pagamentos e reduzir sua dívida líquida para R$ 49 milhões em 30 de setembro de 2006, ante R$ 429 milhões de dívida ao final do ano passado. Segundo o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia, Gilberto Audelino Correa, mais de 80% da dívida da companhia está atrelada a moedas estrangeiras. Dessa forma, a valorização cambial deste ano possibilitou a redução do custo da dívida além de ter permitido a antecipação de pagamentos de financiamentos mais caros. Por outro lado, a antecipação elevou a despesa financeira da Acesita, que atingiu R$ 7,3 milhões, ante R$ 5,4 milhões do segundo trimestre.
“A companhia agora tem capacidade para se auto-financiar e fazer novos investimentos. Estamos em fase de estudos para essa estratégia de investimentos com a Arcelor Mittal, discutindo com a controladora qual o futuro da companhia. Esperamos ter uma proposta de investimento para aumentar o valor da companhia até o final deste ano”, justificou o executivo.

Melhora nas margens

A recuperação dos preços dos aços inoxidáveis puxou a melhora de margens e os resultados da Acesita no terceiro trimestre. Correa, apontou que os preços de exportação do inox subiram cerca de 10%, recuperando parte das perdas de períodos anteriores. “Mas é bom destacarmos que boa parte desse aumento no inox veio do valor maior dos insumos, como o níquel”, disse.
Segundo o executivo, a recuperação de preços não deve ter continuidade ao longo deste quarto trimestre e de 2007, pois estes já estariam em um patamar razoável. “Não devemos ver um novo movimento de alta dos preços”.
Ele também destacou a recuperação de margens da companhia ao longo dos últimos trimestres. A margem bruta, por exemplo, passou de 24% no quarto trimestre de 2005 para 28% no primeiro trimestre deste ano, avançando para 31,2% de abril a junho e 33,2% no terceiro trimestre deste ano.
Já o Ebitda evoluiu de 15,5% no quarto trimestre do ano passado para 22,9% nos primeiros três anos deste ano, 25,9% no segundo trimestre e alcançou 27,3% de julho a setembro. “Agora chegamos em um nível confortável de margens. Se seguirmos nesse patamar ou até reduzirmos um pouco, estará excelente”, disse.  
No entanto, Correa alertou que o lucro líquido da companhia no fechado de 2006 pode ficar um pouco abaixo do registrado no ano passado, quando fechou em R$ 588,9 milhões. Nos primeiros nove meses do ano, o lucro da Acesita está acumulado em R$ 392,6 milhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNão-formadores de opinião
Próximo artigoO BNDES é dez

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais