Ah, coitado!

Ao tentar justificar o injustificável, o ministro Pedro Malan voltou a atropelar os fatos. Em entrevista a Jô Soares, assegurou que, apesar da bilionária ajuda recebida do Banco Central, o presidente do Banco Marka, Salvatore Cacciola, “perdeu tudo”. Malan, porém, saiu-se com um “não sei”, quando o apresentador lhe perguntou se o Salvatore “ficou pobre”. A escusa foi significativa. Noves fora os US$ 17 milhões enviados ao exterior, Salvatore continua tão banqueiro quanto antes. O Marka, não só não sofreu intervenção, como nada o impede de continuar operando, como mostra a análise das operações da instituição no mercado futuro, lastreadas na generosidade do BC com a banca.

Mão de gato
O país quer saber: quem no governo e no Banco do Brasil autorizou a federalização dos precatórios da Prefeitura de São Paulo, que dormitavam no Banespa? Quem matar a charada pode estar a meio caminho de descobrir o nome do futuro feliz vencedor da privatização do banco paulista.

Trabalho moderno
A empresa CTM, que acaba de perder para a concorrente Quatro A o contrato de terceirização do serviço de informações (102) da Telemar no Rio de Janeiro, nem sequer se dignou a comunicar a seus cerca de 700 funcionários qual será seu destino após 15 de julho, quando se encerra o contrato da empresa. Nada a estranhar, porém, de uma empresa que, ao contratar cerca de 150 telefonistas no início do ano, submeteu os candidatos a “treinamento intensivo” de 12 dias sem garantia de aproveitamento e sem remuneração.

Gol contra
A rede de lojas de eletrodomésticos Ponto Frio vai ter que fazer um esforço de marketing para limpar a imagem junto à torcida botafoguense. Tudo por conta de um “anúncio de oportunidade” publicado segunda-feira na seção de esportes de alguns jornais. O reclame trazia como título “Fogão campeão” – e se referia a uma marca de fogão, em promoção na rede de lojas. Para o torcedor que ainda sofria com a perda do título da Copa do Brasil, na véspera, a propaganda soou como provocação, pior do que as feitas por rubro-negros, vascaínos e tricolores.

Umbigo
Os Estados Unidos, que não engoliram a reunião Mercosul-UE, preferiram ignorar a Cimeira. O Washington Post dedicou míseras três linhas ao encontro. Na edição de terça-feira, porém, o Brasil apareceu com destaque. O jornal da capital norte-americana publicou matéria de um quarto de página sobre a Tiazinha.

Hello
Os entusiastas da abertura do setor de comunicação para os estrangeiros – mais uma vez sem nenhuma reciprocidade, como é de praxe no reinado tucano – deveriam dar antes um expiada nos números do comércio no Nafta. Pesquisa do ano passado revela que, enquanto o México exporta apenas 2% de sua programação televisiva para os Estados Unidos, importa de seu poderoso vizinho 60% da programação exibida nas emissoras locais.

Consumidor atropelado
Os usuários do transporte coletivo municipal no Rio estão com uma pulga atrás da orelha. Os ônibus convencionais com ar-condicionado que cobravam tarifa de R$ 1 passaram a circular com a premonitória advertência de “promoção” ao lado da tabela de preço.

Preciosas
Após ter ameaçado revelar informações “preciosas” sobre a reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso, o vice-governador de Minas Gerais, Newton Cardoso (PMDB) deu a entender que não vai revelar o que sabe. Como a ameaça foi feita após ter sabido da demissão de Flávio Menicucci do DNER, Newton Cardoso deveria agora esclarecer: 1) o que de tão grave sabe sobre a reeleição de FH; 2) por que mudou de idéia, em 48 horas, após considerar sua “ira” superada. Aos espectadores da cena política, fica a dúvida: o vice de Minas adotou a tática de dossiês virtuais, muita utilizada por ACM, ou FH correu para “acalmar os ânimos”?

Astro
Sucesso de popularidade no Rio, o presidente cubano, Fidel Castro, também está com o ibope em alta entre os jornalistas. Ele deu ontem três entrevistas. Galanteador, pegou nos braços de algumas repórteres. Para uma, ao reencontrá-la, disse: “Tu ainda por aqui?”. Num gesto de fã, um repórter argentino pediu uma foto ao lado do dirigente cubano. “É o momento mais importante da minha vida”, disse o repórter. “Da minha também”, respondeu Fidel.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRebelião
Próximo artigoTodos por 21

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...