ACESITA

Lucro líquido cresce 77%
Resultado foi prejudicado pela desvalorização do dólar
A Acesita, única produtora integrada de aços planos inoxidáveis e siliciosos da América Latina e líder em seu segmento no mercado brasileiro, registrou no primeiro trimestre de 2005 lucro líquido de R$ 177 milhões, 76,8% superior ao resultado obtido no mesmo período de 2004.
Em relação aos dois últimos trimestres de 2004, o resultado líquido apresentou recuo em conseqüência, principalmente, da falta de ganhos monetários obtidos a partir dos efeitos da valorização do real em relação ao dólar sobre a dívida indexada a moeda estrangeira, como ocorrido naqueles períodos.
As vendas totais do trimestre foram de 187,7 mil toneladas (crescimento de 8,0%), e refletiram a flexibilidade da empresa em adequar seu funcionamento às necessidades e oportunidades de mercado. Em relação ao primeiro trimestre de 2004, destaca-se o aumento da participação dos aços siliciosos e carbono/ligados.
O segmento de aços inoxidáveis respondeu por 54,6% das vendas no trimestre, com 102,5 mil toneladas. O volume de vendas dessa linha foi cerca de 2,0% superior ao registrado no ano passado.
Já as vendas de aços siliciosos somaram 45,6 mil toneladas, distribuídas entre 9,0 mil toneladas de siliciosos G.O. (Grão Orientado) e 36,6 mil toneladas de G.N.O. (Grão Não-Orientado). O volume de vendas desses aços tem registrado aumento gradual no decorrer dos últimos trimestres, tendo sido 21,8% superior ao do primeiro trimestre de 2004. A participação dos aços siliciosos nas vendas totais foi 24,3%, com aumento de 2,8 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2004.

Mercado interno

As vendas no mercado interno foram de 128,3 mil toneladas, representando 68,4% do total vendido no trimestre. Esse volume é 13,9% superior ao registrado no mesmo período de 2004. Observa-se pequena redução de 1,5%, em relação ao último trimestre do ano passado, que a empresa justificou pelo arrefecimento do mercado de implementos agrícolas, que utiliza a linha de aços carbono/ligados da Acesita e pelo menor volume de vendas de gusa sólido.
As exportações registraram queda, com 59,4 mil toneladas, redução de 3,0% em relação ao mesmo período do ano passado. Os aços inoxidáveis, principais produtos de exportação da Acesita, responderam por 96,6% do volume exportado no trimestre.
A carteira de exportações foi distribuída entre mais de 50 países, com destaque para a Ásia, que participou com 49,2% do inox comercializado no exterior. A receita operacional líquida do trimestre foi de R$ 911,5 milhões, mantendo a trajetória de crescimento observada nos últimos trimestres. A receita de exportação respondeu por 37,0% do faturamento total. Em comparação a igual período do ano anterior, a receita operacional líquida teve crescimento de 35,6%.

Despesas operacionais

As despesas operacionais do trimestre permaneceram praticamente estáveis, em R$ 80,8 milhões, alta de 0,9%, e crescimento de 41,9% em relação ao primeiro trimestre de 2004. A maior alta se deu na conta de despesas comerciais, refletindo principalmente o aumento das despesas com frete, comissões de agentes no exterior e seguros.
As despesas administrativas em relação à 2004 foi justificada pela destinação de menores montantes para projetos culturais, que no trimestre anterior receberam especial atenção devido à comemoração dos 60 anos da companhia, e redução de despesas com serviços de informática vinculados à implantação do sistema de integração de informações SAP. A conta de outras receitas (despesas) operacionais registrou resultado positivo de R$2 milhões no trimestre, revertendo o saldo negativo dos trimestres anteriores, o que pode ser atribuído, em grande parte, a reversões de provisões.
O crescimento de 42,1% do lucro bruto, somado à estabilidade das despesas operacionais, permitiu obter resultado operacional (Ebtida) de R$ 256,4 milhões, com aumento de 42,2% em relação ao primeiro trimestre de 2004. Em relação ao 4º trimestre do ano passado, o resultado operacional ficou estável, com crescimento de 0,2%.

Reestruturação financeira

A reestruturação financeira implementada no decorrer de 2004, permitiu à Acesita manter uma estrutura de capital equilibrada, com menor volume de dívida e menor custo de carregamento. Com isso, as despesas financeiras e os efeitos da variação monetária sobre o endividamento em moeda estrangeira foram fortemente reduzidos.
Assim, no trimestre as despesas financeiras líquidas somaram R$ 17,4 milhões, com redução de R$ 27,4 milhões (61,2%) e R$19,6 milhões (52,9%) em relação ao primeiro e último trimestre de 2004, respectivamente.
A dívida bruta ao final de março era de R$ 1,3 bilhão, com redução de 10,3% em relação à posição de 31 de dezembro de 2004. A parcela indexada a moedas estrangeiras representava 83,1% do endividamento total, dos quais 88,6% eram referentes a contratos de ACCs e pré-pagamentos, portanto com proteção natural contra variações cambiais. As operações de hedge cambial foram reduzidas de US$ 15,4 milhões ao final de 2004 para US$ 2,9 milhões ao final do trimestre em razão da menor exposição da dívida à variação cambial e da maior estabilidade da moeda nacional.
Já a dívida líquida consolidada, em 31 de março, era de R$ 1,0 bilhão, com aumento de R$ 20,8 milhões no trimestre. O aumento é decorrente da redução das disponibilidades a partir da destinação de R$ 59,3 milhões para o pagamento de juros sobre capital próprio realizado em fevereiro.
Os investimentos realizados no trimestre somaram R$ 14,7 milhões, e foram destinados principalmente a manutenção e atualização de equipamentos, além de R$ 5,9 milhões referentes à implantação do SAP. O investimento total previsto para 2005 é de R$ 130 milhões e inclui a reforma do alto-forno II que teve início em abril, além de projetos visando aumento de produtividade.

Artigo anteriorMais um
Próximo artigoReal acelera
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.