‘Adesão da Finlândia e da Suécia enfraquecerá Otan’

Para estudiosa, Ocidente 'precisou' se expandir para países da ex-URSS para impor 'valores ocidentais' e 'democracia', segundo a narrativa.

“A adesão da Finlândia e da Suécia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) será um desenvolvimento negativo para o Ocidente, pois acabará por enfraquecer a aliança.” A opinião é de Pelagia Karpathiotaki, estudiosa de Relações Internacionais e pesquisadora da Universidade de Negócios e Economia Internacionais, com sede em Pequim, em entrevista à Agência Xinhua.

Ainda segundo ela, “embora as preocupações da Finlândia e da Suécia sobre a Rússia tenham seus motivos, elas não provam que sua adesão à Otan seja do interesse da Otan. Esses dois países serão considerados problemáticos pela Rússia, que ao mesmo tempo são fracos demais para serem defendidos pelo Ocidente”, avaliou, ao comentar os resultados da cúpula da Otan em Madri.

A Turquia desistiu de suas objeções à adesão dos dois países à Otan, mas muitas questões permanecem sobre os planos de ampliação da aliança antes e depois do início da atual crise na Ucrânia.

No caso da Finlândia e da Suécia, uma vez concluído o processo de adesão, será criado um espaço de instabilidade no sistema de segurança europeu, argumentou Karpathiotaki.

As minúsculas forças militares desses países acrescentariam pouco à força militar geral da aliança, mas sua adesão à Otan criaria grandes problemas, disse ela.

“O interesse da aliança é evitar ficar presa em áreas que dificilmente poderia defender, enquanto um grande aumento de seus membros dificultaria a tomada de decisões”, observou Karpathiotaki.

“Além disso, países com fortes elementos antirrussos atrairão a aliança para tensões indesejadas com Moscou”, enfatizou a estudiosa.

Essa é a mesma opinião de vários analistas políticos e militares, que claramente não são pró-Rússia, acrescentou ela.

Em circunstâncias normais, a Otan deve considerar se os candidatos podem contribuir para a defesa coletiva da aliança, observou Karpathiotaki.

“No entanto, hoje a expansão da Otan é baseada em narrativas ideológicas e não em critérios de poder”, disse ela.

O Ocidente “precisou” se expandir para países que antes faziam parte da União Soviética ou estavam sob a esfera de influência soviética para impor “valores ocidentais” e “democracia”, segundo a narrativa.

Como resultado, os países com contribuição de mínima a negativa para o poder coletivo da aliança, se unem e surgem problemas em uma estrutura onde as decisões devem ser tomadas por unanimidade, observou a especialista.

O problema é agravado pelo fato de que os países aliados hoje têm identidades e agendas geopolíticas muito diferentes em comparação com a antiga Otan “sólida” da Guerra Fria, explicou ela.

Para Karpathiotaki, o argumento de que “depois de irmos para uma nova Guerra Fria, então devemos ser o maior número possível contra a Rússia” também não é válido.

A questão não é quantos Estados estão na estrutura da Otan, mas que poder eles têm, disse ela.

 

Agência Xinhua

Leia também:

Otan diz ‘trabalhar duro’ sobre Finlândia e Suécia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior

‘Meu cartão de crédito é uma navalha’

Preços, juros e desemprego altos e queda do poder de compra causam o uso da modalidade crédito.

Cerveja: consumo fora do lar se aproxima de níveis pré-pandemia

Bebedores cresceram 3 milhões em relação à pré-pandemia; venda de vinhos passou de 383 milhões de litros, em 2019, para 501,1 milhões, em 2020.

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior