Acordo desigual entre Mercosul e UE

Exemplo do México com o Nafta não permite entusiasmo do Brasil.

Após 20 anos de negociações, foi fechado nesta sexta-feira o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia. A avaliação do que foi acertado vai do otimismo de líderes da indústria à crítica de setores nacionalistas, que chegam a dizer que o acordo foi novo 7×1 contra o Brasil.

A indústria nacional não estaria preparada para concorrer com os produtos europeus, analisa Leonardo Trevisan, professor de Relações Internacionais da ESPM/SP, em entrevista ao Sputnik Brasil. “Em termos práticos, a adesão para a indústria automotiva à abertura de tarifa zero para entrada de automóveis europeus no Brasil, que era de 15 anos, passou para dez anos, e caiu o período de carência de cinco anos. Na prática, nós vamos sofrer uma concorrência brutal”, alertou o especialista.

Uma comparação com as promessas feitas ao México em 1994, quando foi criado o Nafta, acordo entre o país, EUA e Canadá, e a realidade pode alertar os brasileiros para não repetirem os erros dos mexicanos. Análise feita pelo Center for Economic and Policy Research (CEPR) mostra que, 20 anos após o Nafta, o México figurava em 18º entre 20 países da América Latina no que tange ao crescimento do PIB real per capita, a medida econômica mais básica em termos de padrão de vida.

O crescimento do PIB per capita do México, de 18,6% nos últimos 20 anos, é quase a metade da taxa de crescimento alcançada pelo resto da América Latina. A taxa de pobreza caiu de 45,1% para 37,1%, redução muito menor qo que no resto da região (de 46% 26%). O salário real (ajustado pela inflação) teve um aumento de apenas 2,3% ao longo de 18 anos.

“O acordo Mercosul/UE é profundamente desigual: abre os mercados de capitais, serviços e bens industrializados sul-americanos em troca de cotas agrícolas. O impasse na negociação só foi superado porque Bolsonaro e Macri atenderam a todas as demandas europeias sem contrapartida”, protestou o candidato a presidente pelo PSOL em 2018, Guilherme Boulos.

Trevisan, da ESPM, lembra que o acordo ainda precisa ser ratificado por todos os estados da UE para entrar em vigor. “Esse processo será longo, e não há previsibilidade de que ele será como é hoje”, ponderou. “Precisamos de um pouco mais de calma para comemorar ou chorar em cima desse acordo”, resumiu o professor.

Artigos Relacionados

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

BC chinês injeta liquidez no mercado

banco central da China injetou dinheiro no mercado monetário em julho para atender à demanda das instituições financeiras por liquidez. 100 bilhões de iuanes...

Produtos plásticos aumentaram exportação na pandemia

No início de 2020, setor também enfrentou alguns problemas como falta de insumos, mas exportação atualmente está crescendo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...