Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Dentre os objetivos do desenvolvimento sustentável apresentado pela ONU para 2030 está a ODS 06, que é o de assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável de água para todos. Segundo a ONU, os recursos hídricos, bem como os serviços a eles associados, sustentam os esforços de erradicação da pobreza, de crescimento econômico e da sustentabilidade ambiental. Concretizar esse objetivo, alcançando até 2030 o acesso universal e igualitário à água potável segura e a preços acessíveis a todos, bem como ao saneamento básico, requer não apenas cooperação internacional, mas eficiente gestão interna, como a proteção das nascentes, rios e bacias e compartilhamento das tecnologias de tratamento de água.

As metas de universalização da água e do saneamento básico estão contidas no novo marco legal do saneamento editado no Brasil, Lei 14.026/2020, e este prevê que, até 31/12/2033, 99% da população tenha atendimento de água potável e pelo menos 90% possa contar com coleta e tratamento de esgotos. A falta de saneamento afeta a vida de todos, sobretudo, compromete a vida de crianças, bem como a saúde, a educação e a renda, especialmente de mulheres e pessoas vulneráveis no Brasil.

Embora o Brasil possua o maior potencial hídrico do mundo, ainda conta com 35 milhões de brasileiros sem acesso à água potável e 100 milhões não têm acesso à coleta de esgoto. Implantar redes de esgoto em quase 50% do país e levar água a locais precariamente abastecidos representam grandes desafios e requerem estratégias de planejamento e gestão, além da participação ativa da população.

A água tratada é um direito humano fundamental, bem como o saneamento básico. Municípios brasileiros sofrem com a seca, e permanece sendo uma grande preocupação levar água e saneamento a todos eles, principalmente porque há uma tendência de que sejam priorizadas regiões mais ricas em detrimento daquelas mais pobres ou de difícil acesso, em especial, áreas rurais.

A participação da sociedade nessa gestão é fundamental, protegendo os mananciais, pagando os custos dos serviços para captação dos recursos financeiros e implementação do programa, não edificando na faixa de 30 a 500 metros dos cursos d’água (Lei 12.651/2012, art. 4ª), dando destinação correta ao lixo, promovendo a educação ambiental, atuando e fiscalizando quanto ao uso racional da água, sua qualidade e direito de acesso a todos.

O novo marco do saneamento e sua proposta de universalização têm que atender a todos, seja a população urbana de municípios grandes ou menores, de áreas periféricas ou da área rural. Saneamento básico, disponibilidade de água potável, separação dos materiais recicláveis e destinação adequada dos resíduos sólidos e do lixo com o fim dos “lixões”, é sinônimo de saúde, de maior acesso à renda e ao trabalho, de redução da pobreza e de crescimento econômico por meio da sustentabilidade ambiental. Em resumo, é forma de assegurar o princípio da dignidade humana a milhões de brasileiros. Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal do saneamento e só com muito empenho chegaremos lá.

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Fim dos lixões, gestão adequada e a crise climática

Apenas 3% dos municípios do Ceará e 8% da Paraíba são atendidos por aterros sanitários.

Embaixador José Jobim homenageado

Diplomata foi assassinado pela ditadura após revelar superfaturamento em Itaipu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...