Agronegócio segue sendo a menina dos olhos das exportações

O agronegócio representou 45,3% das exportações totais brasileiras no primeiro semestre de 2021. Até junho, as exportações do setor somaram US$ 61,49 bilhões, o que representa um crescimento de 20,8% em relação ao exportado no mesmo período em 2020. A expectativa é que em 2022 esse valor aumente. Os dados são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para aproveitar esse potencial, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) estão organizando a participação de empresas brasileiras de alimentos, bebidas e agronegócio nas 30 maiores feiras internacionais do setor em 2022.
Só pela Apex-Brasil estão previstas participações em 16 feiras setoriais. A Agência informou nesta terça-feira que disponibiliza aos empresários preparação e estrutura antes e durante o evento, estande, espaços de networking, recepcionistas, material promocional e tradutor. Desta forma, a Apex-Brasil espera contribuir para que as participantes alavanquem seus negócios no cenário internacional, por meio de parcerias e novos clientes. As inscrições já estão abertas e o calendário pode ser acessado no regulamento.

A Apex-Brasil apoia mais de 1,6 mil empresas de diversos segmentos do agronegócio brasileiro. Para o Gerente de Agronegócios da Apex-Brasil, Márcio Rodrigues, o agronegócio brasileiro tem capacidade de diversificar e ampliar suas exportações para o mundo, e as feiras internacionais abrem ainda mais possibilidades de promover produtos, especialmente os de maior valor agregado. “O agronegócio brasileiro tem capacidade crescente de exportar produtos para uma diversidade de mercados e as feiras são uma oportunidade para ampliar a quantidade de empresas exportadoras e de mercados alcançados pelo Brasil”, declara.

A Gulfood, por exemplo, é a principal feira de alimentos e bebidas do Oriente Médio e contempla os segmentos de bebidas, lácteos, óleos, produtos free from, carne e frango, entre outros. Em 2021, a Apex-Brasil levou 50 empresas para o evento com 4 pavilhões Brasil e que resultou em US$ 33,2 milhões em negócios fechados.

Já a Sial China, contempla o mercado asiático sendo o maior evento dos setores de Agronegócio, Bebidas e Alimentos. Neste ano, 10 empresas contaram com o apoio da Apex-Brasil para participarem do evento. Foram fechados mais de US$ 550 mil em negócios imediatos no evento e a estimativa é que esse valor possa superar US$ 2,3 milhões em negócios ao longo do ano.

Leia também:

Construção cresce, mas há incerteza sobre continuidade de retomada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais

Feninfra questiona no STF a implantação do Código 303

Feninfra: medida vai afetar também as empresas que estão fora da fiscalização da Anatel.

EcoRodovias vence leilão da Rio-Valadares

Está previsto R$ 20 bi de investimentos e custos

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais