Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

As ações da Traders Club (TRAD3) desabaram mais de 25% na tarde desta quinta-feira. Os papéis, que chegaram a ser cotados a R$ 7,21 na última terça-feira, operavam às 16h perto de R$ 5. O ataque contra o TC está relacionado a boatos de que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o autorregulador do mercado (BSM) estariam investigando a empresa por práticas ilegais no mercado.

A notícia, dada pelo colunista do jornal O Globo Lauro Jardim, não foi confirmada pelas entidades. Em comunicado, a TC declarou que não recebeu notificação dos respectivos órgãos e tampouco foi contatada previamente pelo autor da informação para confirmações ou respostas. “A companhia reforça ainda que preza pela isonomia de informações e pelo cumprimento dos mais altos padrões de governança corporativa”, afirma o comunicado pulicado pela área Relações com Investidores (RI) da TC.

No início da semana começou a circular via WhatsApp um vídeo em que uma mulher com o rosto pintado de palhaça fazia sérias denúncias contra a companhia e afirma que a TC estaria sob investigação da CVM. “Não é uma acusação, são apenas reflexões. E sim, cabe explicação da Traders Club, companhia de capital aberto, e da CVM, Comissão de Valores Mobiliários, sobre todas elas”, diz a apresentadora.

Entre as práticas ilegais, ela cita três exemplos: manipulação na apresentação de resultados da companhia, manipulação de preços de ativos (prática denominada de spoofing) e a prática do front runner por parte dos sócios da TC (“quando postam uma dica, milhares de pessoas os imitam”). A apresentadora destaca que as provas serão mostradas em um segundo capítulo.

Procurado pela reportagem do Monitor, um dos sócios do TC, Rafael Ferri, declarou que as acusações são falsas, e que o que está ocorrendo é um ataque especulativo contra as ações. Não se conhece ainda a procedência do vídeo, nem a identidade da apresentadora. No mercado, boatos dão conta de que o conteúdo teria sido elaborado por uma casa de análise com posição vendida em TC.

Leia mais:

Com ações no zero a zero, TC busca culpados da especulação

1 COMENTÁRIO

  1. Caso essa acusação seja verdadeira. A empresa também terá que responder por falsa informação aos sócios. Já que ela afirma que não são verdades a informação. Correto?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Magazine Luiza: ‘carnêzinho’ não tão gostoso

Enquanto venda virtual dispara, desempenho de lojas físicas deixa a desejar.

Por que as projeções do PIB estão sendo revistas para cima?

Crescimento melhora, mas deve perder ritmo ao final do ano e início de 2023

Últimas Notícias

Dívida do Rio cairá para menos da metade se corrigida pelo IPCA

Alerj vai ao STF para recompor perdas com ICMS dos combustíveis e energia.

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Desemprego cai em 22 das 27 unidades da federação

Tocantins teve maior recuo no segundo trimestre do ano.

TCU encontra brechas na segurança de informação federal

Equipamentos pessoais constituem risco de entrada para ataques.

Brasilux entra no mundo do metaverso

Empresa cria evento com a apresentadora Renata Fan em auditório virtual.