Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido

Por que as pessoas têm tanto medo de investir? O economista Fabio Louzada, analista CNPI, explica que simplesmente as pessoas têm medo do desconhecido. “Algumas tiveram péssimas experiências passadas, receberam más indicações de investimentos ou acompanharam a triste história do parente ou amigo que aplicou em ações uma vez na vida e perdeu dinheiro”, diz ele.

Na opinião do economista, para superar o medo e virar a chave, nada melhor do que adquirir conhecimento. “No Brasil existe um histórico de pessoas que perderam dinheiro com maus investimentos. Na maioria dos casos, são exemplos de investidores que adquiriram ações da Vale e da Petrobras – e quem investiu nas duas perdeu dinheiro na crise de 2008 ou crise do subprime, originada nos Estados Unidos. Isso gerou uma onda de receios na população, mas também, não é para menos. Quem saiu no prejuízo, tirou o dinheiro da bolsa e ainda disse para os outros não entrarem nessa que ‘é roubada’ ”, exemplifica Louzada.

Fabio Louzada possui graduação em Gestão Financeira pela FGV, pós-graduação em Finanças, Investimentos e Banking e em Liderança, Inovação e Gestão pela PUC-RS. É membro da Comissão de Educação da Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. Abaixo outras reflexões do economista sobre o assunto.

Fundos imobiliários

Os investidores mais antigos preferem comprar imóveis a investir em fundos imobiliários (FII), pois enxergam na aplicação predial um dos investimentos mais seguros e rentáveis do mercado. Na verdade, esse é um mito – muito pela questão de o imóvel ter um risco camuflado, o que não existe nas ações e no FII.

Os imóveis não têm o que chamamos de marcação a mercado, ou seja, uma avaliação diária do valor de venda do ativo, que leva em consideração, entre outros fatores, oferta e demanda. Só se tem uma estimativa de valor do seu imóvel no dia que resolve vender, o que muitas vezes acontece em situações de aperto financeiro.

Na emergência da venda, o preço é derrubado e o investidor sai perdendo. Por isso, vale mais a pena o fundo imobiliário, em que a gestão é feita por um profissional. O gestor é

quem vai negociar com os locatários, analisar a região para saber se vale a pena comprar ou vender um imóvel, determinar o quão vantajoso é manter um imóvel no portfólio, analisar todo o terreno.

No FII a gestão é feita por um expert, alguém que tem todo um estudo e uma equipe por trás para garantir a rentabilidade do fundo. Sem falar que o investidor não tem gastos com Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), manutenção, condomínio ou cartório. Tudo está incluído na cota, sem riscos cegos e dor de cabeça no planejamento sucessório.

Viés técnico do mercado

Os analistas não se esforçam para trazer uma linguagem mais clara sobre investimentos. Usam muitos termos em inglês e acabam distanciando o cliente, que acha a compreensão do tema muito difícil. Tem muito investidor que quando está com o profissional de investimentos fica só concordando com tudo, mas por dentro, não está entendendo nada.

Poupança, a cultura ruim dos brasileiros

A palavra poupança é muito confundida com o produto poupança. É preciso educar a população, criar o senso de que o hábito de poupar é uma coisa, aplicar na poupança é outra. Lembre-se: o verbo poupar vem de você guardar dinheiro.

Sobre a caderneta de poupança, que tal substituir pelo hábito de investir em produtos financeiros mais rentáveis?

Falta de confiança no profissional

Confiança é a chave de tudo, principalmente quando precisamos do suporte de um profissional para tratar de assuntos que não dominamos. Por exemplo, quando você está doente, confia na orientação do seu médico, certo? No mercado de investimentos a lógica é a mesma. O problema é que muitas pessoas tiveram experiências desanimadoras no passado, principalmente com a figura do gerente do banco – afinal, ele está do lado do banco ou do correntista?

A boa notícia é que o mercado está mudando. Os bancos estão atualizando suas políticas para melhor atender o correntista – cada vez mais bem-informado sobre finanças – de forma transparente e com indicações assertivas de investimentos, baseadas no perfil do investidor e não nas metas estabelecidas pela instituição.

Na Eu Me Banco, Fabio e sua equipe fazem um importante trabalho de formação de especialistas em investimentos, atualizando a mentalidade do mercado e capacitando profissionais para que tenham conhecimento específico para dar a melhor orientação para o investidor, montando portfólios aderentes aos seus objetivos e vantajosos para o seu bolso, sem pegadinhas.

Achismos

Hoje em dia existe um mito de que é preciso ensinar todo mundo a investir, mas tem muita gente que não quer saber disso, só quer delegar a gestão dos investimentos para um profissional. E é aqui, nesse ponto, que costuma bater a insegurança.

Muitas pessoas não querem investir, mas sim querem que o profissional invista por eles. Muitas pessoas não buscam ser especialistas em investimentos, querem encontrar alguém

para confiar.

Quando se vai ao médico, o objetivo não é saber como se dá a cura de todas as doenças, mas sim encontrar alguém que saiba qual é o melhor tratamento para mim. Porém, tenho o básico de conhecimento para avaliar o que me faz bem ou mal, para saber se o médico que está me atendendo é competente.

Para ter tal nível de compreensão, não é preciso ser um expert, saber o básico é o ponto de partida para a construção de uma relação de confiança. Funciona na relação que você mantém com o seu médico e vai funcionar na relação que você terá com o seu profissional de investimentos.

Leia também:

Como lidar com a renda variável no segundo semestre de 2022?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Coronel fiscal de eleições dissemina informações falsas

TSE deixa aberta a possibilidade do a pasta indicar outro nome

Mais de 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil

B3: Pacto pelos 15% com Fome, da Ação da Cidadania

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior