Afinal quem ganha e quem perde com esta carestia?

Por Ranulfo Vidigal.

Popularidade política anda na contramão de inflação e desemprego

Há uma percepção generalizada que a atual inflação penaliza principalmente as famílias mais pobres, uma vez que se faz presente com grande intensidade em bens e serviços básicos, como energia elétrica, gás de cozinha, combustíveis, aluguéis e alimentos. É elevado o número de pessoas que voltaram a ter insegurança alimentar, a morar na rua, ou a usar o fogão a lenha. Esta inflação é, especialmente, perversa, mais um desemprego, um desalento e estagnação da renda, como mostrou o dado divulgado pelo Banco Central (IBC-Br) recentemente.

Este quadro inflacionário, por outro lado, gera ganhadores. A disparada do dólar, aumenta o preço de produtos e insumos importados, pressionando a inflação. Por outro lado, favorece os setores exportadores, como o agronegócio, mais interessado em exportar comida do que a ofertar no mercado doméstico, onde a fome se alastra. Também favorece quem tem ativos em dólar.

O aumento dos preços da energia elétrica também se relaciona diretamente com decisões políticas. Dentre elas destacam-se as de longo prazo, como a opção por enormes usinas hidrelétricas em lugar de empreendimentos menores e descentralizados, aumentando o impacto ambiental e a suscetibilidade a eventos climáticos.

A política do setor de óleo e gás também contribui para o rápido aumento dos preços. O país passa a exportar cada vez mais óleo bruto e a importar refinados. E a política de precificação da empresa, associando os preços dos combustíveis àqueles observados no mercado internacional (em vez de associá-los aos custos em moeda nacional), gera enorme pressão sobre a inflação, não só dos combustíveis, mas de toda a cadeia produtiva que deles depende.

São decisões políticas que impactam a inflação, gerando ganhadores e perdedores. A alta no dólar encarece alimentos importados e favorece a exportação, sobrando menos para a oferta doméstica. A comida fica cara, a fome se alastra, e o agronegócio exportador ganha. O aumento dos combustíveis e da energia elétrica favorece os acionistas das empresas produtoras, mas penaliza toda a população. A soma desses fatores impacta o preço dos aluguéis, favorecendo locadores em detrimento a quem precisa pagar pela moradia, de modo que centenas de milhares de pessoas moram nas ruas.

Resumo da ópera: a inflação atual é, em larga medida, determinada por decisões políticas desastrosas e perversas na medida em que penalizam as camadas mais pobres da população em favor de grupos privilegiados. Considerando que popularidade política anda na contramão de inflação e desemprego, a questão econômica vai dominar o debate para as futuras eleições de 2022 e gerar muita dor de cabeça para os políticos de plantão.

Ranulfo Vidigal é economista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Respeito à democracia

Por Paulo Alonso.

Comex no mercado Latam: tecnologia é aliada indispensável

Por Léoton Martins.

Últimas Notícias

Produtos verdes e inteligentes são destaques na Expo da Rota da Seda

Uma variedade de produtos verdes e produtos inteligentes estão em exibição na Sexta Exposição Internacional da Rota da Seda em Xi'an,na China.

Delta do Rio Yangtzé impulsiona integração por meio de digitalização

O Delta do Rio Yangtzé da China, um dos centros econômicos do país, está acelerando a sua transformação digital e fazendo novos progressos com base nas redes 5G.

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.