Ainda que lentamente, cresce número de mulheres em cargo de liderança

O Brasil, das 508 empresas listadas no banco de dados da BM&F Bovespa, 197 têm pelo menos uma mulher no conselho de administração (38,78%) e 165 possuem pelo menos uma conselheira efetiva (32,48%). Os dados são do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Os números mostram que a presença da mulher em cargos de decisão ainda é muito inferior aos homens.

De acordo com o especialista em governança corporativa para empresas familiares e diretor-presidente da GoNext Governança e Sucessão, Eduardo Valério, a tendência é que esses números cresçam. “O movimento das mulheres que hoje ocupam cargos de CEO ou conselhos de administração é crescente, mesmo que de forma lenta. Nos conselhos a velocidade é maior, porque não depende da mulher estar em uma diretoria executiva, por exemplo”, explica.

Ele afirma que os conselhos de administração que estão tendo uma presença maior de mulheres são ligados as áreas de tecnologia, inovação e organizações sobretudo da beleza. “Há um grande espaço para as mulheres nos conselhos de administração e na liderança. As empresas querem cada vez mais mulheres líderes, pois com as competências femininas e competências masculinas juntas, o negócio fica mais forte”, destaca.

O número de mulheres participando de conselhos de administração cresce a cada ano. Mesmo que de forma lenta, a presença feminina na liderança das companhias é uma tendência mundial. Conforme dados de uma pesquisa realizada pela consultoria norte-americana Pearl Meyer, o número de mulheres presente nos conselhos das 200 maiores empresas do mercado norte-americano de ações, passou de 19% em 2010, para 32% em 2020.

Outro estudo, desta vez da Kantar – empresa líder global em pesquisa de mercado, também aponta o crescimento da presença feminina na liderança. A pesquisa apresenta dados de 18 países de acordo com os números divulgados, entre os anos de 2012 e 2020, a quantidade de mulheres em cargos de liderança dobrou, indo de 10% para 20%.

Metas

Para Luiza Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, a participação das mulheres nas empresas brasileiras ainda está longe do ideal, mas que o mercado em geral está mais atento ao tema. Hoje o Magazine Luiza tem 40% dos cargos de conselheiros ocupados por mulheres. Na visão da presidente, a diversidade traz vantagens para a companhia. Uma delas é que fica mais fácil a empresa se comunicar e atender o público brasileiro, que é muito diverso.

Outras empresas também estabelecem metas para ter mulheres ocupando cargos de liderança. Segundo o Instituto Ethos, um dos exemplos é o Walmart, que estabeleceu a meta global de ter 50% de mulheres ocupando cargos de liderança. Hoje, no Brasil, 51% dos funcionários são mulheres, mas em cargos de liderança o percentual cai para 38%.

No Brasil, o Walmart lançou o Movimento +Mulher 360, junto com outras 36 grandes corporações, com o objetivo declarado de equilibrar a balança do gênero nas empresas e nas comunidades em que elas estão inseridas. Também fazem parte do grupo, as empresas Arno, Amanco, Bunge, Coca-Cola, Diageo, HP, Natura, P&G, Pepsico e Santander, entre outras.

Grau de instrução

As mulheres brasileiras são mais instruídas que os homens e com mais acesso ao ensino superior. O retrato está presente na pesquisa “Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”, divulgada em março deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na população com 25 anos ou mais, 19,4% das mulheres e 15,1% dos homens tinham nível superior completo em 2019. A parcela da população com instrução vem avançando, mas as mulheres se mantêm nos últimos anos com maior grau de instrução. Em 2012, eram 14% das mulheres com ensino superior e 10,9% dos homens. A única faixa etária em que há mais homens que mulheres com ensino superior é aquela acima dos 65 anos ou mais, o que mostra as restrições do acesso à educação em décadas passadas, aponta o IBGE.

Lei

Em 2017, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou o projeto de lei que define um percentual mínimo de participação feminina nos conselhos de administração de todas as empresas que têm mais da metade do capital controlado pelo governo federal (PLS 112/2010). As cotas vão poder ser implementadas de forma gradual, começando com 10% em 2018, passando a 20% em 2020 e chegando a 30% em 2022.

A GoNext Governança & Sucessão é uma consultoria especializada na implantação do sistema de governança corporativa e sucessão em empresas familiares. Fundada em 2010, atua com metodologia exclusiva para a profissionalização, elaborada a partir da experiência adquirida em mais de 180 projetos atendidos no Brasil e nos EUA. A equipe de consultores desenvolve planejamento personalizado, de forma integrada aos objetivos e necessidades de cada cliente. Em 2021, a consultoria estreou no mercado de franquias, dentro dos planos de expansão da marca.

Leia também:

Seis em 10 empresas na AL manterão trabalho remoto após pandemia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado continua esperando inflação maior

O mercado continua apostando na escalada ininterrupta da inflação, furando as metas estabelecidas pelo governo tanto para este ano como para 2022. O cenário...

TCU encontra ‘esqueleto’ de R$ 27 bi na transmissão de energia

Troca de equipamentos obsoletos poderá ter impacto nas tarifas.

Covid-19: Turismo mundial perde US$ 2 trilhões em 2021

Segundo dados da OMT, as chegadas internacionais caíram até 75% este ano.

Últimas Notícias

Cresce mercado de investimento em ações da China

O investimento em ações na China apresentou crescimento este ano, uma vez que o volume de fundos levantados e o investimento registraram um crescimento...

CVM alerta: Atuação irregular de Business Bank BNI Investiments S.A

A Comissão de Valores Mobiliários está alertando ao mercado de capitais e ao público em geral sobre a atuação irregular de Business Bank BNI...

Usina TermoCamaçari ficará com a Unigel até 2030

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 11/05/2021, informa que, após a retomada das negociações com a Proquigel Química S.A., subsidiária da Unigel...

STF é questionado sobre inconstitucionalidade de privatizações

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, defendeu nesta segunda-feira, em audiência pública na Câmara dos Deputados, que o Supremo Tribunal...

Mais um Fiagro na listagem da B3

Ocorreu nesta segunda-feira o toque de campainha que marcou o início de negociação do terceiro Fiagro na B3, o JGP Crédito FI Agro Imobiliário. As...