Afinal, quem pagou para beneficiar Bolsonaro no WhatsApp?

Machismo e fake news entram em campo para desviar assunto que incomoda o governo.

A Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgaram nota em protesto contra as “lamentáveis declarações do presidente Jair Bolsonaro ao ecoar ofensas contra a repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo”.

As insinuações do presidente buscam desqualificar o livre exercício do jornalismo e confundir a opinião pública”, anotam as entidades. “Como infelizmente tem acontecido reiteradas vezes, o presidente se aproveita da presença de uma claque para atacar jornalistas, cujo trabalho é essencial para a sociedade e a preservação da democracia.”

Vale destacar que a CPMI das Fake News acabou servindo de palco para difundir… fake news. Quem ainda acredita que Bolsonaro e turma são apenas toscos que contam com um exército virtual nas redes tem mais um exemplo para mudar seus conceitos. As ações do grupo são pensadas e coordenadas.

No episódio da CMPI, tirou-se do noticiário o essencial – uso das redes sociais, pago por empresas, para influenciar nas eleições de 2018 e beneficiar Bolsonaro – para colocar no centro uma discussão sobre ataques machistas e mentirosos. Para delírio das claques reais e virtuais.

Quem elabora a estratégia e de onde ela se origina ainda é caso para apuração. No caso da CPMI, provavelmente, foi no Brasil, mesmo.

 

Siga o dinheiro

Pelo mesmo caminho foi a ação – mais bem elaborada – de Jair Bolsonaro para se livrar do corpo do miliciano Adriano da Nóbrega e jogar o problema no colo dos governadores do Rio e da Bahia. Estratégia bem-sucedida, graças ao valioso apoio de Rui Costa, em que os Bolsonaro saem como prejudicados pela “queima de arquivo”.

De quebra, o presidente ainda se concede um habeas corpus preventivo ao insinuar que os interessados na morte do miliciano podem “plantar” algo comprometedor à família Bolsonaro nos celulares de Adriano, apreendidos pela polícia.

Se os chips já não foram inutilizados, e houver interesse em investigar, serão o mapa da mina para levantar as relações do miliciano. A polícia tem outro elemento na mesa: seguir, no melhor estilo dos romances policiais, o caminho do dinheiro que permitia a Adriano se sustentar no seu doce exílio.

 

Balbúrdia

Cientistas da Universidade Federal da Bahia descobriram um teste que detecta o coronavírus em três horas; o tempo de espera anteriormente era de 48 horas. “A ciência brasileira está mostrando ao governo, mais uma vez, que tecnologia e pesquisa não têm nada a ver com balbúrdia. São um orgulho para o nosso país”, enfatizou o deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ).

 

Malha fina

A Controladoria-Geral da União (CGU) realiza nesta quarta-feira sorteio de municípios que serão fiscalizados em 2020 quanto à aplicação de recursos repassados pela União. O sorteio, que utiliza o mesmo sistema e os mesmos equipamentos empregados nas loterias da Caixa, será às 10h, em São Paulo. O evento contará com a presença do ministro da CGU, Wagner Rosário. Serão sorteados 60 municípios com população de até 500 mil habitantes.

 

Bola na rede

O Botafogo do Rio já teve benemerência de presidente bicheiro, prefeito torcedor (para reaver a sede e conseguir o estádio Engenhão) e sonha com herdeiro de banqueiro. Agora, recebeu ajuda de youtubers para contratar o jogador Yaya Touré. Passou de 181 mil inscritos no YouTube.

 

Rápidas

O belga Alain Taillard, que desfila no Carnaval carioca há 20 anos, será homenageado nesta sexta-feira com o título de Embaixador do Turismo do Rio pelo professor Bayard Boiteux, que coordena o prêmio *** A Megamatte marcará presença na Orla da Zona Sul carioca nesta quarta-feira distribuindo raspadinhas premiadas com porções de pão de queijo e com mate 300ml. O número de raspadinhas é limitado, mas todas contêm prêmio *** A Associação de Docentes da Universidade do Estado do Rio Janeiro (Asduerj) divulgou nota em apoio irrestrito à greve dos trabalhadores da Petrobras, que entrou no seu 18º dia nesta terça-feira *** Até 31 de março, o Centro Universitário IBMR recebe doações de materiais escolares que serão destinados para instituições carentes. A ação faz parte do Trote Solidário, mas toda a população pode doar. Os pontos de coleta são os campus da Barra, Botafogo e Catete, todos no Rio de Janeiro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.