Água: fonte de vida, dignidade e desenvolvimento

Ainda convivemos com a falta de planejamento adequado, com o desperdício, com os esgotos à beira de casas.

Celebrou-se em 22 de março o Dia Mundial da Água, mas pouco se tem a comemorar. A água é fonte de vida, de dignidade e de desenvolvimento, assegurada pela Constituição de 1988 como bem público ambiental essencial à qualidade de vida, art. 225 da CF. Os usos da água estão assegurados pela Lei 9.433/1997. O novo marco do saneamento básico, Lei 14.026/20, previu a universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário até 2033. Além, o direito ao acesso à água de qualidade consta dentre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, (ODS 6). Não obstante, ainda temos no Brasil e no mundo um grande número de pessoas sem acesso à água de qualidade e ao saneamento básico.

Em geral é difícil para aqueles que vivem nos grandes centros urbanos dotados de água canalizada e geralmente de boa qualidade imaginar a dificuldade de boa parcela da população brasileira, em especial em áreas rurais e mais afastadas das cidades, para ter acesso à água em quantidade e qualidade suficientes até mesmo para os usos domésticos e dessedentação de animais. Para se ter uma ideia do problema da desigualdade, a Amazônia, plena em rios e com abundância de águas, possui apenas 3% da população com acesso aos serviços hídricos.

O Dia Mundial da Água permite uma reflexão de como nós, usuários, podemos contribuir para uma melhor gestão desse precioso recurso ambiental promovendo, a partir de nossos hábitos e ações, a cidadania e a dignidade de milhões de brasileiros.

É fundamental o envolvimento da escola, dos jovens, das mulheres e cidadãos em geral nesse processo. É urgente a educação ambiental contextualizada e transversal em todos os níveis de ensino. A reflexão deve ser ampla, pois não haverá gestão de água eficiente sem o diálogo permanente e fortalecimento dos Conselhos, dos órgãos gestores, das secretarias de recursos hídricos, dos comitês de bacias.

O fundamental é que a água precisa chegar a todos em quantidade e qualidade suficientes à uma vida digna. Sem a apropriação de responsabilidades e integração entre todos os atores, seja o setor público e privado, a sociedade civil e usuários, não alcançaremos à pretendida universalização até 2033.

A água não é apenas fonte de vida e de dignidade, mas também de desenvolvimento, pois sem acesso a ela e ao saneamento básico continuaremos com alto nível de mortalidade infantil, de desigualdade e falta de oportunidades iguais para todos. Ainda convivemos com a falta de planejamento adequado, com o desperdício, com os esgotos à beira de casas, com a falta de gestão de resíduos, de políticas públicas para coleta seletiva, e de aterros sanitários suficientes. Ainda existem no Brasil cerca de 3 mil lixões que precisam ser transformados em aterros sanitários. Sem a correção de problemas estruturais, é difícil pensar em universalização do acesso à água e ao saneamento básico.

É fundamental elevar nossas vozes para cobrar dos entes públicos a universalização da água e dos serviços de saneamento, fazendo-se cumprir as leis em vigor. Por outro lado, é preciso agir para não poluir ou despoluir as águas, proteger as nascentes e matas ciliares, evitar o desperdício, estimular a coleta seletiva, além do necessário engajamento em projetos de monitoramento e gestão que possam gerar água de qualidade para cada um, para a comunidade ou para a cidade. A chamada para universalizar o acesso à água de qualidade já começou, e, principalmente pelas dificuldades enfrentadas nessa pandemia, cada um de nós tem consciência da importância da proteção desse bem ambiental e de que ele possa chegar a todos, sem distinção.

Leia mais:

O homem como elemento da natureza – uma visão ecológica

Acesso à água e gênero

O ‘ponto de não retorno’ da Floresta Amazônica

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Consertar este planeta

Por Paulo Márcio de Mello

‘A Mão e a Luva’

Por Mônica Gusmão

A Lei de Biossegurança em pauta no STF

Uso de transgênicos não é tarefa fácil. Qual será a medida menos onerosa para as futuras gerações?

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...