Acesita reduz dívidas e ganha caixa para investimentos

A Acesita resolveu antecipar pagamentos e reduzir sua dívida líquida para R$ 49 milhões em 30 de setembro de 2006, ante R$ 429 milhões de dívida ao final do ano passado. Segundo o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia, Gilberto Audelino Correa, mais de 80% da dívida da companhia está atrelada a moedas estrangeiras. Dessa forma, a valorização cambial deste ano possibilitou a redução do custo da dívida além de ter permitido a antecipação de pagamentos de financiamentos mais caros. Por outro lado, a antecipação elevou a despesa financeira da Acesita, que atingiu R$ 7,3 milhões, ante R$ 5,4 milhões do segundo trimestre.
“A companhia agora tem capacidade para se auto-financiar e fazer novos investimentos. Estamos em fase de estudos para essa estratégia de investimentos com a Arcelor Mittal, discutindo com a controladora qual o futuro da companhia. Esperamos ter uma proposta de investimento para aumentar o valor da companhia até o final deste ano”, justificou o executivo.

Melhora nas margens

A recuperação dos preços dos aços inoxidáveis puxou a melhora de margens e os resultados da Acesita no terceiro trimestre. Correa, apontou que os preços de exportação do inox subiram cerca de 10%, recuperando parte das perdas de períodos anteriores. “Mas é bom destacarmos que boa parte desse aumento no inox veio do valor maior dos insumos, como o níquel”, disse.
Segundo o executivo, a recuperação de preços não deve ter continuidade ao longo deste quarto trimestre e de 2007, pois estes já estariam em um patamar razoável. “Não devemos ver um novo movimento de alta dos preços”.
Ele também destacou a recuperação de margens da companhia ao longo dos últimos trimestres. A margem bruta, por exemplo, passou de 24% no quarto trimestre de 2005 para 28% no primeiro trimestre deste ano, avançando para 31,2% de abril a junho e 33,2% no terceiro trimestre deste ano.
Já o Ebitda evoluiu de 15,5% no quarto trimestre do ano passado para 22,9% nos primeiros três anos deste ano, 25,9% no segundo trimestre e alcançou 27,3% de julho a setembro. “Agora chegamos em um nível confortável de margens. Se seguirmos nesse patamar ou até reduzirmos um pouco, estará excelente”, disse.  
No entanto, Correa alertou que o lucro líquido da companhia no fechado de 2006 pode ficar um pouco abaixo do registrado no ano passado, quando fechou em R$ 588,9 milhões. Nos primeiros nove meses do ano, o lucro da Acesita está acumulado em R$ 392,6 milhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNão-formadores de opinião
Próximo artigoO BNDES é dez

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

81% dos brasileiros têm contas em mais de uma instituição financeira

Oito em cada dez brasileiros têm conta em mais de uma instituição financeira, ou seja, controla suas finanças de força desagregada. É o que...